Também conhecido como
Fragmento dímero D
Fragmento de degradação da fibrina
Nome formal
Dímero D
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
22 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Como auxiliar no diagnóstico ou para afastar a hipótese de doenças ou quadros trombóticos (produção de coágulo no sangue).

Quando fazer este exame?

Em pacientes com sintomas de doenças ou quadros que causem formação aguda e/ou crônica inapropriada de coágulo no sangue, como: TVP (Trombose Venosa Profunda), EP (Embolia Pulmonar) ou CID (Coagulação Intravascular Disseminada) e para monitorar a evolução e o tratamento de pacientes com CID e outros quadros trombóticos.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de veia do braço ou, algumas vezes, uma gota de sangue obtida na ponta do dedo da mão.

O que está sendo pesquisado?

Quando há lesão de veia ou de artéria e começa a ocorrer extravasamento de sangue, ativa-se uma sequência de etapas e fatores de coagulação (denominada cascata da coagulação) para limitar o sangramento e criar um coágulo para tampar o orifício. Durante esse processo, são produzidos filamentos de proteína cujo conjunto é denominado fibrina. Esses filamentos são ligados (colados) para formar uma rede de fibrina que aprisiona as plaquetas e ajuda a manter o coágulo sanguíneo em formação no local da lesão.

Uma vez que tenha havido tempo para cicatrizar, o organismo usa uma proteína denominada plasmina para quebrar o coágulo (trombo) em pequenos pedaços para que possam ser removidos. Os fragmentos da fibrina em desintegração são chamados produtos da degradação de fibrina (PDF). Um dos PDF produzidos é o dímero D, formado por pedaços de fibrina ligados de diversos tamanhos. O dímero D normalmente é indetectável no sangue e é produzido apenas quando há formação de coágulo e ele se encontra em processo de quebra. A dosagem do dímero D revela ao médico que algo aumentou os mecanismos de coagulação para um valor acima do normal.

Como a amostra é obtida para o exame?

Normalmente, coleta-se amostra de sangue de veia do braço. Como alternativa, particularmente em pediatria, obtém-se uma gota de sangue da ponta de dedo da mão.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O teste do dímero D é solicitado junto com outros exames laboratoriais e de imagem para ajudar a afastar, diagnosticar e monitorar doenças e quadros que causem hipercoagulabilidade, uma tendência a formar coágulos em condições não apropriadas. Um dos quadros mais comuns é a TVP (Trombose Venosa Profunda), que envolve a formação de coágulo em veias profundas, na maioria das vezes nas pernas. Esses coágulos podem aumentar e bloquear o fluxo de sangue nas pernas, causando edema e dano nos tecidos. É possível que um fragmento do coágulo se desprenda (esse fragmento é chamado êmbolo) e se desloque para outras regiões do corpo, onde pode causar EP (embolia pulmonar – coágulos sanguíneos nos pulmões).

    Embora os coágulos na maioria das vezes se formem em veias das pernas, também podem ocorrer em outros locais. Coágulos nas coronárias são a causa de infarto do miocárdio (ataque cardíaco). Também podem se formar no tecido de revestimento do coração ou de suas valvas, particularmente quando os batimentos cardíacos são irregulares (fibrilação atrial) ou quando há lesão das valvas. Coágulos também se formam em grandes artérias como resultado de lesão por aterosclerose (conhecida como endurecimento arterial). Fragmentos desses coágulos podem se soltar e causar embolia que bloqueia uma artéria em outro órgão, como o cérebro (provocando um derrame) ou rins. A dosagem do dímero D também pode ser usada para detectar coágulos nesses locais.

    O médico também pode pedir o exame de dímero D, junto com outros testes, para auxiliar no diagnóstico de CID (Coagulação Intravascular Disseminada). Este é um quadro agudo complexo que pode surgir em diversas situações, incluindo alguns procedimentos cirúrgicos, choque séptico, acidentes ofídicos, doença hepática e pós-parto. No quadro de CID, os fatores da coagulação são ativados e usados em todo o corpo. Com isso, formam-se numerosos minicoágulos que deixam o paciente vulnerável a sangramento excessivo. Nesse caso, toma-se medidas para dar suporte ao paciente, enquanto o problema subjacente é abordado e o quadro, resolvido. Os níveis do dímero D podem ser usados para monitorar a efetividade do tratamento da CID.

  • Quando o exame é pedido?

    A dosagem do dímero D pode ser feita quando um paciente apresenta sintomas de TVP, como dor, sensibilidade ao toque, edema ou alteração na cor de membro inferior; ou com sintomas de EP, como falta de ar, tosse e dor torácica de tipo pulmonar. O dímero D é especialmente útil quando há suspeita que outra condição diferente de TVP ou EP está causando os sintomas. É um teste rápido, não invasivo e permite ao médico afastar a possibilidade de coagulação anormal ou excessiva.

    Quando o paciente apresenta sintomas de CID, como sangramento gengival, náusea, vômitos, dor muscular e abdominal intensa, convulsão e oliguria (redução do débito urinário), o teste do dímero D pode ser solicitado, além de TP, TTPa, fibrinogênio e contagem de plaquetas para ajudar no diagnóstico do quadro. Também se faz a dosagem do dímero D periodicamente quando o paciente estiver em tratamento de CID, como auxiliar no monitoramento de sua evolução.

  • O que significa o resultado do exame?

