Nome formal
Lítio
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
15 de Janeiro de 2018.
De relance
Por que fazer este exame??

Para medir o lítio no sangue, manter o nível terapêutico e evitar afeitos tóxicos.

Quando fazer este exame?

No início do tratamento com lítio, para ajustar a dose e obter um bom efeito terapêutico, e em intervalos regulares para acompanhar o tratamento.

Amostra:

Uma amostra de sangue obtida de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma.

O que está sendo pesquisado?

Esse exame mede a quantidade de lítio no sangue. O lítio é um medicamento prescrito para o tratamento do distúrbio bipolar, que é um problema mental com períodos alternados de depressão e mania. A duração desses períodos varia de alguns dias até anos. Durante episódios de depressão, a pessoa sente-se triste, sem esperança, sem valor e perde o interesse pelas atividades diárias. Pode haver distúrbios do sono, perda ou ganho de peso, dificuldade de concentração e pensamentos de suicídio. Durante episódio de mania, a pessoa fica eufórica, irritável, cheia de energia e de ideias grandiosas, perde a capacidade de julgamento e pode participar de atividades arriscadas. Pode haver uma mistura de aspectos das duas fases. O distúrbio ocorre em adultos e crianças.

O lítio é prescrito mesmo durante intervalos entre as crises. É chamado “estabilizador do humor”, e pode ser prescrito para pessoas com depressão que não respondem a outros medicamentos. Sua ação é relativamente lenta, e podem se passar semanas antes que afete o humor do indivíduo. As doses são ajustadas até que a concentração no sangue chegue à faixa terapêutica. A quantidade necessária do medicamento varia entre pessoas e pode ser afetada pela idade, pelo estado geral de saúde e por outros medicamentos usados.

Os níveis sanguíneos são monitorados em intervalos regulares porque devem ser mantidos em uma faixa terapêutica estreita. Níveis baixos podem não ser eficazes. Níveis muito altos causam efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, diarreia, confusão e tremores, além da possibilidade de provocar estupor e convulsões, e até mesmo serem fatais.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação é necessária. Entretanto, a hora da colheita pode afetar os resultados. Em geral, o sangue é colhido 12 a 18 horas após a última dose. Informe ao colhedor a hora da última dose, para que a avaliação dos resultados seja correta.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Esse exame mede a quantidade de lítio no sangue, para verificar se ela está dentro da faixa terapêutica. Deve ser utilizado para medir os níveis sanguíneos a cada poucos dias em indivíduos que iniciaram o uso de lítio para auxiliar no ajuste da dose e alcançar os níveis desejados. O teste deve ser feito em intervalos regulares ou quando é necessário fazer a monitoração. Uma ou mais dosagens devem ser realizadas em indivíduos que iniciaram o tratamento com medicamentos adicionais para avaliar o efeito (se existir) nos níveis de lítio e na suspeita de toxicidade.

  • Quando o exame é pedido?

    A medida de lítio no sangue é pedida com maior frequência no início do tratamento, ou  no retorno após período de ausência da terapia. Uma vez estabilizada a concentração sanguínea nos níveis terapêuticos, o lítio deve ser monitorado em intervalos regulares para garantir a manutenção desses níveis.

    O teste deve ser solicitado quando a pessoa aparentemente não está respondendo ao lítio para determinação de níveis muito baixos, medicação ineficiente e/ou determinar se o paciente está seguindo a terapêutica indicada (fazendo o uso de forma regular). Também deve ser solicitado quando há suspeita de complicações devidas a níveis excessivos com suspeita de toxicidade. Sinais e sintomas de toxicidade do lítio incluem:

    • Sonolência, falta de energia
    • Fraqueza muscular
    • Descoordenação dos movimentos
    • Fala arrastada
    • Náuseas, vômitos ou diarreia
    • Confusão
    • Tremores irregulares

    A colheita de sangue é feita 12 a 18 horas após a última dose. Como os horários da medicação variam e algumas formulações são de liberação lenta, os detalhes da colheita podem variar.

  • O que significa o resultado do exame?

    A faixa terapêutica estabelecida é 0,6-1,2 mmol/L. A maioria das pessoas nessa faixa mostra resposta ao tratamento sem efeitos colaterais. Entretanto, há variações individuais. Alguns pacientes podem não mostrar resultados na parte baixa da faixa ou apresentar efeitos colaterais na parte alta. Os pacientes devem acompanhar de perto, com o médico, para ser determinada a faixa ideal para o tratamento.

    Em geral, quando o lítio está no nível terapêutico e o médico e o paciente estão satisfeitos com o controle do portador de distúrbio bipolar, a dosagem está adequada, particularmente se o indivíduo não apresentar efeitos colaterais. Se os níveis sanguíneos estão abaixo da faixa terapêutica, é como se o paciente não estivesse recebendo a medicação adequada. Se os níveis estão acima da faixa terapêutica e se houver efeitos colaterais importantes, é como se a dosagem estivesse muito alta. Entretanto, os pacientes não devem reduzir ou parar a medicação sem consultar o médico, pois podem piorar os sintomas do distúrbio bipolar. A determinação e ajustes das doses devem ser avaliadas caso a caso.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    O lítio é excretado principalmente pelos rins. Seu uso a longo prazo pode diminuir a função renal. Pessoas com doença renal podem apresentar níveis sanguíneos altos, pois a excreção de lítio está reduzida A função renal deve ser monitorada com exames periódicos, como ureia e creatinina.

