Nome formal
Anticoagulante lúpico
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
19 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para avaliação de um tempo de tromboplastina parcial (TTP) elevado ou de um episódio trombótico, como parte da avaliação de abortos recorrentes e da síndrome antifosfolipídio. Esses exames não são usados no diagnóstico do lúpus eritematoso sistêmico.

Quando fazer este exame?

Quando uma pessoa tem um TTP aumentado; após uma trombose venosa; abortos recorrentes, especialmente no segundo e no terceiro trimestres.

Amostra:

Uma amostra de sangue obtida inserindo uma agulha em uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma

O que está sendo pesquisado?

Os anticoagulantes lúpicos são autoanticorpos produzidos pelo sistema imunológico contra fosfolipídios e proteínas associadas a eles. Os fosfolipídios têm um papel vital na coagulação do sangue. São encontrados na superfície das plaquetas e participam da ativação de alguns fatores da coagulação, que são proteínas ativadas sequencialmente em resposta a lesões vasculares, como parte do processo de hemostasia. Os anticoagulantes lúpicos têm esse nome porque foram observados em primeiro lugar em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico, embora ocorram em outras doenças autoimunes, infecções, como HIV/AIDS, inflamações, alguns tipos de câncer e em pessoas usando certos medicamentos, como fenotiazinas, procainamida e fansidar. Estão presentes em 1% a 2% da população em geral, incluindo pessoas assintomáticas.

Os anticoagulantes lúpicos aumentam o risco de tromboses e de abortos recorrentes. Também aumentam os tempos de exames de coagulação, como o tempo de tromboplastina parcial (TTP), mas não causam sangramentos.

Não há um exame único para detecção de anticoagulantes lúpicos. Os exames iniciais envolvem testes de coagulação que necessitam de fosfolipídios, como o tempo de tromboplastina parcial (TTP) ou o teste diluído com veneno da víbora de Russell. Dependendo dos resultados, podem ser pedidos outros exames para confirmação. Veja mais detalhes abaixo em O que significam os resultados?.

O anticoagulante lúpico é um dos três principais anticorpos antifosfolipídio associados a risco de trombose. Os outros são anticorpos anticardiolipina e anticorpos anti-beta-2-glicoproteína I, estes são menos comuns. Pacientes com síndrome antifosfolipídio têm um ou mais desses anticorpos detectáveis no sangue. Todos afetam a coagulação de modo ainda pouco compreendido, e aumentam o risco de tromboses e de tromboembolias.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é colhida inserindo uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação é necessária.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    A pesquisa de anticoagulante lúpico é feita para determinar a causa de uma trombose não explicada, de abortos recorrentes ou de um tempo de tromboplastina parcial (TTP) prolongado. Ela ajuda a distinguir se um TTP prolongado é devido a um inibidor específico para um fator da coagulação ou a um inibidor inespecífico, como o anticoagulante lúpico. Pode ser pedida junto com exames que pesquisam anticorpos anticardiolipina e anti-beta-2-glicoproteína I. Se uma pesquisa de inibidores lúpicos é positiva, ela pode ser repetida após algumas semanas para verificar se o anticorpo é transitório ou persistente.

    Diversos exames são usados para pesquisar anticoagulante lúpico. Recomenda-se que sejam feitos pelo menos dois deles. Os mais sensíveis, além do TTP, são o teste diluído com veneno da víbora de Russel e o TTP sensível ao anticoagulante lúpico, que usa níveis baixos de ativador fosfolipídico. Outras variantes usam correção com plasma normal misturado ao plasma do paciente (ex. TTP 50/50) ou com um excesso de fosfolipídio.

    Um tempo de trombina e uma dosagem de fibrinogênio podem ser feitos para excluir contaminação com heparina, deficiência de fibrinogênio ou disfibrinogenemia.

  • Quando o exame é pedido?

    A pesquisa de anticoagulante lúpico é feita para determinar a causa de uma trombose não explicada, de abortos recorrentes ou de um tempo de tromboplastina parcial (TTP) prolongado. Exames positivos são repetidos após algumas semanas para verificar se o anticoagulante é transitório ou persistente.

