Nome formal
Hormônio folículo-estimulante
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
27 de Abril de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para avaliar a função hipofisária, particularmente no que diz respeito a problemas relacionados à fertilidade.

Quando fazer este exame?

Se você estiver apresentando dificuldade para engravidar ou irregularidade menstrual; quando seu médico considera que você tem sintomas de distúrbio hipofisário ou hipotalâmico ou, ainda, de doença ovariana ou testicular; se o médico suspeita que uma criança esteja com maturação sexual atrasada ou adiantada.

Amostra:?

Uma amostra de sangue coletada de uma veia do braço; algumas vezes uma amostra aleatória de urina ou urina coletada no período de 24 horas

O que está sendo pesquisado?

O hormônio folículo-estimulante (FSH) é produzido pela adeno-hipófise localizada no encéfalo. O controle na produção de FSH é um sistema complexo que envolve hormônios produzidos pelas gônadas (ovários ou testículos), pela própria hipófise e pelo hipotálamo.

Nas mulheres, o FSH estimula o crescimento e a maturação dos folículos (óvulos) durante a fase folicular do ciclo menstrual. Este é dividido em duas fases: folicular e lútea, por onda de FSH e hormônio luteinizante (LH) no meio do ciclo. A ovulação ocorre logo após essa onda hormonal. Durante a fase folicular, o FSH dá início à produção de estradiol pelo folículo, e os dois hormônios atuam em conjunto no desenvolvimento do óvulo. Durante a fase lútea, o FSH estimula a produção de progesterona. Ambos, estradiol e progesterona, ajudam a hipófise a controlar a quantidade de FSH produzida. O FSH também facilita a resposta dos ovários ao LH. Quando ocorre a menopausa, os ovários param de funcionar e o nível de FSH aumenta.

Nos homens, o FSH estimula os testículos a produzirem espermatozoides maduros além de promover a síntese de proteínas ligantes de andrógenos. Os níveis de FSH se mantêm relativamente constantes nos indivíduos do sexo masculino após a puberdade.

Nos bebês que estão amamentando lactentes e nas crianças, os níveis de FSH aumentam logo após o nascimento para decair a níveis muito baixos ao redor de seis meses nos meninos e 1 a 2 anos nas meninas. Por volta dos seis a oito anos de idade, no início da puberdade, os níveis voltam a subir quando ocorre o desenvolvimento das características sexuais secundárias.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue coletada de uma veia do braço. Algumas vezes, utiliza-se uma amostra aleatória de urina. Também é possível realizar o teste em amostra de urina de 24 horas caso o médico queira medir o FSH produzido ao longo de 24 horas. O FSH é liberado de forma intermitente ao longo do dia e a coleta de urina de 24 horas elimina os problemas relacionados com essa variação. Em uma amostra isolada e aleatória de urina é possível que a atividade real do hormônio não esteja bem representada.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo para o teste.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O FSH com frequência é pedido em conjunto com outros hormônios (LH, testosterona, estradiol e progesterona) na rotina para investigação da causa da infertilidade em homens e mulheres. A dosagem de FSH é usada para auxiliar na determinação da causa pela qual um homem apresenta contagem baixa de espermatozoides. Também é usada na investigação de irregularidade menstrual e como exame auxiliar no diagnóstico de distúrbios hipofisários ou de doenças que envolvem ovários ou testículos. Em crianças, a dosagem de FSH e LH é utilizada para o diagnóstico da puberdade precoce ou retardada.

  • Quando o exame é pedido?

    Em mulheres e homens, são feitas as dosagens de FSH e LH como parte da rotina de investigação de infertilidade e de distúrbios da hipófise ou das gônadas. Também pode ser realizada para determinar se uma paciente está na menopausa. O médico pode pedir dosagem de FSH e LH quando uma menina ou um menino não entra na puberdade na faixa etária apropriada (a entrada é precoce ou tardia). Alguns sinais de puberdade:

    • Aumento das mamas nas meninas
    • Crescimento de pelos pubianos
    • Crescimento da genitália nos meninos
    • Início da menstruação nas meninas

    Se qualquer um ou alguns desses sintomas surgirem em idade anterior à média esperada, ou se estiverem atrasados em relação à faixa etária mais comum, isto pode indicar um problema mais grave que envolve hipotálamo, hipófise, gônadas (ovários ou testículos) ou outros sistemas. As dosagens de LH e FSH são úteis para diferenciar se os sintomas têm caráter benigno ou se estão relacionados a alguma doença específica. Uma vez que for estabelecido que os sintomas resultam de quadro de doença, devem ser feitos novos testes para esclarecer a causa.

