Também conhecido como
Hormônio Luteinizante
Hormônio Estimulador da Célula Intersticial
ICSH
Nome formal
Hormônio Luteinizante, soro
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 03 de Outubro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para avaliar a função hipofisária, incluindo problemas de fertilidade, insuficiência gonadal, problemas de maturação sexual ou tumores da hipófise.

Quando fazer este exame?

Quando a paciente apresenta dificuldades para engravidar ou tem menstruações irregulares ou intensas. Quando o médico suspeita que o indivíduo apresente sintomas de distúrbios da hipófise ou hipotalámo ou de doença dos ovários ou testículos. Quando o médico suspeita que uma criança apresenta maturação sexual tardia ou precoce.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço. Algumas vezes pode ser pedida uma amostra de urina aleatória ou uma colheita de urina de 24 horas.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma.

O que está sendo pesquisado?

O hormônio luteinizante (LH) é produzido pela glândula hipófise no cérebro. O controle da produção de LH é um sistema complexo que envolve hormônios produzidos pelas gônadas (ovários ou testículos), a hipófise e o hipotalámo. 

Os ciclos menstruais de mulheres são divididos em fase folicular e fase lútea, caracterizados por uma onda de meio do ciclo de hormônio folículo estimulante (FSH) e LH. O nível elevado de LH (e FSH) no meio do ciclo induz a ovulação. O LH também estimula os ovários a produzirem esteroides, principalmente o estradiol. O estradiol e outros esteroides ajudam a hipófise a regular a produção de LH. No período da menopausa, os ovários param de funcionar e os níveis de LH aumentam.

Em homens, o LH estimula um determinado tipo de células (células de Leydig) nos testículos a produzirem testosterona. Os níveis de LH (por vezes referido como Hormônio Estimulador de Células Intersticiais ou ICSH) são relativamente constantes em homens após a puberdade. Um aumento do nível de testosterona leva a uma informação negativa na glândula pituitária e no hipotálamo, diminuindo, assim, a quantidade de LH secretada.

Em bebês e crianças, os níveis de LH sobem logo após o nascimento e, em seguida, caem para níveis muito baixos (por volta de 6 meses, em meninos, e 1 a 2 anos em meninas). Na idade entre de 6 a 8 anos os níveis sobem novamente, antes do início da puberdade e do desenvolvimento de características sexuais secundárias.

How is the sample collected for testing?

Uma amostra de sangue é retirada inserindo-se uma agulha em uma veia do braço ou é utilizada uma amostra de urina aleatória. Uma colheita de urina de 24 horas pode ser solicitada se o médico deseja medir os níveis de LH produzidos em um período de 24 horas. O LH é liberado de modo intermitente ao longo do dia. Assim, uma amostra aleatória pode não refletir uma leitura verdadeira. Uma amostra de urina de 24 horas pode eliminar essa variação.

Is any test preparation needed to ensure the quality of the sample?

Não é necessária nenhuma preparação para o teste, mas a amostra de mulheres deve ser colhida em períodos específicos durante seu ciclo menstrual.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O LH em geral é utilizado em conjunto com outros testes (FSH, testosterona, estradiol e progesterona) na investigação de infertilidade tanto em homens quanto em mulheres. Os níveis de LH também são úteis na investigação de irregularidades menstruais e para ajudar a diagnosticar distúrbios da hipófise ou doenças que envolvem ovários ou testículos.

    Uma vez determinados os níveis basais em urina, podem ser utilizados outros testes de urina para detectar o pico de LH, que indica que a ovulação irá ocorrer dentro de um a dois dias.

    Em crianças, o FSH e o LH são usados para diagnosticar puberdade precoce ou tardia.

    Algumas vezes o LH é medido em relação ao Hormônio Liberador de Gonadotropina GnRH) para diferenciar os distúrbios primários e secundários que envolvem o hipotalámo, a hipófise ou as gônadas. O GnRH é um hormônio produzido pelo hipotálamo que estimula a hipófise a liberar LH e FSH. Para esse teste, uma amostra de sangue basal é coletada e, em seguida, o paciente recebe uma injeção de GnRH. São coletadas amostras de sangue subsequentes em tempos específicos para medir o nível de LH. Esse teste pode ajudar a diferenciar entre doenças de ovários ou testículos (condições primárias) e um distúrbio da hipófise ou hipotálamo (condições secundárias). Com frequência, ele também é útil na avaliação de puberdade precoce ou tardia.

  • Quando o exame é pedido?

    Em mulheres e homens, os testes de LH (e FSH) são solicitados como parte de uma investigação de infertilidade, suspeita de problemas na hipófise ou distúrbios das gônadas, quando uma mulher apresenta dificuldades para engravidar ou quando há suspeita de distúrbios na hipófise, ovários ou gônadas.

