Também conhecido como
Metais pesados
Nome formal
Painel de metais pesados
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 02 de Outubro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para triagem, detecção e monitoramento de exposição excessiva a metais pesados específicos.

Quando fazer este exame?

Periodicamente, se o paciente tem contato profissional com metais pesados ou quando o médico suspeita que ele está sujeito à exposição permanente.

Amostra:

Uma amostra de sangue colhida de uma veia do braço ou urina de 24 horas. Raramente é usada amostra de cabelo, de tecido ou de outro líquido orgânico.

É necessária alguma preparação?

Não é necessário nenhum preparo.

O que está sendo pesquisado?

O painel de metais pesados é um grupo de testes que são realizados para medir a quantidade de metais específicos potencialmente tóxicos no sangue, urina ou, mais raramente, em cabelo ou outros tecidos ou líquidos corporais. O laboratório pode oferecer painéis para diferentes grupos de metais pesados, assim como testes para metais específicos. A combinação mais frequente inclui chumbo, mercúrio e arsênico. Outros painéis incluem um ou mais metais adicionais, como cádmio, cobre e zinco. O médico decide quais metais devem ser testados com base nos sintomas clínicos e nas possíveis exposições.

O termo “metais pesados” ainda não está claramente caracterizado. Relaciona-se à tabela periódica dos elementos e refere-se aos diversos elementos com alta densidade ou propriedades metálicas. Estes são encontrados naturalmente no ambiente e também são usados na indústria, na fabricação de diversos produtos comuns. Alguns deles, como ferro, cobre, selênio, molibdênio e zinco são necessários em quantidade mínima pelo organismo para seu funcionamento normal, mas podem ser tóxicos em níveis elevados. Concentrações significativas de qualquer desses metais podem ser irritantes ou lesivas ao ser humano e contaminar o solo, o ar e a água, persistindo indefinidamente no ambiente. Como são fontes potenciais de lesões, o termo "metais pesados" é frequentemente usado indistintamente com o termo “metais tóxicos”.

Os sinais e sintomas que um indivíduo pode apresentar dependem do tipo de metal, forma, quantidade, duração da exposição, tipo de exposição, idade do indivíduo e seu estado geral de saúde. Alguns metais são muito mais tóxicos que outros e uma forma pode ser mais prejudicial que outra, como composto orgânico versus inorgânico.  A forma de exposição do indivíduo pode influenciar na quantidade de metal absorvido e nas regiões do corpo que são afetadas. Um metal que produz pouco efeito quando alguém o segura na mão, ou que é moderadamente prejudicial e pouco absorvido quando engolido, pode ser muito mais tóxico e provocar lesões pulmonares graves quando é vaporizado e inalado.

A exposição aguda grave pode causar danos e, em alguns casos, ser letal, mas o mesmo pode ser dito da exposição moderada por longo período. O organismo é capaz de excretar pequenas quantidades de metais pesados, mas quantidades moderadas a altas podem ser acumuladas em rins, fígado, ossos e cérebro. Alguns metais são considerados carcinogênicos – aumentam o risco de desenvolvimento de cânceres. Alguns afetam a capacidade do organismo de produzir glóbulos vermelhos e brancos. Fetos e crianças menores são os que apresentam maior risco. A exposição, mesmo a concentrações baixas ou moderadas, pode afetar o desenvolvimento físico e mental dos jovens e, em alguns casos, danificar permanentemente os órgãos e o cérebro. Muitos dos metais podem ser transmitidos da mãe para o feto e alguns podem ser passados ao lactente pelo leite materno.

Como a amostra é obtida para o exame?

As análises de metais pesados geralmente são realizadas em amostra de sangue coletada de veia do braço ou em urina de 24 horas. São utilizados frascos especiais sem metal para sangue e sem ácido para urina para reduzir o risco de contaminação da amostra por fontes externas de metal.

Urina e sangue podem ser usados para testes de metais pesados, mas não necessariamente servem para as mesmas formas de metal. Por exemplo, metilmercúrio – um mercúrio orgânico encontrado em peixes – pode ser detectado no sangue, mas não na urina. A urina é a amostra preferencial para as formas inorgânicas de mercúrio e para dosagem de arsênico.

Fios de cabelo e unhas das mãos podem indicar a exposição ocorrida ao longo do tempo, ou no passado, mas não revelam exposição recente. Sangue e urina refletem exposições crônicas ou ocorridas nos últimos dias.

