Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
20 de Setembro de 2017.

O que é?

O cólon, dividido em cinco segmentos, compreende a maior parte do comprimento do intestino grosso (1,5 m). No tubo digestivo, ele é a parte que segue o intestino delgado e termina no reto. No cólon são absorvidos água, algumas vitaminas e minerais, e formam-se as fezes para eliminação do corpo.

Os tumores malignos do cólon e do reto são chamados em conjunto câncer colorretal. Neste artigo, câncer de cólon se refere a tumores do cólon e do reto. Nos EUA, o câncer de cólon é a segunda causa mais frequente de morte por câncer em homens e em mulheres. A American Cancer Society avalia que, por ano, morrem 50.000 pessoas e são diagnosticados 149.000 novos casos. No Brasil, foram diagnosticados 27.000 novos casos em 2008. Em sua maioria, o câncer é precedido por um pólipo benigno, uma protrusão alongada do revestimento do cólon para a cavidade intestinal. Os pólipos são bastante comuns a partir dos 50 anos de idade. Podem se tornar cancerosos, invadindo o cólon e se estendendo para outras partes do corpo (metástases).

As causas do câncer de cólon não são conhecidas, mas o risco está associado a fatores genéticos, dietéticos e de estilo de vida. Pessoas com colite ulcerativa, uma forma de doença intestinal inflamatória, com imunodeficiências ou com história familiar de câncer de cólon têm risco aumentado. Uma doença hereditária rara chamada adenomatose ou polipose familiar causa o desenvolvimento precoce de pólipos que se transformam em câncer em quase todos os pacientes, a não ser que o cólon seja removido antes. O risco também aumenta com a idade e com a presença de outros tipos de câncer. Outro fator de risco é uma dieta rica em gorduras e carne, em especial quando combinada a pouca ingestão de frutas, vegetais e fibras. Fatores de risco relacionados com estilo de vida são fumo, obesidade e vida sedentária.

Sintomas

O câncer de cólon com frequência se desenvolve sem sinais e sintomas. Os que ocorrem, incluem:

  • Diarreia, constipação ou outras alterações dos hábitos intestinais durando 10 dias ou mais.
  • Sangue nas fezes (de cor vermelha ou escura).
  • Anemia sem explicação.
  • Dor e sensibilidade no abdome inferior.
  • Desconforto abdominal (dores frequentes causadas por gases, distensão abdominal, sensação de plenitude e cólicas).
  • Obstrução intestinal.
  • Perda de peso sem causa aparente.
  • Fezes afinadas.
  • Cansaço constante.

Esses sinais e sintomas podem ter outras causas. É recomedável que a pessoa procure o médico para investigá-los. Quando identificados, os pólipos pré-cancerosos podem ser removidos, evitando o desenvolvimento de câncer. Se o câncer for detectado cedo, ele é curável em até 90% dos casos.

Exames de triagem para diagnóstico precoce

Adultos devem iniciar a triagem para câncer de cólon aos 50 anos de idade. A escolha do método depende do risco individual. Por exemplo, se um parente próximo teve câncer de cólon, a triagem deve começar 10 anos antes da idade em que o parente foi diagnosticado, para detectar pólipos pré-cancerosos.

Os exames de triagem para câncer de cólon podem ser classificados em duas categorias: exames estruturais parciais ou completos, que detectam câncer ou pólipos pré-cancerosos, e exames laboratoriais feitos nas fezes para pesquisa de sangue ou de células cancerosas. Outra diferença entre os grupos de exames é que pólipos e tumores iniciais podem ser removidos durante exames diretos, como a sigmoidoscopia ea colonoscopia. Os exames laboratoriais ou radiológicos positivos devem ser seguidos por outro procedimento para remover crescimentos suspeitos.

