Também conhecido como
C3
C4
Complemento total
CH50
CH100
Atividade do complemento hemolítico total
Nome formal
Atividade do complemento; Componente C3 do complemento; Componente C4 do complemento
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
19 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se deficiências ou anormalidades nas proteínas que fazem parte do sistema complemento estão contribuindo para o aumento das infecções ou da atividade autoimune. Para monitorar a atividade de doenças autoimunes.

Quando fazer este exame?

Quando você tem infecções microbianas recorrentes (geralmente bacterianas), inflamação ou edema inexplicados ou sintomas relacionados a um distúrbio autoimune. Para ajudar a monitorar uma condição aguda ou crônica que afeta o sistema complemento.

Amostra:

Amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Nenhum.

O que está sendo pesquisado?

O sistema complemento é um conjunto de proteínas sanguíneas circulantes que trabalham juntas para promover respostas imunes e inflamatórias. Sua principal função é destruir substâncias estranhas como bactérias e vírus. Os nove componentes principais do complemento são aqueles designados como C1 a C9. Eles são assistidos e regulados por vários subcomponentes e inibidores.

O sistema complemento é parte do sistema imune inato do corpo. Ao contrário do sistema imune adquirido, que produz anticorpos e que tem como alvo a proteção contra ameaças específicas, o sistema imune inato é inespecífico e pode responder rapidamente a substâncias estranhas. Ele não necessita de uma exposição prévia ao micro-organismo ou substância invasora e não mantém uma memória de encontros anteriores. Como parte do sistema imune inato, o sistema complemento desenvolveu-se para reconhecer complexos antígeno-anticorpo (imunocomplexos), assim como  algumas estruturas e polissacarídeos (carboidratos complexos) encontrados na membrana externa de micro-organismos e outras células estranhas.

A ativação do complemento pode ser iniciada de diferentes modos. São chamados de vias clássica, alternativa ou da lectina. Entretanto, o produto final de todas as vias de ativação é o mesmo – a formação do Complexo de Ataque à Membrana (CAM). A ativação do complemento leva a vários outros acontecimentos:

  • O CAM se liga à superfície de cada micro-organismo ou célula anormal que tenha sido marcada para destruição. Ele cria uma lesão (orifício) na parede da membrana e leva à lise, que é a destruição da célula permitindo a saída de seu conteúdo, como ocorre quando se perfura um balão cheio de água.
  • Aumenta a permeabilidade dos vasos sanguíneos, permitindo que os leucócitos se desloquem para fora desses vasos e penetrem nos tecidos.
  • Atrai os leucócitos para o local da infecção.
  • Estimula a fagocitose, um processo no qual os micro-organismos são engolidos por macrófagos e neutrófilos e destruídos.
  • Aumenta a solubilidade dos imunocomplexos e contribui para retirá-los do soro.

As proteínas do complemento promovem e regulam essas atividades. Deficiências ou anormalidades hereditárias ou adquiridas em um ou mais dos componentes do complemento podem afetar adversamente a integridade e funcionamento do sistema imune. As deficiências também podem surgir em função de uma produção diminuída ou do aumento da utilização de uma ou mais proteínas do complemento.

Esses testes medem a quantidade ou a função (atividade) das proteínas do complemento no sangue. Os componentes do complemento podem ser medidos individualmente e em conjunto para determinar se o sistema está funcionando normalmente. C3 e C4 são as proteínas do complemento medidas com frequência. A atividade do complemento total (CH50 ou CH100) pode ser determinada se o médico suspeita de uma deficiência que não se consegue ser medida por C3 ou C4. CH50 mede a função da via clássica do complemento completa, de C1 a C9. Se essa medida está fora dos limites normais, então, cada um dos nove níveis diferentes do complemento pode ser medido individualmente para procurar por deficiências hereditárias ou adquiridas.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo-se uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessária nenhuma preparação para o teste.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    C3 e C4 são utilizados para determinar se deficiências ou anormalidades no sistema complemento estão provocando ou contribuindo para a condição ou doença de um paciente. A atividade do complemento total (CH50 ou CH100) pode ser solicitada para verificar a integridade de toda a via clássica do complemento. Outros componentes do complemento são solicitados, quando necessário, para investigar deficiências.

    O teste de complemento pode ser feito para ajudar a diagnosticar a causa de infecções microbianas recorrentes, angioedema ou inflamação. Ele pode ser utilizado no auxílio diagnóstico e monitoramento da atividade de doenças autoimunes agudas e crônicas, como lúpus eritematoso sistêmico (LES). Também pode ser feito e monitorado para doenças e condições relacionadas a imunocomplexos, como glomerulonefrite (um distúrbio renal), doença do soro, artrite reumatoide e vasculite (inflamação de um vaso sanguíneo). Quando os imunocomplexos se formam, o complemento ajuda a retira-los do sangue, reduzindo os níveis de complemento.

  • Quando o exame é pedido?

    O teste de complemento pode ser solicitado quando você tem uma inflamação ou edema inexplicados ou sintomas de um distúrbio autoimune, como o LES. Também pode ser feito quando o médico suspeita que você tenha uma condição relacionada à imunocomplexos e deseja verificar o estado do seu sistema complemento.