Raramente ha necessidade de biópsia para obter amostra de tecido para testes.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo especial para esses testes.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os painéis de metais pesados são usados para rastrear ou diagnosticar intoxicação por esses metais em indivíduos que possam ter sido agudamente ou cronicamente expostos a um ou mais metais pesados e para acompanhar aumentos nas concentrações naqueles que trabalham com diversos metais pesados. Os painéis são grupos de testes que indicam as possíveis exposições. Os laboratórios podem oferecer diversos grupos de testes específicos para dosagens em sangue ou em urina. O médico solicitará o painel que corresponda à ocupação, ao hobby ou à exposição suspeita, e/ou aos sintomas clínicos. Alguns dos metais mais comumente testados são:

    Se o médico suspeitar que o paciente foi exposto a um metal específico como, por exemplo, chumbo, ele pode solicitar um teste específico, ao invés do painel ou além deste. A dosagem de chumbo geralmente é solicitada especificamente quando se está investigando exposição em crianças pequenas. Alguns metais também podem ser dosados em líquidos e tecidos corporais e fios de cabelo. Em geral, esses exames são feitos individualmente.

    O teste de protoporfirina zinco (ZPP) pode ser pedido junto com a dosagem de chumbo para avaliar a exposição crônica a este metal em adultos. Atualmente esse teste já não é mais com tanta frequência. O resultado apresenta-se aumentado quando há exposição ao chumbo porque esse metal interfere com a capacidade das hemácias de produzirem hemoglobina. Ele reflete a exposição média ao chumbo ao longo do tempo, mas não a exposição recente. Contudo, seus resultados só se tornam anormais com concentrações de chumbo além de 25 microgramas por decilitro. Como os valores não aumentam até que a concentração de chumbo tenha ultrapassado valores aceitáveis, o ZPP não é suficientemente sensível para ser usado como teste de triagem em crianças.

    Para conhecer o estado geral de saúde do indivíduo, o médico pode pedir outros testes, como hemograma completo, para avaliar as células sanguíneas e verificar se há anemia, ou perfil metabólico amplo, para avaliar as funções orgânicas e o equilíbrio eletrolítico .

  • Quando o exame é pedido?

    O médico pede o painel de metais pesados se ele suspeitar de exposição aguda ou crônica a um ou mais metais pesados. Os sinais e sintomas de exposição a esses metais variam na sua natureza e intensidade em função do tipo de metal envolvido e de sua quantidade. Os sintomas iniciais de intoxicação podem passar despercebidos porque, frequentemente, são inespecíficos. É possível haver exposição excessiva e danos a vários órgãos mesmo sem sintomas evidentes ou apenas sintomas inespecíficos. Alguns sinais e sintomas de intoxicação por metais são:

    • Dor abdominal, nausea, vômitos e diarreia
    • Sintomas do sistema nervoso como dormência, formigamento de mãos e pés e fraqueza
    • Anemia
    • Lesão renal
    • Lesão hepática
    • Nos pulmões: irritação, edema
    • Disfunção cerebral, perda de memória
    • Alterações no comportamento
    • Malformações ósseas em crianças, debilidade óssea
    • Em gestantes: aborto espontâneo, parto prematuro

    Os indivíduos passíveis de exposição a metais no local de trabalho geralmente são monitorados periodicamente. Devem ser tomadas medidas de segurança para reduzir o risco dos empregados e para resolução dos problemas identificados. Nos EUA, a U.S. Occupational Safety and Health Administration (OSHA) regula o uso e o monitoramento de 35 metais tóxicos que podem ser encontrados em locais de trabalho. Quando são detectadas concentrações excessivas, os indivíduos afetados são acompanhados enquanto são tomadas medidas para reduzir sua exposição.

  • O que significa o resultado do exame?

    Deve-se ter cuidado ao interpretar os resultados dos testes de metais pesados. Níveis baixos no sangue não necessariamente significam que não tenha havido exposição excessiva. Esses metais não permanecem no sangue nem na urina por longos períodos, mas migram do sangue para os órgãos e, com o passar do tempo, são incorporados aos ossos. Se uma pessoa esteve permanentemente exposto ao chumbo, ela poderá apresentar esse metal no sangue, urina, órgãos e ossos.

