Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
20 de Setembro de 2017.

O que é?

Doença inflamatória pélvica é uma infecção dos órgãos reprodutores femininos. Ocorre quando bactérias atravessam a camada de muco que protege a abertura do colo uterino e se movem da vagina para o útero, as trompas de Falópio e os ovários. A infecção resultante pode causar uma doença aguda ou crônica quase sem sintomas. Se não for tratada, provoca fibrose e lesão irreversível de um ou mais órgãos reprodutores. A fibrose das trompas de Falópio é uma causa importante de infertilidade e aumenta o risco de gravidez ectópica.

As principais bactérias responsáveis pela doença inflamatória pélvica são Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae, agentes comuns de infecções transmitidas sexualmente. Outras bactérias muito encontradas na vagina, como Gardnerella vaginalis e Escherichia coli, também são identificadas como causa da infecção.

Embora possa ocorrer em qualquer idade, a doença inflamatória pélvica afeta com maior frequência mulheres na idade fértil com atividade sexual. O uso de dispositivo intrauterino (DIU) é um fator de risco durante alguns meses após a inserção. Duchas vaginais também podem facilitar a infecção porque empurram bactérias através do colo do útero. Durante a gravidez, como o colo do útero é vedado, a doença inflamatória pélvica é rara.

Sinais e sintomas

Uma mulher com doença inflamatória pélvica pode não ter sintomas, ou apresentar desconforto abdominal com dor crônica ou progressiva, ou, ainda, mostrar-se doente com alguma gravidade. Os sinais e sintomas não são específicos e ocorrem em diversos distúrbios que afetam a pelve.

Sintomas comuns:

  • Dor no abdome inferior é o sintoma mais comum.
  • Febre, em geral baixa e intermitente.
  • Corrimento vaginal com odor desagradável.
  • Sensibilidade abdominal.
  • Dor ou sangramento durante relações sexuais.
  • Micção dolorosa.
  • Menstruação irregular.
  • Náuseas.

Complicações incluem infertilidade, dor crônica pélvica, lesões das trompas e nos ovários e gravidez ectópica. Mesmo uma pequena fibrose das trompas pode prejudicar a fertilidade, impedindo a fertilização do ovo ou a passagem deste, já fertilizado, para o útero. O ovo fertilizado pode se desenvolver na trompa e provocar ruptura com sangramento interno e dor intensa, o que constitui uma emergência cirúrgica.

Exames

Os exames visam o diagnóstico da doença inflamatória pélvica e a identificação da bactéria que a provocou. Na maioria dos casos, o diagnóstico é clínico. Como os sintomas podem ser brandos e inespecíficos, cerca de dois terços dos casos permanecem sem diagnóstico ou são diagnosticados durante exames de rotina.

Exames laboratoriais

Alguns exames que podem ser pedidos para identificar a bactéria causadora:

  • Preparação a fresco. Uma amostra de secreção vaginal ou cervical é examinada ao microscópio, para verificar um aumento do número de leucócitos, que é frequente na doença inflamatória pélvica.
  • Cultura da secreção do colo do útero, para identificar outras bactérias causadoras.

Outros exames não específicos para avaliar a inflamação e a resposta imunológica:

  • Hemograma  - Analisa alterações dos leucócitos.
  • Proteína C reativa - Avalia a intensidade da inflamação.

Um teste de gravidez pode ser feito para confirmar uma gravidez ou para auxiliar o diagnóstico de gravidez ectópica.

Exames não laboratoriais

  • Exame físico - Avalia a secreção, a sensibilidade e a dor. Uma característica dessa doença é dor no colo uterino e no útero. O diagnóstico pode se basear apenas no exame físico.
  • Ultrassonografia pélvica ou transvaginal - Para examinar os órgãos reprodutores.
  • Laparoscopia - Para confirmar o diagnóstico, examinar os órgãos e colher amostras para biópsia.
  • Tomografia computadorizada ou ressonância magnética - Para visualização dos órgãos

Tratamento

A suspeita clínica de doença inflamatória pélvica justifica o tratamento mesmo sem uma confirmação com exames de imagem ou laboratoriais, porque uma pequena fibrose resultante pode provocar infertilidade.

O tratamento é feito com um ou mais antibióticos eficazes contra Chlamydia trachomatis, Neisseria gonorrhoeae e outras bactérias. Se for identificada a bactéria causadora, o tratamento é adaptado de acordo com o teste de sensibilidade aos antibióticos. O parceiro sexual da mulher também deve ser tratado, para não reinfectá-la novamente após ser tratada.

