Also Known As
Ataque cardíaco
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 01 de Agosto de 2018.
Resumo

O coração é um órgão muscular que bombeia sangue para a circulação. O sangue vem dos pulmões, onde capta oxigênio, segue pelas artéria pulmonares até o coração, de onde é bombeado pelas artérias para os tecidos, onde distribui o oxigênio. O sangue volta ao coração pelas veias e é bombeado de volta aos pulmões. Para realizar essas tarefas, o coração precisa de uma grande quantidade de oxigênio obtida do sangue.

O infarto do miocárdio, também chamado ataque cardíaco, é causado por um bloqueio das artérias do coração, que reduz ou interrompe completamente o suprimento de sangue para uma parte do coração. Esse bloqueio é causado por um coágulo sanguíneo, que, em geral, se desenvolve em uma área de espessamento da parede de uma artéria. O espessamento é causado pela formação de uma placa, em um processo chamado aterosclerose. Se demorar mais de uma hora, o bloqueio agudo do fluxo de sangue por um coágulo pode provocar morte de células musculares cardíacas (infarto) e formar uma cicatriz na área afetada do coração.

Síndrome coronariana aguda é um nome usado para os sinais e sintomas resultantes de um fluxo sanguíneo insuficiente para o coração. Os sintomas podem incluir dor torácica de início súbito, com frequência irradiando-se para a mandíbula, o braço ou o ombro. Em pessoas com angina, esses sintomas podem ser mais intensos e duradouros que o usual. Alguns pacientes apresentam outros sintomas, como pulso rápido, náuseas, vômitos, sudorese, falta de ar súbita ou dificuldade de respirar. Em alguns casos, eles ocorrem sem dor torácica, especialmente em idosos e diabéticos.

Os sintomas podem também ser acompanhados por alterações da pressão arterial. Em mulheres, mais que em homens, podem ser menos dramáticos e mal interpretados. Para mais informações sobre sinais de aviso e diferenças entre homens e mulheres, visite os links em Páginas relacionas, Em outros sites da Internet. Chame um serviço de emergência se você apresentar esses sintomas. Pode ocorrer lesão irreversível do músculo cardíaco se não houver atendimento rápido.

Accordion Title
Sobre Infarto do miocárdio e síndrome coronariana aguda
  • Exames

    Quando uma pessoa apresenta uma síndrome coronariana aguda, os sintomas não permitem distinguir se está ocorredo um infarto do miocárdio ou se o bloqueio é temporário. Diversos exames ajudam a avaliar se houve um infarto.

    O diagnóstico de infarto do miocárdio se baseia em alterações do eletrocardiograma e em alguns exames de sangue. O eletrocardiograma costuma ser feito nos primeiros minutos de atendimento. Ele reconhece alterações que demonstram que ocorreu um infarto do miocárdio, mas elas são observadas apenas nos casos mais graves. Com maior frequência, o eletrocardiograma confirma apenas que houve diminuição do fluxo de sangue para o coração ou mostra alterações inespecíficas. Pessoas com alterações mais intensas do eletrocardiograma (elevação do segmento ST) em geral têm um coágulo importante em uma artéria e devem ser tratadas com rapidez, com medicamentos ou com cateterismo cardíaco, para remover o coágulo.

    Na maioria restante de pacientes com síndrome coronariana aguda é necessário fazer exames de sangue para verificar se houve um infarto do miocárdio. Os exames medem o grau de lesão do músculo cardíaco. Quando células musculares cardíacas morrem, liberam substâncias na circulação que podem ser medidas. Os exames incluem a fração MB da creatina quinase (CK-MB), a mioglobina e a troponina. A medida desses marcadores cardíacos pode detectar um infarto do miocárdio e avaliar grosseiramente a extensão da lesão. Eles também podem ser usados no diagnóstico, na avaliação e na monitoração de pacientes com síndrome coronariana aguda.

    Também são usados outros exames não laboratoriais para diagnosticar um infarto do miocárdio, como cintilografia e angiografia coronariana. Para mais detalhes, visite o site National Heart Attack Alert Program: Testing for a Heart Attack.

  • Tratamento

    Como em todas as doenças cardíacas, o controle da pressão arterial (combate à hipertensão arterial) é uma preocupação importante. Dependendo da reação do coração, podem ser usados medicamentos, como a digoxina, que aumenta a força da contração cardíaca, e antiarrítmicos, como a procainamida, que estimula a sincronização das contrações.

    Também é possível prescrever outros medicamentos, incluindo bloqueadores beta, inibidores da enzima conversora da angiotensina (ACE), anticoagulantes, antiplaquetários e substâncias que dissolvem coágulos (trombolíticos). Algumas vezes, é necessário realizar procedimentos médicos, como angioplastia ou by-pass coronariano. O médico também pode indicar dieta e exercícios adequados para o estado do paciente. Para mais informações, visite National Heart, Lung, and Blood Institute: How is a Heart Attack Treated?

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

Fontes usadas na revisão atual
National Heart, Lung, and Blood Institute. National Heart Attack Alert Program: Testing for a Heart Attack. Available online at http://rover.nhlbi.nih.gov/actintime/taha/taha.htm through http://rover.nhlbi.nih.gov. Accessed September 2008.

National Heart, Lung, and Blood Institute. National Heart Attack Alert Program: How is a Heart Attack Treated? Available online at http://www.nhlbi.nih.gov/health/dci/Diseases/HeartAttack/HeartAttack_Treatments.html through http://rover.nhlbi.nih.gov. Accessed September 2008.

American Heart Association: What is Acute Coronary Syndrome? Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=3010002. Accessed July 2008.

Achar, SA et al. Diagnosis of Acute Coronary Syndrome. American Family Physician. July 1, 2005. Available online at http://www.aafp.org/afp/20050701/119.html through http://www.aafp.org. Accessed October 2008.

Fontes usadas em revisões anteriores
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.