    Níveis excessivamente baixos de muitos dos metais pesados podem ser encontrados no sangue e na urina de indivíduos aparentemente saudáveis porque esses metais estão presentes no meio ambiente. As recomendações dos níveis der segurança para metais pesados dependem da idade da pessoa e podem ser alteradas ao longo do tempo, à medida que surgem novas informações sobre sua segurança.

    Para mais informações sobre os níveis de risco mínimo e/ou sobre os efeitos de determinados metais sobre a saúde, consulte a seção ToxFAQs™ da página da Agency for Toxic Substances and Disease Registry (ATSDR).

  • IHá mais alguma coisa que eu devo saber?

    Os indivíduos com atividades recreativas que lidam com diversos metais devem estar cientes do risco de exposição a metais pesados e seus efeitos tóxicos.

    A exposição às mesmas quantidades e tipos de metais pesados não necessariamente provoca os mesmos efeitos em todas as pessoas. Os indivíduos têm taxas diferentes de absorção e de eliminação de metais. Aqueles com alguma doença subjacente podem ser mais vulneráveis que outros indivíduos que são expostos da mesma forma. Dependendo dos sintomas ou dos resultados dos testes realizados por laboratório certificado, quem apresenta níveis acima dos considerados seguros deve considerar a possibilidade de se submeter à terapia de quelação, tratamento que tem o objetivo de eliminar do organismo as quantidades excessivas de metais pesados.

    Traços de metais pesados presentes no organismo são monitorados e minimizados, mas é quase impossível evitá-los totalmente. Por exemplo, o arsênico de ocorrência natural é um contaminante que pode ser encontrado em algumas fontes de água potável em todo o mundo. Quantidades muito pequenas de mercúrio são encontradas em lâmpadas fluorescentes e em alguns termômetros. Quando quebrados, o mercúrio pode ser liberado. O metilmercúrio, uma forma orgânica de mercúrio produzida por bactérias na água, pode se acumular em peixes ao longo do tempo. As concentrações variam entre regiões e com o tamanho do peixe. Níveis mais elevados são encontrados em peixes maiores e mais velhos. Na maioria dos casos, os benefícios da alimentação com peixe compensam o pequeno risco de ingerir mercúrio em excesso. Entretanto, as gestantes devem tomar precauções adicionais. Recomenda-se que elas evitem alguns tipos de peixe de grande porte durante a gravidez  devido aos possíveis efeitos prejudiciais do mercúrio no feto.

    O chumbo já foi usado na fabricação de tintas, encanamentos e como aditivo na gasolina. No Brasil, foram reduzidas essas fontes ambientais de chumbo, mas ele ainda pode ser encontrado em tintas e encanamentos de imóveis antigos e na tinta de brinquedos ou joias importados. Quando a tinta de casas e apartamentos se deteriora, podem se soltar poeira e pedaços que se espalham com o movimento do ar e chegam ao solo ao redor da casa. Embora qualquer um esteja sujeito à exposição ao chumbo, as crianças são as que correm maiores riscos porque podem ingerir pedaços de tinta descascada, lamber superfícies pintadas, aspirar poeira com chumbo e brincar em solo contaminado.

    Todas as fontes de exposição a metais pesados como ar, água, alimentos e meio ambiente são controladas, reguladas e monitoradas por agências governamentais e pela comunidade médica. Nos EUA, a agência de proteção ambiental (Environmental Protection Agency – EPA) avalia os efeitos de exposições, regula a emissão pelas indústrias e estabelece dos níveis máximos de contaminação para metais pesados como o de arsênico na água potável. A FDA (Food and Drug Administration) estabelece os limites para metais em alimentos e o CDC (Centers for Disease Control and Prevention) recomenda testes em crianças para chumbo, especialmente naquelas que vivam ou visitem rotineiramente alguma casa construída antes de 1950.

  • Quanto tempo demora o resultado dos testes?

    A análise de metais pesados não é feita como rotina em todos os laboratórios. Em geral, é realizada em laboratórios de referência, e, por isso, os resultados demoram alguns dias para serem liberados.

  • Como as pessoas são expostas a metais pesados?