    O exame é feito em geral com uma pesquisa de anticorpos anticardiolipina para diagnóstico da síndrome antifosfolipídio.

    Pessoas com doenças autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico e doença mista do tecido conjuntivo, têm probabilidade maior de apresentarem anticoagulantes lúpicos, e podem ser testadas periodicamente.

  • O que significa o resultado do exame?

    A pesquisa de anticoagulantes em geral é feita por etapas. Embora os exames possam variar, a pesquisa começa com um tempo de tromboplastina parcial (TTP) prolongado. Se o TTP estiver normal, não há anticoagulante lúpico ou o reagente do TTP contém fosfolipídios em excesso. Para excluir a segunda possibilidade, pode ser feito o TTP sensível ao anticoagulante lúpico (com níveis baixos de fosfolipídio).

    A tabela abaixo resume as etapas dos exames:

      Exames Resultados Interpretação
    Passo 1 TTP sensível ao anticoagulante lúpico e/ou teste diluído com veneno da víbora de Russell Normais Não são necessários outros exames. Se a suspeita de inibidor se mantiver, esses exames podem ser repetidos.
        Prolongados Possível inibidor; veja Passo 2
    Passo 2 TTP sensível ao anticoagulante lúpico e/ou teste diluído com veneno da víbora de Russell com uma mistura em partes iguais de plasma do paciente e pool de plasma normal Normais O prolongamento dos exames no Passo 1 é devido a deficiência de fatores da coagulação, não a anticoagulantes
        Prolongados Provável anticoagulante lúpico; veja Passo 3
    Passo 3 Confirmação. TTP sensível ao anticoagulante lúpico e/ou teste diluído com veneno da víbora de Russell com excesso de fosfolipídio. Normais ou encurtados A correção com fosfolipídio confirma a presença de anticoagulante lúpico.
        Prolongados Inibidor específico de um fator da coagulação, e não anticoagulante lúpico.

    Se os resultados indicam um anticoagulante lúpico, os exames podem ser repetidos após algumas semanas, para verificar se ele é persistente.

    A pesquisa de anticoagulante lúpico é com frequência feita junto com a pesquisa de anticorpos anticardiolipina e anti-beta2-glicoproteína I, para diagnóstico da síndrome antifosfolipídio.

    Outros exames são usados para excluir outras causas de aumento do TTP:

    • Tempo de trombina normal exclui contaminação com heparina.
    • Uma dosagem de fibrinogênio normal exclui hipofibrinogenemia e disfibrinogenemia.

    Outros exames que podem ser úteis:

    • O teste de inibição da tromboplastina tecidual é um exame menos usado para pesquisar anticoagulante lúpico.
    • Dosagem de fatores da coagulação. Deficiências de fatores são excluídas em testes de correção. Os métodos em si também podem ser usados para pesquisa de anticoagulante lúpico.
    • Hemograma. Pacientes com anticoagulante lúpico podem apresentar também trombocitopenia leve ou moderada. Pacientes em uso de heparina para tratamento de trombose também podem desenvolver trombocitopenia.
  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Depois da presença de heparina, um anticoagulante lúpico é a causa mais comum de alongamento do tempo de tromboplastina parcial.

    A presença de anticorpos anticardiolipina pode tornar positivos exames para sífilis (VDRL e RPR)

    O uso de heparina ou de análogos (hirudina, daparoide, argatroban) como anticoagulantes afeta os exames que pesquisam anticoagulante lúpico. Se possível, esses exames devem ser feitos antes do início do tratamento com uma dessas substâncias.

     

  • A colheita é importante para a pesquisa de anticoagulante lúpico?

    Sim. Além da presença de heparina, outras variáveis pré-analíticas afetam os exames. A amostra de sangue é colhida em um tubo especial com citrato de sódio e centrifugada para separar o plasma. A centrifugação deve ser suficiente para retirar quase todas as plaquetas do plasma, porque elas liberam fosfolipídios que podem afetar os resultados. Um hematócrito muito alto também interfere nos resultados.