    O teste pode ser pedido junto com o de FSH quando uma mulher apresenta períodos menstruais irregulares, especialmente no início da menopausa. O LH e o FSH podem ser feitos quando um menino ou menina não parece estar entrando na puberdade na idade adequada (muito tarde ou muito cedo). Sinais de puberdade precoce podem incluir:

    • Aumento das mamas em mulheres
    • Crescimento de pelo pubiano
    • Crescimento da genitália em homens
    • Início da menstruação em mulheres

    O distúrbio temporal da puberdade pode ser uma indicação de um problema mais grave que envolve o hipotalámo, a glândula hipófise, as gônadas (ovários ou testículos) ou outros sistemas. As medições do LH e FSH podem diferenciar entre sintomas benignos e uma doença verdadeira. Uma vez estabelecido que os sintomas são decorrentes da doença, podem ser realizados outros testes para esclarecer a causa subjacente.

  • O que significa o resultado do exame?

    Em mulheres, os níveis de LH e FSH podem ajudar a diferenciar entre insuficiência ovariana primária (insuficiência dos próprios ovários ou ausência de desenvolvimento ovariano) e insuficiência ovariana secundária (insuficiência dos ovários devido a distúrbios tanto da hipófise quanto do hipotalámo). Níveis aumentados de LH e FSH ocorrem na insuficiência ovariana primária. Algumas causas dessa insuficiência são apresentada a seguir.

    Defeitos no desenvolvimento:

    • Insuficiência no desenvolvimento dos ovários (agenesia ovariana)
    • Anormalidades cromossômicas, tais como síndrome de Turner e síndrome de Kallmann
    • Defeitos na produção de esteroides pelos ovários, tais como na deficiência de 17 alfa hidroxilase

    Insuficiência ovariana prematura devido a:

    Insuficiência crônica da ovulação (anovulação) devido a:

    Durante a menopausa, os ovários param de funcionar e, assim, os níveis de LH sobem.

    Níveis baixos de LH e FSH são observados na insuficiência ovariana secundária e indicam um problema na hipófise ou hipotálamo.

    Em homens, níveis elevados de LH podem indicar insuficiência testicular primária, provocada por defeitos de desenvolvimento do crescimento dos testículos ou lesão nos testículos.

    Defeitos de desenvolvimento:

    • Insuficiência do desenvolvimento das gônadas (agenesia gonadal)
    • Anormalidade cromossômica, tal como a síndrome de Klinefelter

    Insuficiência testicular:

    A resposta do LH ao GnRH pode ajudar a diferenciar entre disfunção primária (insuficiência dos ovários ou testículos) e distúrbio secundário (um problema envolvendo a hipófise ou hipotálamo). Uma vez que o nível basal do LH tenha sido medido, é administrada uma injeção com uma dose de GnRH. O aumento subsequente no nível de LH indica que a hipófise respondeu ao GnRH e aponta para uma desordem que envolve os ovários ou testículos. Um nível diminuído de LH mostra que a hipófise não respondeu ao GnRH e sugere uma doença envolvendo a hipófise ou o hipotálamo.

    Em crianças pequenas, níveis elevados de LH e FSH com o desenvolvimento de características sexuais secundárias em uma idade muito jovem são uma indicação de puberdade precoce. Isso é muito mais comum em meninas do que em meninos. Esse desenvolvimento prematuro pode ter muitas causas diferentes subjacentes que necessitam ser diagnosticadas e tratadas. Algumas incluem::

    • Lesões no sistema nervoso central
    • Tumores secretores de hormônios
    • Tumores ovarianos ou cistos
    • Tumores testiculares

    Níveis normais pré-puberais de LH e FSH em crianças que exibem alguns sinais de mudanças puberais podem indicar uma forma benigna de puberdade precoce sem qualquer causa subjacente ou discernível, ou pode ser apenas uma variação normal da puberdade.

    Na puberdade tardia, os níveis de LH e FSH podem ser normais ou abaixo do que é esperado para um jovem nessa faixa etária. O teste de resposta do LH ao GnRH, além de outros exames, pode ajudar a diagnosticar a razão da puberdade tardia. Algumas das causas de puberdade tardia podem incluir:

    • Insuficiência gonadal (ovários ou testículos)
    • Deficiência hormonal
    • Síndrome de Turner (anormalidade cromossômica em meninas)
    • Síndrome de Klinefelter (anormalidade cromossômica em meninos)
    • Infecções crônicas
    • Câncer
    • Distúrbios alimentares (anorexia nervosa)
  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Algumas drogas podem causar aumento do LH, tais como anticonvulsantes, clomifeno e naloxona. Outras podem diminuir o LH, tais como digoxina, contraceptivos orais e tratamentos hormonais.

    Um exame recente de imagem com contrastes isotópicos (Medicina Nuclear) pode interferir com os resultados de um teste de LH.

  • Há algum teste de LH que possa ser feito em casa?

    Sim, há um teste que pode ser realizado em casa, que utiliza uma amostra de urina para ajudar a prever a ovulação. Para mais informações, veja o artigo sobre Testes Domésticos.

  • Tenho dificuldades para engravidar. Quais testes devo fazer?