  • O que significa o resultado do exame?

    Nas mulheres, a dosagem de FSH e LH auxilia na diferenciação da insuficiência ovariana primária (falência intrínseca aos ovários) e insuficiência ovariana secundária (falência dos ovários causada por distúrbios na hipófise ou no hipotálamo). Níveis aumentados de FSH e LH podem ter relação com insuficiência primária dos ovários. Algumas causas de insuficiência ovariana primária:

    Causas relacionadas ao desenvolvimento:

    • Agenesia ovariana (os ovários não se desenvolvem) . 
    • Anormalidades cromossômicas, como, por exemplo, na síndrome de Turner.
    • Problemas na esteroidogênese ovariana, como, por exemplo, na deficiência de 17-alfa hidroxilase.

    Insuficiência ovariana prematura causada por:

    • Irradiação  
    • Quimioterapia

    Anovulação crônica (impossibilidade de ovular) causada por:

    • Doença da suprarrenal
    • Tumor ovariano

    Quando a mulher atinge a menopausa e seus ovários param de funcionar, os níveis de FSH aumentam.

    Níveis baixos de FSH e LH são consistentes com insuficiência ovariana secundária causada por problemas na hipófise ou no hipotálamo.

    No sexo masculino, níveis elevados de FSH são provocados por insuficiência testicular primária, que pode ocorrer devido a problemas no desenvolvimento dos testículos ou por lesão testicular, como indicado abaixo:

    Causas relacionadas ao desenvolvimento:

    • Agenesia gonadal
    • Anormalidade cromossomial, como, por exemplo, na síndrome de Klinefelter

    Insuficiência testicular:

    • Trauma  
    • Irradiação
    • Quimioterapia
    • Doença autoimune  

    Níveis baixos estão relacionados a distúrbios hipofisários ou hipotalâmicos.

    Em crianças menores, dosagens altas de FSH e LH e/ou o desenvolvimento de caracteres sexuais secundários antes da idade esperada indicam puberdade precoce. Isso é mais comum em meninas. Esse desenvolvimento prematuro pode ter diversas causas que necessitam ser diagnosticadas e tratadas:

    • Lesão no sistema nervoso central
    • Tumores secretores de hormônio
    • Tumores ou cistos ovarianos
    • Tumores testiculares

    Em crianças que apresentam alguns sinais de modificações da puberdade, níveis normais de LH e FSH esperados antes dessa fase podem indicar uma forma benigna de puberdade precoce sem causa presente ou identificável, ou uma variação normal da puberdade.

    Nos casos com puberdade retardada, os níveis de LH e FSH podem estar normais ou abaixo dos valores esperados para as crianças na mesma faixa etária. Talvez haja necessidade de realizar o teste de resposta do LH ao GnRH junto com outros exames para diagnosticar a causa do retardo da puberdade. Algumas das causas de puberdade retardada:

    • Insuficiência gonadal (ovários ou testículos), como, por exemplo, na síndrome do ovário policístico
    • Deficiência hormonal
    • Síndrome de Turner (anormalidade cromossômica em meninas)
    • Síndrome de Klinefelter (anormalidade cromossômica em meninos)
    • Infecções crônicas
    • Câncer
    • Distúrbios nutricionais (anorexia nervosa)
  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A dosagem de FSH pode aumentar com o uso de cimetidina, clomifeno, digitálicos e levodopa. Os resultados do FSH podem ser reduzidos com contraceptivos orais, fenotiazinas e tratamentos hormonais.

    Se você fez recentemente um exame de cintilografia, os radioisótopos utilizados no exame podem interferir com os resultados do teste de FSH.

  • Estoucom dificuldades para engravidar, Que exames devo fazer?

    Seu medico talvez diga para você acompanhar as variações na temperatura do corpo, que tende a aumentar ligeiramente quando ocorre a ovulação. Outros testes para avaliação de infertilidade são as dosagens sanguíneas de FSH e de LH, entre outros testes hormonais, assim como exame pós-coito (após relação sexual). Talvez ele peça histerossalpingografia (imagens das tubas uterinas) para verificar se suas tubas uterinas estão obstruídas. Seu marido deve colher uma amostra de sêmen para análise.

  • Sou uma mulher jovem, mas começou a nascer pelos no meu rosto e ainda não tenho menstruação regular. O que há de errado comigo?