  • Qual é o tratamento para anticoagulante lúpico?

    Não havendo sintomas, nenhum tratamento é necessário. Após tromboses, são usados anticoagulantes injetáveis (heparina subcutânea ou intravenosa) seguidos de anticoagulantes orais (varfarina) durante alguns meses. Como o anticoagulante lúpico aumenta o risco de tromboses, algumas pessoas precisam de tratamento a longo prazo com anticoagulantes orais.

  • O que é mais comum, anticorpos anti-cardiolipina ou anticoagulante lúpico?

    Anticorpos anticardiolipina são cinco vezes mais frequentes que o anticoagulante lúpico em pessoas com síndrome antifosfolipídio. Cerca de 60% das pessoas com anticoagulante lúpico também têm anticorpos anticardiolipina.

Páginas relacionadas

Neste site

Exames relacionados: Anticorpos antifosfolipídio; tempo de tromboplastina parcial; tempo de trombina; anticorpos anticardiolipina; tempo de protrombina; anti-beta2-glicoproteína-I; tempo de coagulação com caulim; teste de neutralização de plaquetas

Estados clínicos/Doenças: hipercoagulabilidade, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome antifosfolipídio

Em outros sites da Internet

National Blood Clot Alliance: Stop the Clot
APS Foundation of America
Lupus Foundation of America: Antiphospholipid Antibodies

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas na revisão atual

(© 2010). Antiphospholipid Antibodies. Lupus Foundation of America [On-line information]. Available online at http://www.lupus.org/webmodules/webarticlesnet/templates/new_aboutaffects.aspx?articleid=82&zoneid=17 through http://www.lupus.org. Accessed August 2010.

Belilos, E. and Carsons, S. (Updated 2009 August 3). Antiphospholipid Syndrome. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/333221-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed August 2010.

Berg, T. (2009 December 1). Antiphospholipid Antibody Syndrome and Pregnancy. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/261691-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed August 2010.

Gersten, T. (Updated 2009 January 1). Lupus anticoagulants. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000547.htm. Accessed August 2010.

Rodgers, III, G. et. al. (Updated 2010 August). Antiphospholipid Syndrome – APS. ARUP Consult [On-line information]. Available online at http://www.arupconsult.com/Topics/APS.html?client_ID=LTD through http://www.arupconsult.com. Accessed August 2010.

Mayo Clinic Staff (2009 April 4). Antiphospholipid syndrome. MayoClinic.com [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/health/antiphospholipid-syndrome/DS00921 through http://www.mayoclinic.com. Accessed August 2010.

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 70-71.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 692-693.

Henry's Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods. 21st ed. McPherson R, Pincus M, eds. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier: 2007, Pp 774-775.

The Fritsma Factor: Summary of ISTH SSC 2009 Updated Guidelines for Lupus Anticoagulant Detection (October 2009). Available online at http://www.fritsmafactor.com/newfritsmafactor/?p=1947 through http://www.fritsmafactor.com. Accessed November 2010.

Devreese K, Hoylaerts M. Challenges in the Diagnosis of the Antiphospholipid Syndrome. Clinical Chemistry 56: 930-940, 2010. Available at http://www.clinchem.org/cgi/content/full/56/6/930 through http://www.clinchem.org. Accessed November 2010.

Pengo V, et.al Update of the guidelines for lupus anticoagulant detection. Journal of Thrombosis and Hemostasis, Vol. 7, issue 10 Pp. 1737-1740, October 2009. Available online at http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1538-7836.2009.03555.x/full through http://onlinelibrary.wiley.com. Accessed November 2010.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Castellone, D. (2001 January 8). The Lupus Anticoagulant: Truth or Consequence [42 paragraphs]. Advance Newsmagazines [On-line Newsletter]. Available FTP: http://www.advanceforal.com/common/editorial/editorial.aspx?CC=4712

(2002 November 19, Updated). Antiphospholipid Antibody [ paragraphs]. Mass Gen. Hospital Pathology Service Laboratory Medicine [On-line information]. Available FTP: http://www.mgh.harvard.edu/labmed/lab/coag/handbook/co003100.htm#co003100