    Testes básicos para investigação de infertilidade geralmente incluem a medição dos níveis de LH e FSH. O médico também pode solicitar que você faça o controle de sua temperatura corporal, que aumenta discretamente durante a ovulação. Também podem ser realizados outros testes hormonais ou um exame pós-coito (após uma relação sexual). O médico pode pedir uma histerossalpingografia (imagem radiológica das trompas de falópio) para observar se suas trompas de falópio estão obstruídas. Pode ser solicitado que o parceiro faça colheita de sêmen para análise.

  • O teste de LH pode ser utilizado para dizer se eu ovulei?

    O teste LH é frequentemente utilizado para prever a ovulação através da detecção do pico de LH pré-ovulação mensal na mulher. No entanto, ele não pode ser usado para confirmar se a ovulação ocorreu.

  • Sou uma mulher jovem, mas atualmente estou apresentando pelos faciais e ainda não tenho ciclos regulares. O que está errado comigo?

    Você pode ter síndrome ovariana policística (SOP), um problema hormonal observado em 7% a 10% das mulheres e principal causa de infertilidade. Nessa condição, os ovários estão aumentados devido à formação de cistos no seu interior. Mulheres com SOP também podem apresentar níveis elevados de androgênios e não ovular normalmente. Você precisa realizar vários testes laboratoriais, incluindo LH, FSH e androgênios, para se certificar que a SOP é a condição responsável pelos seus sintomas. Uma combinação de medicamentos e terapia hormonal pode ajudar a aliviar os sintomas.

  • Por que um homem precisa fazer testes para hormônios femininos?

    Os homens também produzem FSH e LH. Esses níveis hormonais são importantes para o processo de reprodução masculina, em que o FSH estimula os testículos a produzirem espermatozoides. Isso é análogo ao estímulo do FSH nos ovários para produzirem óvulos. Em homens, o LH pode ser medido se os níveis de testosterona forem baixos.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Corbett, JV. Laboratory Tests & Diagnostic Procedures with Nursing Diagnoses, 4th ed. Stamford, Conn.: Appleton & Lang, 1996. pp. 429-431, 726.

S2
Clinical Guide to Laboratory Tests. 3rd ed. Tietz N, ed. Philadelphia: W.B. Saunders & Co; 1995: 248-249, 210-211.

S3
The InterNational Council on Infertility Information Dissemination, “PCOS in Pediatrics: When and How Does it Start? Originally written and presented by Silva Arslanian, MD, Children's Hospital of Pittsburgh, Pittsburgh, PA; summarized in online version by Christine M. Schroeder, PhD. Available at: http://www.inciid.org/pcos/PCOS-pediatrics.html

S4
Gonadotropins: Luteinizing and Follicle Stimulating Hormones. Available at: http://arbl.cvmbs.colostate.edu/hbooks/pathphys/endocrine/hypopit/lhfsh.html

S5
Blondell RD, Foster MB, Kamlesh CD. Disorders of Puberty. American Family Physician, July 1999 (online publication). Available at: http://www.aafp.org/afp/990700ap/209.html

S6
Hormone Society. Fact Sheet on Female Infertility. Available at: http://www.endo-society.org/pubrelations/patientInfo/infertility.htm

S7
The Hormone Foundation. Fact sheet on Polycystic Ovary Syndrome (PCOS). Available at: http://www.hormone.org/pcos_factsheet.html

S8
Laurence M. Demers, PhD. Distinguished Professor of Pathology and Medicine, The Pennsylvania State University College of Medicine, The M. S. Hershey Medical Center, Hershey, PA

S9
A Manual of Laboratory & Diagnostic Tests. 6th ed. Fischbach F, ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

S10
Pagana K, Pagana T. Mosby's Manual of Diagnostic and Laboratory Tests. St. Louis: Mosby; 1998.

S11
Davis B, Mass D, Bishop M. Principles of Cinical Laboratory Utilization and Consultation. Saunders; 1999.

S12
Thompason, Sharon. LH response to GnRH. (Updated Aug 2005) MedlinePlus (online information). Available at: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/print/ency/article/003709.htm

S13
Neely EK, Wilson DM, Lee PA, Stene M, Hintz RL (July 1995). Spontaneous serum gonadotropin concentrations in the evaluation of precocious puberty. J Pediatric 127(1):47-52 from PubMed. Available at: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Abstract&list_uids=7608810

S14
Nirupama Kakarla, M.D.; Karen D. Bradshaw, M.D. (Posted 03/05/2004.) Disorders of Pubertal Development: Precocious Puberty. From Seminars in Reproductive Medicine 21(4):339-351 from Medscape. Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/468259

S15
Brito VN, Batista MC, Borges MF, Latronico AC, Kohek MB, Thirone AC, Jorge BH, Arnhold IJ, Mendonca BB. (1999 Oct) Diagnostic value of fluorometric assays in the evaluation of precocious puberty. J Clin Endocrinol Metab. 84(10):3539-44. Available online

S16
Sheehan, M (Dec 2003). Polycystic Ovarian Syndrome: Diagnosis and Management. Clinical Medicine and Research, 2(1): 13-27. Available at: http://www.pubmedcentral.gov/articlerender.fcgi?artid+1069067