Exames endoscópicos e de imagem

Examinam o cólon e podem detectar câncer ou pólipos pré-cancerosos.
ExameDescriçãoIntervaloVantagensDesvantagens
Sigmoidoscopia Exame do reto e do cólon terminal com um instrumento iluminado rígido ou flexível 5 anos Preparação mínima

Não precisa de sedação

Rápido e seguro
Examina apenas 30% do cólon
Não permite remoção de todos os pólipos

Pequeno risco de sangramento, infecção e laceração do cólon

Resultados anormais podem exigir colonoscopia
Colonoscopia Exame do reto e de todo o cólon com um instrumento iluminado 10 anos Examina todo o cólon

Pode remover pólipos e colher biópsias para exame
Preparação extensa

Sedação necessária

Pelo menos dois dias de preparação e recuperação

Risco de sangramento, infecção e laceração do cólon
Clister opaco Série de radiografias do cólon e do reto. O contraste é feito com um enema de bário e insuflação do cólon com ar 5 anos Não exige sedação

Pode observar todo o cólon

Relativamente seguro; risco mínimo de laceração do cólon
A mesma preparação necessária para a colonoscopia

Pólipos não podem ser removidos

Resultados suspeitos exigem colonoscopia
Colonoscopia virtual (usando tomografia computadorizada) Exame do reto e de todo o cólon usando imagens tridimensionais obtidas a partir de tomografia computadorizada. O cólon é insuflado com ar. 5 anos Não exige sedação

Pode observar todo o cólon

Relativamente seguro; risco mínimo de laceração do cólon
A mesma preparação necessária para a colonoscopia

Pólipos não podem ser removidos

Resultados suspeitos exigem colonoscopia

Exames laboratoriais

Exames feitos em amostras de fezes que podem indicar câncer.
ObjetivoDescriçãoIntervaloVantagensDesvantagens
Sangue oculto fecal Pesquisa sangue nas fezes Anual Não é necessária preparação intestinal

Não há risco para o intestino

Amostras podem ser colhidas em casa
Restrições dietéticas antes do exame

Não detecta alterações pré-cancerosas

Resultados positivos podem ter outras causas além de câncer
Sangue oculto fecal (método imunoquímico) Pesquisa sangue nas fezes; método de análise e colheita diferentes Anual Não são necessárias restrições dietéticas

Não é necessária preparação intestinal

Não há risco para o intestino

Amostras podem ser colhidas em casa
Não detecta alterações pré-cancerosass

Resultados negativos não excluem câncer; exame deve ser repetido
Teste de DNA Detecta mutações específicas associadas a câncer de cólon no DNA isolado de células das fezes Em avaliação Não são necessárias restrições dietéticas

Não é necessária preparação intestinal

Não há risco para o intestino
Não detecta alterações pré-cancerosas

Amostras devem ser adequadas

É necessária manipulação especial das amostras

Além desses exames, o médico pode fazer um exame retal digital procurando palpar uma massa retal com o dedo enluvado. Entretanto, a maioria dos tumores está fora do alcance do dedo.

Se algum exame produz resultados sugestivos de pólipos ou de câncer, deve ser feita a colonoscopia para examinar todo o cólon e colher biópsias de pólipos ou de outras áreas suspeitas.

Exames para diagnosticar e determinar o estágio do câncer de cólon
Quando há suspeita de câncer durante uma colonoscopia, é feita uma biópsia para exame ao microscópio por um patologista. Se for confirmado o diagnóstico de câncer, o passo seguinte é determinar o estágio (a extensão) da doença. O tratamento depende do estágio, que define o grau de disseminação a partir o local de início. Há diversos sistemas de classificação. Um bastante usado descreve os seguintes estágios:

  • Estágio 0: câncer restrito à superfície da parede intestinal
  • Estágio I: câncer invadindo camadas mais profundas da parede intestinal
  • Estágio II: câncer invadindo toda a espessura da parede intestinal e tecidos adjacentes
  • Estágio III: invasão de linfonodos locais
  • Estágio IV: disseminação para órgãos distantes

Um exame laboratorial chamado antígeno carcinoembrionário (CEA) pode ser pedido nessa fase. Os níveis sanguíneos dessa proteína estão aumentados em muitos pacientes com câncer de cólon e se correlacionam com o estágio da doença. O CEA também é útil para determinar o prognóstico porque níveis altos estão associados a um risco aumentado de recorrência e de doença metastática.