    Talvez você tenha a síndrome do ovário policístico (PCOS), um problema hormonal encontrado em 7% a 10% das mulheres e uma das principais causas de infertilidade. Nesse quadro, os ovários podem estar aumentados em razão de cistos que se formam neles. As mulheres com PCOS também podem apresentar níveis elevados de androgênios e não ovulam regularmente. Talvez sejam necessários diversos testes laboratoriais, incluindo FSH, LH e androgênios para confirmar que a PCOS é a causa de seus sintomas. Uma combinação de medicamentos e hormonioterapia podem aliviar seus sintomas.

  • Existe indicação para se realizar exames de hormônios femininos num homem?

    Os homens também produzem FSH e LH e os níveis desses hormônios também são importantes para a função reprodutiva masculina. Nos homens, o FSH estimula os testículos a produzirem espermatozoides, assim como estimulam os ovários a produzir óvulos. Nos homens, o LH deve ser dosado se os níveis de testosterona estiverem baixos.

  • Há algum teste domiciliar para FSH?

    Sim. Há um teste aprovado pelo FDA (Agência de Drogas e Alimentação dos Estados Unidos), que mede os níveis de FSH em uma amostra de urina. Esse teste é usado como indicador da perimenopausa, período associado a aumento nos níveis de FSH. Para mais informações visite o site da FDA em http://www.fda.gov/cdrh/oivd/homeuse-menopause.html

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas

 

S1
Corbett, JV. Laboratory Tests & Diagnostic Procedures with Nursing Diagnoses, 4th ed. Stamford, Conn.: Appleton & Lang, 1996. pp. 429-431, 726.

S2
Clinical Guide to Laboratory Tests. 3rd ed. Tietz N, ed. Philadelphia: W.B. Saunders & Co; 1995: 248-249, 210-211.

S3
The InterNational Council on Infertility Information Dissemination, “PCOS in Pediatrics: When and How Does it Start? Originally written and presented by Silva Arslanian, MD, Children's Hospital of Pittsburgh, Pittsburgh, PA; summarized in online version by Christine M. Schroeder, PhD. Available at: http://www.inciid.org/pcos/PCOS-pediatrics.html

S4
Gonadotropins: Luteinizing and Follicle Stimulating Hormones. Available at: http://arbl.cvmbs.colostate.edu/hbooks/pathphys/endocrine/hypopit/lhfsh.html

S5
Blondell RD, Foster MB, Kamlesh CD. Disorders of Puberty. American Family Physician, July 1999 (online publication). Available at: http://www.aafp.org/afp/990700ap/209.html

S6
Hormone Society. Fact Sheet on Female Infertility. Available at: http://www.endo-society.org/pubrelations/patientInfo/infertility.htm

S7
The Hormone Foundation. Fact sheet on Polycystic Ovary Syndrome (PCOS). Available at: http://www.hormone.org/pcos_factsheet.html

S8
Laurence M. Demers, PhD. Distinguished Professor of Pathology and Medicine, The Pennsylvania State University College of Medicine, The M. S. Hershey Medical Center, Hershey, PA

S9
A Manual of Laboratory & Diagnostic Tests. 6th ed. Fischbach F, ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

S10
Pagana K, Pagana T. Mosby's Manual of Diagnostic and Laboratory Tests. St. Louis: Mosby; 1998.

S11
Davis B, Mass D, Bishop M. Principles of Cinical Laboratory Utilization and Consultation. Saunders; 1999.

S12
Thompason, Sharon. LH response to GnRH. (Updated Aug 2005) MedlinePlus (online information). Available at: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/print/ency/article/003709.htm

S13
Neely EK, Wilson DM, Lee PA, Stene M, Hintz RL (July 1995). Spontaneous serum gonadotropin concentrations in the evaluation of precocious puberty. J Pediatric 127(1):47-52 from PubMed. Available at: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Abstract&list_uids=7608810

S14
Nirupama Kakarla, M.D.; Karen D. Bradshaw, M.D. (Posted 03/05/2004.) Disorders of Pubertal Development: Precocious Puberty. From Seminars in Reproductive Medicine 21(4):339-351 from Medscape. Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/468259

S15
Brito VN, Batista MC, Borges MF, Latronico AC, Kohek MB, Thirone AC, Jorge BH, Arnhold IJ, Mendonca BB. (1999 Oct) Diagnostic value of fluorometric assays in the evaluation of precocious puberty. J Clin Endocrinol Metab. 84(10):3539-44. Available online

S16
Sheehan, M (Dec 2003). Polycystic Ovarian Syndrome: Diagnosis and Management. Clinical Medicine and Research, 2(1): 13-27. Available at: http://www.pubmedcentral.gov/articlerender.fcgi?artid+1069067