Também conhecido como
Lipidograma
Colesterol total e frações
Nome formal
Perfil lipídico
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 10 de Julho de 2017.

O que é o perfil lipídico?

É um grupo de exames pedidos frequentemente em conjunto para avaliar o risco de doença cardíaca coronariana. São bons indicadores do risco de infarto do miocárdio ou de acidente vascular cerebral causados por bloqueio de vasos sanguíneos ou endurecimentos das artérias (aterosclerose). O perfil lipídico em geral inclui:

Um perfil estendido pode incluir:

Algumas vezes, o relatório inclui valores adicionais, como a relação colesterol total/colesterol HDL ou um escore de risco baseado nos resultados e em idade, sexo e outros fatores de risco. Pergunte a seu médico o que significam esses dados para você.

Como a amostra é colhida para o exame?
Na maioria dos casos, é colhida uma amostra de sangue de uma veia do braço. Algumas vezes, é usada uma gota de sangue obtida por punção de um dedo. Esse tipo de amostra em geral é usado quando o perfil lipídico é medido em um aparelho portátil, como, por exemplo, em uma feira de saúde. É necessário jejum de 9 a 12 horas antes da colheita de sangue. Apenas é permitida a ingestão de água.

Como é usado o perfil lipídico?
É usado para avaliar o risco de doença cardíaca e orientar o médico para decidir o tratamento de pessoas com risco limítrofe ou aumentado. Os resultados do perfil lipídico são considerados em conjunto com outros fatores de risco de doença cardíaca para desenvolver um plano de tratamento e de acompanhamento. Dependendo dos resultados do perfil lipídico e de outros fatores de risco, as opções de tratamento podem envolver mudanças de estilo de vida, como dieta e exercícios, ou medicamentos para diminuir os lipídios, como estatinas.

Quando o perfil lipídico é pedido?
Recomenda-se que adultos saudáveis sem outros fatores de risco de doença cardíaca façam um perfil lipídico a cada cinco anos. A triagem pode ser feita medindo apenas o colesterol. Entretanto, se o colesterol estiver alto, devem ser feitos outros exames do perfil lipídico.

Se a pessoa possuir outros fatores de risco ou um resultado de colesterol alto no passado, deve ser testada com maior frequência usando o perfil lipídico completo.

Os exames de lipídios não são, em geral, pedidos para crianças e adolescentes. Entretanto, é recomendado o perfil lipídico de crianças e jovens com risco aumentado de desenvolvimento de doença cardíaca na vida adulta. Alguns desses fatores de risco são semelhantes aos de adultos, incluindo história familiar de doença cardíaca ou problemas de saúde como diabetes, hipertensão arterial, ou peso excessivo. Crianças com risco alto devem fazer seu primeiro perfil lipídico (incluindo colesterol LDL) entre 2 e 10 anos de idade, de acordo com a American Academy of Pediatrics, dos EUA. Crianças com menos de dois anos de idade são jovens demais para serem testadas.

O perfil lipídico pode também ser pedido para avaliar o efeito de alterações de estilo de vida, como dieta e exercícios, com o objetivo de reduzir os níveis de lipídios ou para determinar a eficácia de medicamentos, como as estatinas.

Quais são os fatores de risco de doença arterial coronariana, além de colesterol LDL alto?

Os fatores de risco incluem:

  • Fumo.
  • Idade (homens com 45 anos de idade ou mais e mulheres com 55 anos de idade ou mais).
  • Colesterol HDL baixo (menos de 40 mg/dL).
  • Hipertensão arterial (pressão arterial 140/90 ou mais ou pessoa em uso de medicamentos anti-hipertensivos).
  • História familiar de doença cardíaca prematura (doença cardíaca em parente do primeiro grau, homem com menos de 55 anos de idade ou mulher com menos de 65 anos de idade).
  • Diabetes.

Nota: Colesterol HDL alto (60 mg/dL ou mais) é considerado um "fator de risco negativo" e permite a subtração de um fator de risco do total.

O que significam os resultados?