    Os níveis de C3 e C4 são os solicitados com mais frequência, porém,podem ser pedidos outros testes como o inibidor de C1, quando se suspeita de outras deficiências. Os componentes individuais do complemento podem ser solicitados quando a atividade do complemento total (CH50 ou CH100) é anormal, para ajudar a determinar quais dos componentes são deficientes ou anormais.

    Quando um estado clínico/doença aguda ou crônica foi diagnosticada, faz-se o teste de complemento para ajudar a fornecer uma ideia geral da gravidade da condição (assumindo-se que esta gravidade está relacionada à diminuição nos níveis de complemento). Ocasionalmente, também se faz o teste de complemento quando o médico deseja monitorar a atividade atual de seu estado clínico/doença.

  • O que significa o resultado do exame?

    Os níveis de complemento podem estar diminuídos devido a uma deficiência hereditária (relativamente rara) ou devido a aumento do consumo. Uma deficiência hereditária de uma das proteínas do complemento leva, geralmente, a uma alta frequência de infecções microbianas recorrentes ou doença autoimune. Se a deficiência é resultado de uma condição aguda ou crônica subjacente, os níveis de complemento, em geral, irão retornar ao normal se essa condição for resolvida.

    Níveis diminuídos de complemento podem ser observados em:

    Os níveis de proteínas do complemento estão geralmente aumentados, em conjunto com outras proteínas não relacionadas (chamadas de proteínas de fase aguda), durante a inflamação aguda ou crônica. Todas elas, em geral, retornam ao normal quando a condição subjacente é resolvida. Entretanto, as proteínas do complemento são raramente medidas nessas condições, se comparadas com o teste mais solicitado, o da proteína C reativa (PCR). A importância de sua medida nessas situações não é abordada aqui.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Níveis de complemento aumentados e diminuídos não serão capazes de dizer ao médico o que está errado, mas lhe darão uma indicação que o sistema imune está envolvido na sua condição. Os níveis de complemento podem estar aumentados na inflamação, e se elevam antes de outros marcadores, como a velocidade de hemossedimentação (VHS) e a proteína C reativa (PCR).

  • Quais são as outras partes do sistema imune inato?

    Entre elas, temos:

    • O sistema fagocitário (glóbulos brancos, incluindo neutrófilos e monócitos/macrófagos), cuja função é ingerir e digerir microorganismos invasores.
    • Mediadores inflamatórios produzidos por diversas células, incluindo basófilos, mastócitos e eosinófilos.
    • Células exterminadoras naturais ou natural killer (NK), B e T que são linfócitos especializados que matam algumas células tumorais, micro-organismos e células que tenham sido infectadas por vírus.
    • Proteínas de fase aguda e citocinas, que são um grupo de proteínas solúveis que podem provocar alterações no crescimento de muitas células, entre elas os glóbulos brancos que as produzem.
Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Biology of the Immune System [58 paragraphs]. The Merck Manual of Medical Information--Home Edition, Section 16. Immune Disorders, Chapter 167 [On-line information]. Available FTP: http://www.merck.com/mrkshared/mmanual_home/sec16/167.jsp

S4
The Complement System [28 paragraphs]. The Merck Manual of Diagnosis and Therapy, Section 12, Immunology; Allergic Disorders, Chapter 146. Biology Of The Immune System [On-line information]. Available FTP: http://www.merck.com/pubs/mmanual/section12/chapter146/146d.htm

S5
Kovacs, B. (2001 November 17). Complement [15 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003456.htm

S6
Kovacs, B. (2001 October 6, Updated). C4 level [16 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003354.htm

S7
Kovacs, B. (2001 November 17, Updated). Complement component 3 (C3) [14 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003539.htm

S8
(1999 January 29, Updated). How Does the Immune System Work? [13 paragraphs]. National Institute of Allergy and Infectious Diseases, National Institutes of Health [On-line information]. Available FTP: http://www.niaid.nih.gov/publications/autoimmune/work.htm

S9
ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information].
Complement Activity Enzyme Immunoassay, Total.
Complement Component 2.
Complement Component 3.
Complement Component 4.
Complement Component 5.
Complement Factor B.

S10
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp288-289.

S11
Peng, S. (2005 April 20, Updated). Complement component 3 (C3) [16 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Accessed on: 4/10/07 Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003539.htm

S12
Peng, S. (2005 April 20, Updated). Complement [18 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Accessed on: 4/10/07 Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003456.htm

S13
Liszewski, M. K, et. al. (2002 June 7). Innate Immunity: The Complement System [25 paragraphs]. Medscape from ACP Medicine Online. [On-line information]. Accessed on: 4/10/07 Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/534974

S14
(© 2007). Complement Disorders – Complement Activity [4 paragraphs]. ARUP Consult [On-line information]. Accessed on: 4/10/07 Available online

S15
Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. 4th ed. Burtis CA, Ashwood ER, Bruns, D eds. St. Louis: Elsevier Saunders; 2006.

S16
Henry’s Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods. 21st ed. McPherson R, Pincus, M, eds. Saunders Elsevier: 2007.

S17
Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th edition Kasper, Braunwald, Fauci, Hauser, Long, Jameson, eds. McGraw-Hill: 2005.