    Pessoas que tomam lítio podem desenvolver hipotireoidismo, e devem ser monitoradas com medidas periódicas do TSH no sangue.

    Diversos medicamentos prescritos e de venda livre, e alguns suplementos alimentares, podem alterar os níveis sanguíneos de lítio. Os que aumentam os níveis incluem anti-inflamatórios, como o ibuprofeno e o naproxeno, e diuréticos, como hidroclorotiazida e furosemida.  Alguns aumentam a incidência de efeitos colaterais do lítio, como antipsicóticos, como clozapina e olanzapina, anti-hipertensivos, como bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da enzima conversora da angiotensina, e anticonvulsivantes, como a carbamazepina. Outros podem diminuir os níveis sanguíneos de lítio, como teofilina e cafeína.

    Os níveis sanguíneos de lítio e a probabilidade de efeitos colaterais podem aumentar quando há perda de água corporal, em dietas com pouco sal, sudorese excessiva e distúrbios que causam vômitos ou diarreia.

  • Durante quanto tempo deve ser tomado o lítio?

    Em geral, o lítio é tomado durante toda a vida. O distúrbio bipolar pode ser controlado, mas não curado.

  • Quem pede o exame?

    A medida do lítio pode ser pedida pelo clínico ou por um especialista em saúde mental.

  • Posso fazer o exame em casa?

    Não. É necessário equipamento especializado para o exame. O sangue deve ser coletado de uma veia do braço e testado em um laboratório. Existe um método aprovado nos Estados Unidos que pode ser usado no consultório do médico, através de uma picada em um dedo, mas seu uso ainda não é disseminado.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas neste artigo

Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. Burtis CA, Ashwood ER and Bruns DE, eds. 4th ed. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders; 2006, Pp 1271-1272.

Harrison's Principles of Internal Medicine. 16th ed. Kasper D, Braunwald E, Fauci A, Hauser S, Longo D, Jameson JL, eds. McGraw-Hill, 2005 Pg 2557.

(Updated March 24, 2009) Lee D, Gupta M. Toxicity, Lithium from Medscape. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/815523-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed September 2009.

(January 15, 2009) MedlinePlus Medical Encyclopedia. Bipolar Disorder. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000926.htm. Accessed September 2009.

(January 4, 2009) Mayo Clinic. Bipolar Disorder. Available online at http://www.mayoclinic.com/health/bipolar-disorder/DS00356 through http://www.mayoclinic.com. Accessed September 2009.

National Alliance on Mental Illness. Medications, Lithium. Available online through http://www.nami.org. Accessed September 2009.

(Jan 14, 2009) Lloyd A. Netdoctor: Lithium. Available online at http://www.netdoctor.co.uk/diseases/depression/lithium_000290.htm through http://www.netdoctor.co.uk. Accessed September 2009.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition]. Pp 1121.

Spearing, M. Updated (2006 February 17,Updated). Bipolar Disorder. NIMH [On-line information]. Available online at http://www.nimh.nih.gov/publicat/bipolar.cfm#bp6 through http://www.nimh.nih.gov.

Goldberg, J. and Citrome, L. (2005 February). Latest therapies for bipolar disorder, Looking beyond lithium. Postgraduate Medicine online v 117 (2) [On-line journal]. Available online at http://www.postgradmed.com/issues/2005/02_05/goldberg.htm through http://www.postgradmed.com.

Geddes, J. et. al. (2004 February). Long-Term Lithium Therapy for Bipolar Disorder: Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Am J Psychiatry 161:217-222 [On-line journal]. Available online at http://ajp.psychiatryonline.org/cgi/content/full/161/2/217 through http://ajp.psychiatryonline.org.

Newport, D. J. et. al. (2005 November). Lithium Placental Passage and Obstetrical Outcome: Implications for Clinical Management During Late Pregnancy. American Journal of Psychiatry 162:2162-2170 [on-line abstract]. Available online at http://ajp.psychiatryonline.org/cgi/content/abstract/162/11/2162 through http://ajp.psychiatryonline.org.

Schapiro, N. (2005). Bipolar Disorders in Children and Adolescents. Medscape from J Pediatr Health Care. 2005; 19 (3): 131-141 [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/504584_1 through http://www.medscape.com.

Menon, L. (2005 August, Updated). Lithium. National Alliance for the Mentally Ill [On-line information]. Available online through http://www.nami.org.

Walling, A. (2005 January 1). Evidence-Based Guidelines for Bipolar Disorder Therapy. American Family Physician [On-line journal]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20050101/tips/19.html through http://www.aafp.org.