Em geral, o médico considera cada componente do perfil lipídico e outros fatores de risco para determinar se é necessário tratamento e qual tratamento é melhor para reduzir o risco de doença cardíaca. O National Cholesterol Education Program, dos EUA, e a Sociedade Brasileira de Cardiologia fornecem a orientação abaixo para classificação de resultados de exames de adultos:

Colesterol LDL
Ideal: menos de 100 mg/dL
Desejável: 100-129 mg/dL
Limítrofe: 130-159 mg/dL
Alto: 160-189 mg/dL
Muito alto: mais de 190 mg/dL

Colesterol total
Desejável: menos de 200 mg/dL
Limítrofe: 200-239 mg/dL
Alto: 240 mg/dL ou mais

Colesterol HDL
Nível baixo, risco aumentado: menos de 40 mg/dL em homens e menos de 50 mg/dL em mulheres
Nível médio, risco médio: 40-50 mg/dL em homens e 50-59 mg/dL em mulheres
Nível alto, risco baixo: 60 mg/dL ou mais em homens e mulheres

Triglicerídeos em jejum
Desejável: menos de 150 mg/dL
Limítrofe: 150-199 mg/dL
Alto: 200-499 mg/dL
Muito alto: mais de 500 mg/dL

As categorias de risco de crianças e adolescentes são diferentes das de adultos. Converse com o pediatra sobre os resultados de seus filhos.

Como o tratamento é determinado?

É determinado pelo risco total de doença arterial coronariana. O nível desejado de colesterol LDL é identificado de acordo com os resultados dos exames de lipídios e outros fatores de risco. O paciente é tratado se os níveis do exame estiverem acima dos desejados.

O nível desejado de colesterol LDL é:

  • Menos de 100 mg/dL se a pessoa tem doença cardíaca ou diabetes.
  • Menos de 130 mg/dL se a pessoa tem dois ou mais fatores de risco.
  • Menos de 160 mg/dL se a pessoa tem nenhum ou um fator de risco.

O primeiro passo para tratar níveis altos de colesterol LDL são mudanças de estilo de vida: dieta com pouco colesterol, gorduras saturadas e gorduras insaturadas trans, e exercícios regulares moderados. O paciente pode ser encaminhado a um nutricionista para orientação dietética.

O paciente é tratado com medicamentos se dieta com poucas gorduras e exercícios não são suficientes para que o colesterol LDL atinja o nível desejado. Há diversas classes de medicamentos eficazes para diminuir o colesterol LDL. Após o início do tratamento, ele é medido em intervalos regulares para avaliar os resultados. Se for atingido o nível desejado, a dose do medicamento pode ser aumentada ou adicionado outro medicamento.

Perguntas frequentes

1. Fiz uma triagem de colesterol. O resultado foi menor que 200 mg/dL. Preciso fazer um perfil lipídico?
Se o seu colesterol total está abaixo de 200 mg/dL e você não tem uma história familiar de doença cardíaca ou outros fatores de risco, não é necessário um perfil lipídico. Entretanto, pode ser aconselhável uma medida do colesterol HDL para verificar se ele não está baixo. Muitos programas de triagem oferecem as medidas de colesterol total e colesterol HDL.

2. Meus resultados de perfil lipídico vieram com triglicerídeos altos e sem resultado de colesterol LDL. Por quê?
Na maioria dos perfis de triagem, o colesterol LDL é calculado a partir de outras medidas de lipídios. Entretanto, o cálculo não é válido se os triglicerídeos estiverem acima de 400 mg/dL. Nesses casos, para determinar o colesterol LDL são necessárias técnicas especiais, como o colesterol LDL direto ou ultracentrifugação de lipídios.

3. O que é VLDL?
As lipoproteínas de densidade muito baixa (em inglês, VLDL – very low density lipoproteins) formam um dos três principais grupos de partículas de lipídios. As outras duas são as lipoproteínas de alta densidade (HDL – high density lipoproteins) e as lipoproteínas de baixa densidade (LDL – low density lipoproteins). Cada tipo de partícula contém uma mistura de colesterol, triglicerídeos e proteínas, em diferentes proporções. As LDL contêm mais colesterol, as HDL mais proteínas e as VLDL mais triglicerídeos. Como as VLDL contêm a maior parte dos triglicerídeos circulantes e a composição das diferentes partículas é relativamente constante, é possível avaliar a quantidade de colesterol VLDL dividindo o resultado dos triglicerídeos (em mg/dL) por 5. Como, no momento, não há um modo simples e direto e medir o colesterol VLDL, esse cálculo é usado na maioria dos laboratórios, mas não é válido para valores de triglicerídeos acima de 400 mg/dL (veja pergunta 2, acima). Níveis aumentados de colesterol VLDL estão associados a risco aumentado de doença cardíaca e acidente vascular cerebral.

