Também conhecido como
DHL
Lactato desidrogenase
Desidrogenase lática
LDH total
Isoenzimas de LDH
Nome formal
Lactato desidrogenase, Total e Isoenzimas
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 04 de Dezembro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para auxiliar na identificação da causa e da localização do dano tecidual no corpo e para monitorar sua progressão. A LDH está elevada em muitas condições, que refletem sua ampla distribuição nos tecidos. Historicamente, ela foi utilizada para auxiliar no diagnóstico e monitoramento de ataque cardíaco, mas a troponina substituiu, em grande parte, a LDH nesse papel.

Quando fazer este exame?

Juntamente com outros exames, quando seu médico suspeita que você apresenta uma condição aguda ou crônica que esteja provocando destruição celular ou tecidual, e ele deseja identificar a fonte do dano e monitorar o problema.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia de seu braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma

O que está sendo pesquisado?

A lactato desidrogenase (LDH ou DHL) é uma enzima encontrada em quase todos os tecidos do corpo, mas apenas uma pequena quantidade é, em geral, detectada no sangue. Contida dentro das células teciduais, a LDH é liberada na corrente sanguínea quando as células são danificadas ou destruídas. Assim, o teste LDH pode ser utilizado como um marcador geral de injúria celular.

Elevações de LDH podem ser medidas tanto como LDH total ou como isoenzimas de LDH. Um nível total de LDH é uma medida geral de cinco isoenzimas de LDH diferentes. As isoenzimas são versões moleculares, ligeiramente diferentes, da enzima LDH. Um nível total de LDH poderá refletir a presença de dano tecidual, mas não é específico. Por si só, ele não pode ser utilizado para identificar a causa subjacente ou sua localização. Embora exista alguma sobreposição, cada uma das cinco isoenzimas de LDH tende a se concentrar em tecidos específicos do corpo. Portanto, podem ser utilizadas medidas individuais dos níveis de isoenzimas de LDH, juntamente com outros testes, para auxiliar na determinação da doença ou condição que está provocando o dano celular e para ajudar a identificar os órgãos e tecidos envolvidos. Em geral, as isoenzimas são encontradas em:

  • LDH-1, coração, hemácias, rins, células germinativas
  • LDH-2, coração, hemácias, rins (em menores quantidades que LDH-1)
  • LDH-3, pulmões e outros tecidos
  • LDH-4, leucócitos, linfonodos; músculos, fígado (em menores quantidades que LDH-5)
  • LDH-5, fígado, músculo esquelético

Apesar de todas as isoenzimas estarem representadas na LDH total, a LDH-2 é a de maior porcentagem.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo-se uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação para o teste é necessária.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Normalmente, a principal utilização da LDH é como um indicador geral da existência e severidade de um dano tecidual agudo ou crônico e, algumas vezes, como um marcador de acompanhamento de lesões progressivas. As isoenzimas de LDH também podem ser utilizadas no diagnóstico diferencial para ajudar a determinar que órgãos provavelmente estão envolvidos.

  • Quando o exame é pedido?

    Um nível total de LDH pode ser solicitado, juntamente com outros exames, como teste de triagem quando seu médico suspeita de algum tipo de dano celular ou tecidual. Se a LDH total está elevada, então, ele pode solicitar as isoenzimas de LDH ou, mais comumente, outros testes tais como ALT, AST ou ALP para ajudar a diagnosticar a condição e para ajudar a determinar que órgãos estão envolvidos. Uma vez que o problema agudo ou crônico é diagnosticado, os níveis de LDH total podem ser utilizados em intervalos regulares para monitorar sua progressão e/ou resolução.

    Ocasionalmente, os níveis de LDH também podem ser solicitados para monitorar dano causado por trauma ou injúria e para ajudar a identificar anemia hemolítica. Esta anemia é provocada por uma destruição das hemácias – tanto porque elas são excepcionalmente frágeis ou porque algo está provocando sua destruição mecânica, como no caso de uma válvula cardíaca artificial.

    A LDH e suas isoenzimas também podem, ocasionalmente, ser solicitadas em conjunto com a CK e CK-MB quando um paciente apresenta sintomas de um ataque cardíaco, mas isso é cada vez mais raro. Atualmente, na maioria dos casos o médico irá solicitar níveis de troponina, juntamente com CK e CK-MB, em vez de LDH.

  • O que significa o resultado do exame??