(2002 October 24). Anti-Phospholipid Antibody [ paragraphs]. The Doctor’s Doctor [On-line information]. Available FTP: http://www.thedoctorsdoctor.com/diseases/antiphospholipid_antibody.htm

Assay for Lupus Anticoagulants [5 paragraphs]. [On-line information]. Available FTP: http://www.medinfo.ufl.edu/year2/coag/lupus.html

Lupus Anticoagulant Profile [7 paragraphs]. University of Alabama at Birmingham [On-line information]. Available FTP: http://peir.path.uab.edu/coag/article_3.shtml

(2001 January 10, Modified). Lupus Anticoagulant Panel [2 paragraphs]. Duke University Regional Referral Laboratory Services, Clinical Coagulation Laboratory [On-line Test Panel]. Available FTP: http://pathology.mc.duke.edu/coag/Panel.htm

Duke University Medical Center Clinical Coagulation Laboratory Coagulation Test Descriptions [On-line information]. Available FTP: http://pathology.mc.duke.edu/coag/TestDes.htm

Elstrom, R. (2001 October 17, Updated). Lupus Anticoagulants [10 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000547.htm

University of Illinois - Urbana/Champaign Carle Cancer Center, Hematology Resource Page, Patient Resources, Antiphospholipid Antibody Syndrome. Available online: http://www-admin.med.uiuc.edu/hematology/PtAPS.htm

Coagulation Test Panels [9 paragraphs]. Clinical and Research Laboratories, Florida Hospital Cancer Institute [On-line information]. Available FTP: http://www.fhci-labs.com/researchlabs/clinicallabs/hemostasisandthrombosis/panels.htm

Laposata, M. & Vancott, E. (2000 January). How to work up hypercoaguability [6 paragraphs]. CAP In the News [On-line Coagulation Case Study]. Available FTP: http://www.cap.org/CAPToday/casestudy/coag5.html

Bleeding Disorders [75 paragraphs]. The Merck Manual of Medical Information-Home Edition, Section 14. Blood Disorders, Chapter 155 [On-line information]. Available FTP: http://www.merck.com/mrkshared/mmanual_home/sec14/155.jsp

Menta, S. (1999 Spring). The Coagulation Cascade [148 paragraphs]. Physiology Disorders Evaluation, College of Medicine, Univ of Florida [On-line information]. Available FTP: http://www.medinfo.ufl.edu/year2/coag/title.html

Elstrom, R. (2001 November 25, Updated). PTT [14 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003653.htm

Kovacs, B. (2001 November 26, Updated). Systemic lupus Erythematosus [25 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000435.htm

DeLoughery, T. (1999 March 15). Tests of Hemostasis and Thrombosis [66 paragraphs]. OHSU [Online student handout]. Available FTP: http://www.ohsu.edu/som-hemonc/handouts/deloughery/printtest.html

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

(2006 September). Lupus Anticoagulant Panel [4 paragraphs]. ARUP Consult [On-line information]. Accessed on: 3/25/07. Available online

(© 2007). Lupus Anticoagulant Panel with Reflex to 1:1 Mixes & Confirmations [8 paragraphs]. ARUP's Laboratory Test Directory [On-line information]. Accessed on: 3/25/07. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/ug/tests/0030181.jsp

(2006 August 1 Reviewed). Antiphospholipid Syndrome [13 paragraphs]. MedicineNet.com [On-line information]. Accessed on: 3/31/07. Available FTP: http://www.medicinenet.com/antiphospholipid_syndrome/article.htm

(© 2007). Antiphospholipid Antibodies [19 paragraphs]. CAP [On-line information]. Accessed on: 3/25/07. Available online

Salmon, J. et. al. (2007 March 2). The Antiphospholipid Syndrome as a Disorder Initiated by Inflammation: Implications for the Therapy of Pregnant Patients CME [25 paragraphs]. Medscape from Nat Clin Pract Rheumatol 3(3):140-147 [On-line information]. Accessed on: 3/25/07. Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/553035