    O teste do dímero D positivo indica a presença de níveis anormais de produtos da degradação de fibrina no organismo. Este resultado informa ao médico que houve formação e decomposição significativas de coágulos (trombos), mas não indica a localização nem a causa. A elevação do dímero D pode ser causada por TVP ou por CID, mas também por cirurgia, trauma ou infecção recente. Níveis elevados também são encontrados em pacientes com doença hepática, gestantes, eclâmpsia, cardiopatia e alguns tipos de câncer.

    Um resultado normal do dímero D significa que provavelmente o paciente não tem um quadro ou doença aguda que cause formação e degradação anormais de coágulos. A maioria dos médicos concorda que o dímero D negativo tem maior valor e utilidade quando o teste é realizado em pacientes considerados como de baixo risco. O teste é usado para ajudar a afastar a possibilidade de coágulos serem a causa dos sintomas apresentados.

    O dímero D é recomendado como teste adjuvante. Não deve ser o único exame realizado para diagnosticar uma doença ou quadro. Os pacientes com resultados tanto negativos quanto positivos do dímero D podem necessitar de acompanhamento e de outros exames complementares.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

     A terapia anticoagulante pode causar um resultado falso-negativo. Há vários métodos para testar o dímero D. A maioria dos testes que produz resultados quantitativos é realizada no laboratório do hospital, enquanto aqueles que produzem resultados qualitativos são feitos à beira do leito.

    A concentração do dímero D pode aumentar em idosos. É possível ocorrer resultados falso-positivos em indivíduos com níveis elevados de fator reumatoide (proteína encontrada em pacientes com artrite reumatoide). Substâncias como triglicerídeos (em quantidade aumentada), bilirrubina e quadros de lipemia (grande quantidade de gorduras no sangue, possivelmente causada por refeição gordurosa antes de ser feito o exame) também podem dar resultados falso-positivos, assim como a hemólise causada por coleta e manuseio impróprios da amostra.

  • Há algum teste caseiro para dímero D?

    Não há qualquer teste de dímero D aprovado para ser feito em casa.

  • Que outros procedimentos o médico pode solicitar caso o teste do dímero D seja positivo?

    Provavelmente, ele irá pedir algum procedimento diagnóstico não invasivo, como ecodoppler venoso, cintigrafia de ventilação/perfusão ou TC.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Disseminated Intravascular Coagulation Panel. AACC View Q&A [On-line information]. Available FTP: http://www.aacc.org/access/outcomes/18_disseminated_intravascular.stm

S4
(2003 January). In Search of a Killer - Does D-dimer Help? American College of Emergency Physicians [On-line information]. Available FTP: http://www.acep.org/1,32394,0.html

S5
(2001 July 17). Improving the Diagnosis of Pulmonary Embolism in the Emergency Department. Annals of Internal Medicine v135 (2) [On-line Journal]. Available FTP: http://www.annals.org/issues/v135n2/nts/200107170-00005.html

S6
Strandness Jr., DE. Are Physical Findings Totally Useless In DVT/PE? Vascular Web, University of Washington School of Medicine [On-line information]. Available FTP: http://www.vascularweb.org/doc/54

S7
Tan, J. (2000 December). Clinical Applications of the D-Dimer Assay in Deep Venous Thrombosis. San Bernardino County Medical Society Bulletin [On-line newsletter]. Available FTP: http://www.sbcms.org/southcalphysician/2000/nov-dec/art5.htm

S8
Prazeres, G. Deep Vein Thrombosis - Part II. Internal Medicine MedStudents [On-line information]. Available FTP: http://www.medstudents.com.br/medint/medint5.htm

S9
D-Dimer: Lifting the Veil of Confusion. Diagnostics today Online, Beckman Coulter[On-line information]. Available online

S10
Began, T. (2002 October). Elisa D-Dimer: How Accurate For PE Diagnosis? PulmonaryReviews.com, vol 7 (10) [On-line information]. Available FTP: http://www.pulmonaryreviews.com/oct02/pr_oct02_ELISA.html

S11
Cortese Hassett, A. (2000 February). D-dimer Testing and Acute Venous Thromboembolism. Transfusion Medicine Update, The Institute for Transfusion Medicine [On-line information]. Available FTP: http://www.itxm.org/TMU2000/tmu2-2000.htm

S12
Titus, K. (2003 January). Identity crisis persists—which D-dimer? CAP Today, In the News [On-line Journal. Available FTP: http://www.cap.org/captoday/archive/2003/0103/DdimerCover.html

S13
Cruickshank, M. (2001 January). Practical Treatment Guidelines, Suspected DVT. The Thrombosis Interest Group of Canada [On-line information]. Available FTP: http://www.tigc.org/eguidelines/suspdvt.htm

S14
Abumuhor, I. and Hope Kearns, E.(2002 April 26). Thrombotic Thrombocytopenic Purpura, Differential Diagnosis. The Virtual Health Care Team [On-line information]. Available FTP: http://www.vhct.org/case2300/diagnosis.shtml

S15
Venous Thromboembolism (VTE), Qualitative (Time Sensitive). ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_250b.htm

S16
Yen, S. (2001 March 27). D-Dimer For The Diagnosis Of Deep Vein Thrombosis. Internal Medicine Evidence Based Medicine Newsletter, Edition 8 [On-line Newsletter]. Available FTP: http://www.wshmc.org/wshcresidency/EBMNL/EBMNL032701.htm