    Em geral, níveis elevados de LDH e alterações da relação das isoenzimas de LDH indicam algum tipo de dano tecidual. Normalmente, os níveis de LDH aumentam quando começa a destruição celular, atingem um pico após algum tempo e, depois, começam a cair. Por exemplo, quando uma pessoa tem um ataque cardíaco, os níveis sanguíneos de LDH total subirão em 24 a 48 horas, atingirão seu pico em dois a três dias, e retornarão ao normal em 10 a 14 dias. Os níveis de LDH estão elevados em diversas condições, refletindo sua ampla distribuição tecidual.

    Níveis elevados de LDH podem ser observados em:

    Em algumas condições crônicas progressivas, e com algumas drogas, podem persistir os níveis moderadamente elevados de LDH.

    Níveis normais e baixos de LDH normalmente não indicam um problema. Níveis baixos são observados, algumas vezes, quando um paciente ingere grandes quantidades de ácido ascórbico (vitamina C).

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Muitas situações podem afetar os resultados de LDH, que não são necessariamente uma causa de preocupação. Por exemplo:

    • Exercícios vigorosos podem provocar temporariamente elevações de LDH.
    •  Hemólise da amostra sanguínea pode causar resultados falsamente elevados. Isso pode acontecer se a amostra for manipulada sem cuidado, armazenada em temperaturas extremas, ou se amostra foi difícil de ser colhida.
    • Se sua contagem de plaquetas está aumentada, a LDH sérica poderá estar artificialmente elevada e não refletir a LDH verdadeiramente presente.
  • Por que mais de uma isoenzima de LDH pode estar elevada?

    Muitas das isoenzimas de LDH podem se elevar ao mesmo tempo se mais de um órgão está envolvido como, por exemplo, no caso de um paciente com pneumonia que, de repente, apresenta um ataque cardíaco. Em outro exemplo, mais de uma isoenzima de LDH pode se elevar se um paciente apresenta uma doença progressiva, como um câncer metastático que esteja afetando múltiplos órgãos. Embora as diferentes isoenzimas de LDH estejam concentradas em tecidos específicos, há alguma sobreposição do local onde são encontradas. Uma única causa pode elevar várias isoenzimas em algum grau. Por exemplo, exercícios vigorosos podem, temporariamente, elevar LDH-1, LDH-2, e LDH-5.

Páginas relacionadas

Neste site

Exames relacionados: CK (Creatino cinase); CK-MB; troponina; mioglobina

Estados clínicos/Doenças: Doença hepatica

Em outros sites da Internet

American Heart Association
MedlinePlus Medical Encyclopedia: LDH

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Lactate Dehydrogenase [7 paragraphs]. ARUP’s Guide to Clinical laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_a32b.htm#1140532

S4
(2002 October 25, Updated). LDH isoenzymes [17 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003499.htm

S5
(2001 November 20, Updated). LDH [9 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003471.htm

S6
Spengler, R. (2002 May 14, Updated). What is lactate dehydrogenase (LDH)? [5 paragraphs]. St. Joseph’s Hospital, Health Library, Medical Tests [On-line information]. Available FTP: http://www.sjo.org/library/healthguide/MedicalTests/topic.asp?hwid=tv6793abc

S7
Martin, G. (1998 March 9). The Obsolescence of Lactate Dehydrogenase Testing [3 paragraphs]. American Medical Association, Archives of internal Medicine, Editor’s Correspondence, Vol. 158 No. 5 [On-line information]. Available FTP: http://archinte.ama-assn.org/issues/v158n5/ffull/ilt0309-4.html

S8
Spengler, R. (2002 May 14, Updated). Cardiac Enzyme Studies [24 paragraphs]. WebMD [On-line information]. Available FTP: http://my.webmd.com/printing/article/1675.55521

S9
Lactate dehydrogenase isoenzymes test [13 paragraphs]. Hendrick Health System, AccessMed Health Information Library [On-line information]. Available FTP: http://www.hendrickhealth.org/healthy/00054240.html

S10
Lactate dehydrogenase test [9 paragraphs]. Hendrick Health System, AccessMed Health Information Library [On-line information]. Available FTP: http://www.hendrickhealth.org/healthy/00054250.html

S11
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 581-582.

S12
Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry, AACC Press, Washington, DC. Chapter 23 Laboratory Diagnosis of Liver Disease, pp 269 – 279.

S13
Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp 652.

S14
(2007 March 13, Updated). LDH [8 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Accessed on: 7/9/07 Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003471.htm