    Os metais pesados entram no organismo pela pele, por inalação ou ingestão. Ocorre intoxicação quando os metais deslocam os elementos essenciais do organismo e começam a afetar as funções normais de diversos órgãos. A maioria dos indivíduos jamais será suficientemente exposta a ponto de sofrer danos ou necessitar de testes. Em sua maioria, as exposições agudas e crônicas ocorrem no local de trabalho, especialmente em indústrias que utilizam metais pesados na fabricação de produtos — como cádmio, chumbo e mercúrio usados em baterias e arsênico em alguns pesticidas. Também é possível haver exposição em agricultores, em indivíduos cujo trabalho seja limpar ambientes contaminados, naqueles que trabalham com determinados produtos — como mecânicos de automóveis que estão em contato com com baterias de veículos — e indivíduos cujos hobbies envolvam o uso de metais (é o caso do chumbo usado por artesãos de vitrais. A maior parte das exposições a concentrações excessivas na população em geral é causada, principalmente, por níveis elevados do metal em alimentos e na água, em produtos que essas pessoas usam ou pela contaminação do solo nas áreas em que vivem ou trabalham.

  • Como faço para testar o solo, a água e a tinta da minha casa para a presença de metais pesados?

    Veja os links relacionados e visite a página na Internet da agência de proteção ambiental (Environmental Protection Agency – EPA), dos EUA. A Agência fornece informações que ajudam a encontrar um profissional que possa avaliar o local.

  • Além de chumbo, mercúrio, arsênico, cádmio e cromo, que outros metais podem ser testados?

    Alguns metais que são testados com menos frequência em suspeita de toxicidade:

    • Alumínio
    • Berílio
    • Cobalto
    • Cobre
    • Ferro
    • Manganês
    • Níquel
    • Platina
    • Selênio
    • Silício
    • Prata
    • Tálio
Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

(Updated 2008 August 07). U.S. Department of Labor Occupational Safety and Health Administration, Toxic Metals. Toxic Metals [On-line information]. Available online at http://www.osha.gov/SLTC/metalsheavy/index.html through http://www.osha.gov. Accessed 1/25/09.

Soghoian, S. and Sinert, R. (2008 July 18). Toxicity, Heavy Metals. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/814960-overview through http://emedicine.medscape.com . Accessed 1/18/09.

(1999 April 14). OSHA Regulated Toxic Metals. U.S. Department of Labor OSHA Safety and Health Topics [On-line information]. Available online at http://www.osha.gov/SLTC/metalsheavy/regulated.html through http://www.osha.gov. Accessed 1/25/09.

(2006 September). Aluminium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts22.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(1995 September). Antimony. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts23.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2007 August). Arsenic. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts2.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2002 September). Berillyum. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts4.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2008 September). Cadmium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts5.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2008 September). Chromium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts7.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2008 May 23). Hexavalent Chromium. OSHA Safety and Health Topics [On-line information]. Available online at http://www.osha.gov/SLTC/hexavalentchromium/index.html through http://www.osha.gov. Accessed 1/25/09.

(2004 April). Cobalt. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts33.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2004 September). Copper. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts132.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2007 August). Lead. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts13.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2008 September). Manganese. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts151.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(1999 April). Mercury. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts46.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2005 August). Nickel. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts15.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2003 September). Selenium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts92.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(1999 July). Silver. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts146.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(1995 September). Thallium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts54.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2005 August). Tin and Tin Compounds. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts55.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(1995 September). Vanadium. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts58.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

(2005 August). Zinc. ATSDR ToxFAQs [On-line information]. PDF available for download at http://www.atsdr.cdc.gov/tfacts60.pdf through http://www.atsdr.cdc.gov. Accessed 1/25/09.

Podsiki, C. (2008 November). Chart of Heavy Metals, their Salts and Other Compounds. American Institute for Conservation of Historic and Artistic Works [On-line information]. PDF available for download at http://aic.stanford.edu/health/guides/heavy_metals_table_11_08.pdf through http://aic.stanford.edu. Accessed on 1/25/09.

Roth, E. and Quig, D. (2008 May). Toxic Metals, Why Hair Analysis Deserves Another Look. Clinical Laboratory News v 34, (5) [On-line information]. Available online at http://www.aacc.org/publications/cln/2008/may/Pages/series_0508.aspx through http://www.aacc.org. Accessed on 1/25/09.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (© 2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry: AACC Press, Washington, DC. P. 474.

Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. Burtis CA, Ashwood ER and Bruns DE, eds. 4th ed. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders; 2006, Pp. 1371-1374.

Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th ed. Kasper D, Braunwald E, Fauci A, Hauser S, Longo D, Jameson JL, eds. McGraw-Hill, 2005, Pp. 2577-2580.