4. O que é o colesterol não-HDL?
Representa o “colesterol aterogênico” – colesterol que pode se acumular nas artérias, formar placas e causar estreitamento e bloqueio de vasos sanguíneos. É calculado subtraindo o colesterol HDL do colesterol total. Ao contrário do cálculo do colesterol VLDL, esse cálculo não é afetado por níveis altos de triglicerídeos. O colesterol não-HDL pode ser usado para avaliar o risco de doença cardiovascular, especialmente com níveis altos de triglicerídeos, porque valores altos estão associados a risco aumentado. Como recomendado pelo National Cholesterol Education Program, dos EUA, no Adult Treatment Plan III, se a pessoa tem níveis altos de triglicerídeos, os resultados do colesterol não-HDL podem ser usados como objetivos secundários de mudanças de estilo de vida e medicamentos para reduzir os níveis de lipídios.

5. Há algo mais que devo saber?
Há um interesse crescente na medida dos triglicerídeos em pessoas que não estão em jejum. A razão para isso é que a amostra sem jejum pode ser mais representativa dos níveis circulantes “usuais” de triglicerídeos porque, na maior parte do dia, os níveis de lipídios são pós-prandiais, e não em jejum. Entretanto, não se sabe ainda como interpretar esses resultados em termos de avaliação de risco, e permanecem as recomendações atuais de jejum antes da colheita dos exames de lipídios.

 

Páginas relacionadas

Neste site
Estados Clínicos/Doenças: Doença cardíaca, doença cardiovascular, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial

Em outros sites da Internet
Familydoctor.org: Heart Disease, Assessing Your Risk
American Heart Association: Test Your Cholesterol IQ

Fontes do artigo

NOTA: Esse artigo se baseia em pesquisas que usam as fontes citadas aqui e a experiência coletiva do Conselho de Revisão Editorial. de Lab Tests Online. Esse artigo é revisto periodicamente pelo Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessa revisão. Qualquer fonte nova citada será adicionada à lista, distinguida das fontes originais.

Fontes usadas na revisão atual.

Diretriz da Associação Médica Brasileira: Prevenção da Aterosclerose – Dislipidemia, available at http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/040.pdf

(September 2002) National Heart, Lung, Blood Institute. National Cholesterol Education Program Guidelines, Cholesterol, ATP III. II.3-b, II.9-c. PDF available for download at http://www.nhlbi.nih.gov/guidelines/cholesterol/atp3full.pdf through http://www.nhlbi.nih.gov. Accessed June 2009.

American Heart Association. Guide to primary prevention of cardiovascular diseases: Risk intervention, Blood Lipid Management. Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=4704 through http://www.americanheart.org. Accessed June 2009.

(Updated December 19, 2008) American Heart Association. What your Cholesterol Levels Mean. Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=183#HDL through http://www.americanheart.org. Accessed May 2009.

American Academy of Family Physicians. Cholesterol: What Your Level Means. (Updated October 2007). Available online at http://familydoctor.org/online/famdocen/home/common/heartdisease/risk/029.html through http://familydoctor.org. Accessed September 2008.

(May 12, 2008) Medline Plus Medical Encyclopedia. Coronary Risk Profile. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003491.htm. Accessed October 2008.

ARUP Consult. Physicians Guide. Lipid Panel, Extended. Available online at http://www.aruplab.com/guides/ug/tests/0020468.jsp through http://www.aruplab.com. Accessed October 2008.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry. AACC Press. Washington, DC. Pp 251-253.

Pagana K, Pagana T. Mosby's Manual of Diagnostic and Laboratory Tests. 3rd Edition, St. Louis: Mosby Elsevier; 2006. Pp 351-356.

Fontes usadas em revisões anteriores

Executive Summary of the Third Report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults (Adult Treatment Panel III). JAMA (2001) 285: 2486-2497.