Tratamento

O câncer de cólon em todos os estágios é tratado com remoção cirúrgica do câncer e, se necessário, de alguns tecidos adjacentes. Nos estágios II e III, podem ser usadas radioterapia e quimioterapia para tentar extirpar o tumor ou diminuir seu tamanho, e no estágio IV, para melhorar os sintomas e prolongar a vida. Em alguns casos, também é possível adotar terapias biológicas e imunoterapia.

Páginas relacionadas


Neste site
Exames: sangue oculto fecal, marcadores tumorais

Em outros sites da Internet
Diagnóstico, Estadiamento,Tratamento Cirúrgico e Multidisciplinar do Câncer colorretal
Personal Colon Cancer Test Scheduling Reminder
The American Gastroenterological Association: Facts about Colorectal Cancer
The American Gastroenterological Association: Patient Center, Colorectal Cancer Screening
National Cancer Institute: Colon and Rectal Cancer
American Cancer Society: Colorectal Cancer: Early Detection
National Digestive Diseases Information Clearinghouse: Virtual Colonoscopy

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

Fontes usadas na revisão atual

Levin B et. al, (2008). Screening and Surveillance for the Early Detection of Colorectal Cancer and Adenomatous Polyps, 2008: A Joint Guideline from the American Cancer Society, the US Multi-Society Task Force on Colorectal Cancer, and the American College of Radiology. Published online before print March 5, 2008. CA Cancer J Clin 2008. Available online at http://caonline.amcancersoc.org/cgi/content/full/CA.2007.0018v1. Accessed March 2008.

American Cancer Society. News release, March 5, 2008. Health Groups Issue Updated Colorectal Cancer Screening Guidelines—Recommendations Include Two New Tests and Preference for Tests that Detect Precancerous Polyps. Available online at http://www.cancer.org. Accessed March 2008.

The Facts About Colorectal Cancer. The American Gastroenterological Association (online information). Available online at http://www.gastro.org.

(February 26, 2007) Gandey A. Colorectal Cancer Screening Improved With Immunochemical Fecal Occult Blood Test. Medscape Medical News (online information). Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/552714. Accessed April 2008.

(March 5, 2008) American Cancer Society. Colorectal Cancer: Early Detection (online information). Available online at http://www.cancer.org. Accessed April 2008.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006).  Contemporary Practice in Clinical Chemistry, AACC Press, Washington, DC. Pp 244-245.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

AGA (2001). The Facts About Colorectal Cancer. The American Gastroenterological Association [On-line information]. Available online at http://www.gastro.org.

AGA (2001). Clinical Practice Recommendations -- People at Average Risk. The American Gastroenterological Association [On-line information]. Available online at http://www.gastro.org.

CDC (2001, March 9). CDC says colorectal cancer screening rates remain low. Centers for Disease Control [Press Release]. Available online at http://www.cdc.gov.

DHHS (1996). “Screening for Colorectal Cancer” in Guide to Clinical Preventative Services, 2nd Edition, Report of the U.S. Preventative Services Task Force, U.S. Department of Health and Human Services, Office of Public Health and Science, Office of Disease Prevention and Health Promotion. [On-line information]. Available online at http://odphp.osophs.dhhs.gov.

MedlinePLUS (Page updated 2002, January 2). Fecal occult blood test (FOBT). MedlinePLUS Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/007008.htm.

National Digestive Diseases Information Clearinghouse: Virtual Colonoscopy. Available online at http://digestive.niddk.nih.gov/ddiseases/pubs/virtualcolonoscopy/.