Na maioria dos casos, o tratamento é ambulatorial, mas, se a infecção for grave ou não houver resposta ao tratamento, pode haver necessidade de internação hospitalar. Em casos raros, quando se forma um abscesso, é necessário fazer uma cirurgia para drenagem.

Páginas relacionadas

Exames: pesquisa de clamídia, pesquisa de gonorreia, velocidade de hemossedimentação, proteína C reativa, teste de gravidez

Doenças e estados clínicos: doenças transmitidas sexualmente

Triagens: gravidez

Em outros sites da Internet

CDC: Fact Sheet, PID (Pelvic Inflammatory Disease)
Department of Health & Human Services: Pelvic Inflammatory Disease
Medline Plus Medical Encyclopedia: Pelvic Inflammatory Disease (PID)
American College of Obstetrician and Gynecologists (ACOG): Pelvic Inflammatory Disease

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.


(Updated 2007 December) PID (Pelvic Inflammatory Disease). CDC Fact Sheet. [On-line information]. Available online at http://www.cdc.gov/std/PID/STDFact-PID.htm through http://www.cdc.gov. Accessed March 2009.

(Reviewed 2007 April). Pelvic Inflammatory Disease. Department of Health & Human Services, USA (FAQ’s page). [On-line information]. Available online at http://womenshealth.gov/faq/pelvic-inflammatory-disease.cfm through http://womenshealth.gov. Accessed March 2009.

(Updated 2006 September 9). Pelvic Inflammatory Disease (PID). US National Library of Medicine and National Institutes of Health: Medline Plus Medical Encyclopedia. [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000888.htm. Accessed March 2009.

(Published 2009 February 14). Chronic Pelvic Pain. Mayo Clinic. [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/print/chronic-pelvic-pain/DS00571/DSECTION=all&METHOD=print through http://www.mayoclinic.com. Accessed March 2009.

(Updated 2006 November 13). Pelvic Inflammatory Disease. National Institute of Allergy and Infectious Diseases. [On-line information]. Available online at http://www3.niaid.nih.gov/topics/pelvicInflammatoryDisease/default.htm through http://www3.niaid.nig.gov. Accessed March 2009.

Haggerty, C. and Ness, R. (Posted 2008 August 11). Diagnosis and Treatment of Pelvic Inflammatory Disease. Women’s Health 2008;4(4):383-397. [On-line information]. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/576815 through http://www.medscape.com. Accessed March 2009.

Hill, B. and Lockrow, E. (Updated 2007 December 3). EMedicine and Medscape.com. [On-line information]. Available at http://emedicine.medscape.com/article/256448-overview through http://www.emedicine.medscape.com. Accessed March 2009.

<> Reyes, I., et.al. (Updated 2009 February 4). Pelvic Inflammatory Disease. EMedicine and Medscape.com. [On-line information]. Available at http://emedicine.medscape.com/article/796092-overview through http://www.emedicine.medscape.com. Accessed March 2009.

Barclay, L. (Published 2009 January 13). CDC Issues Annual Report on Sexually Transmitted Diseases. CDC and Medscape.com. Available at http://www.medscape.com/viewarticle/586754 through http://www.medscape.com. Accessed March 2009.

(Revised 2007 April). Pelvic Inflammatory Disease (PID). Merck Manuals Online Medical Library. [On-line information]. Available online at http://www.merck.com/mmpe/sec18/ch246/ch246c.html through http://www.merck.com. Accessed March 2009.

(Revised 2005 November).Pelvic Pain. Merck Manuals Online Medical Library. [On-line information]. Available online at http://www.merck.com/mmpe/sec18/ch242/ch242d.html through http://www.merck.com. Accessed March 2009.

(© 2004 September). Pelvic Inflammatory Disease (Pamphlet). American College of Obstetrician and Gynecologists, ISSN 1074-8601 (ACOG). Available at http://www.acog.org/publications/patient_education/bp077.cfm through http://wwwacog.org. Accessed March 2009.

Crossman, S. (© 2006). The Challenge of Pelvic Inflammatory Disease. American Family Physician 2006;73:859-64. [On-line information]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20060301/859.html through http://www.aafp.org. Accessed March 2009.

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 710-713.

Thomas, C. L., Editor (© 1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary 18th Edition: F.A. Davis Company, Philadelphia, PA. Pp 1428.