Também conhecido como
Aldosterona e atividade da renina plasmática
ARP
Nome formal
Aldosterona, soro; Aldosterona, urina; Renina
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
23 de Abril de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se os níveis de aldosterona e renina estão fora do normal.

Quando fazer este exame?

Quando você desenvolve características associadas à produção aumentada de aldosterona, tais como pressão arterial elevada, fraqueza muscular e potássio baixo.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço ou uma amostra de urina de 24 horas. Algumas vezes, também pode ser colhido sangue das veias renais ou adrenais.

É necessária alguma preparação?

Para a determinação da aldosterona e renina plasmáticas, seu médico solicitará que você fique de pé ou deitado por um determinado período de tempo (por exemplo, 15 a 30 minutos) antes de colher o sangue.

O que está sendo pesquisado?What is being tested?

A aldosterona é um hormônio que estimula a retenção de sódio (sal) e a excreção de potássio pelos rins. Desempenha importante papel na manutenção das concentrações de sódio e potássio normais no sangue e no controle do volume sanguíneo e da pressão arterial. A aldosterona é produzida pelo córtex adrenal, a porção mais externa das glândulas adrenais, localizadas no topo de cada rim. Sua produção é normalmente regulada por duas outras proteínas, renina e angiotensina. A renina é liberada pelos rins quando ocorre uma queda da pressão arterial, uma diminuição na concentração de sódio ou um aumento na concentração de potássio. A renina quebra a proteína sanguínea angiotensinogênio para formar a angiotensina I, que então é convertida por uma segunda enzima angiotensina II. Esta provoca a constrição dos vasos sanguíneos e estimula a produção de aldosterona. O efeito final é uma elevação da pressão arterial e a manutenção dos níveis normais de sódio e potássio.

Diversas condições podem levar à superprodução (hiperaldosteronismo) ou à subprodução (hipoaldosteronismo) de aldosterona. Como a renina e aldosterona estão intimamente relacionadas, ambas as substâncias são frequentemente testadas em conjunto para identificar a causa de uma aldosterona anormal.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é retirada com uma agulha de uma veia do braço para medir a aldosterona e/ou a renina. Alguns médicos preferem fazer coleta de urina de 24 horas para aldosterona porque os níveis de aldosterona plasmática podem variar ao longo do dia e são afetados pela posição do corpo. Em alguns casos, o sangue é colhido das veias renais ou adrenais através da inserção de um cateter. Esse procedimento é realizado em um hospital por um radiologista.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Para uma medição da aldosterona e da renina plasmáticas, o médico pode solicitar que você fique em pé ou deitado por um período de tempo (por exemplo, 15 a 30 minutos) antes de colher o sangue.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os exames de aldosterona e renina são utilizados para avaliar se quantidades adequadas de aldosterona estão sendo produzidas e para diferenciar entre as causas potenciais de seu excesso ou deficiência. A aldosterona pode ser medida no sangue ou em uma amostra de urina de 24 horas. A renina é sempre medida no sangue. Esses testes são mais úteis na triagem para o hiperaldosteronismo primário, também conhecido como Síndrome de Conn, que provoca pressão arterial elevada. Se o teste de triagem é for positivo, a produção de aldosterona poderá ser mais bem avaliada pelos exames de estímulo e supressão.

    Ambos os níveis de aldosterona e renina são mais elevados pela manhã e variam ao longo do dia. Eles são afetados pela posição da pessoa, pelo estresse e por vários medicamentos.

  • Quando o exame é pedido?

    A aldosterona e a renina plasmáticas são geralmente solicitadas em conjunto quando um paciente apresenta pressão arterial elevada e potássio baixo. Mesmo que o potássio seja normal, o teste pode ser realizado se os medicamentos comuns não controlam a pressão arterial elevada ou se a hipertensão se desenvolve em uma idade precoce. O aldosteronismo primário é uma forma potencialmente curável de hipertensão, portanto, é importante detectá-lo e tratá-lo adequadamente. Os níveis de aldosterona são ocasionalmente solicitados, em conjunto com outros testes, quando um médico suspeita que o paciente apresente insuficiência suprarrenal.

  • O que significa o resultado do exame?

    A tabela abaixo indica as alterações na renina, aldosterona e cortisol que ocorrem em diferentes distúrbios:

    DOENÇA AldosteronA Cortisol ReninA
    Hiperaldosteronismo primário (Síndrome de Conn) Alta Normal Baixa
    Hiperaldosteronismo secundário Alta Normal Baixa
    Síndrome de Cushing Baixa-normal Alto Baixa
    Insuficiência adrenal (Doença de Addison) Baixa Baixo Alta

    O hiperaldosteronismo primário é provocado pela superprodução de aldosterona pelas glândulas adrenais, geralmente por um tumor benigno de uma das glândulas. O nível de aldosterona elevado aumenta a reabsorção de sódio (sal) e a perda de potássio pelos rins, resultando em um desequilíbrio eletrolítico. Algumas vezes, o hiperaldosteronismo primário é chamado de síndrome de Conn. Sintomas não estão caracteristicamente presentes, embora possa ocorrer fraqueza muscular se os níveis de potássio estão muito baixos. A presença de hipocalemia em uma pessoa com hipertensão sugere a necessidade de se investigar hiperaldosteronismo.

    O hiperaldosteronismo secundário, que é mais comum, pode decorrer de qualquer condição que diminua o fluxo de sangue para os rins, reduza a pressão arterial ou diminua os níveis de sódio. A causa mais importante é o estreitamento dos vasos sanguíneos que suprem os rins, denominado estenose da artéria renal. Isso leva ao aumento da pressão arterial devido a um aumento da renina e da aldosterona, que pode ser tratado com cirurgia ou angioplastia. Algumas vezes, para se verificar se apenas um rim foi afetado, é inserido um cateter na virilha e o sangue é colhido diretamente das veias que drenam dos rins (níveis de renina da veia renal). Se o valor é significativamente elevado de um lado, isso indica onde ocorre o estreitamento da artéria. Do mesmo modo, alguma vezes o sangue pode ser retirado de ambas as veias adrenais para determinar se há uma diferença na quantidade de aldosterona (e, em alguns casos, do cortisol) produzida por cada uma das glândulas adrenais. O hiperaldosteronismo secundário também pode ser visto na insuficiência cardíaca congestiva, na cirrose, na doença renal e na toxemia da gravidez.

    Aldosterona baixa (hipoaldosteronismo), em geral, ocorre como parte da insuficiência suprarrenal, que leva à  desidratação, pressão arterial baixa e níveis diminuídos de sódio e potássio. Em lactentes com hiperplasia adrenal congênita há a ausência de uma enzima necessária para produzir o cortisol, e em alguns casos, isso também diminui a produção de aldosterona. Essa é uma causa rara de aldosterona baixa.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A quantidade de sal na dieta e medicamentos, como analgésicos não esteroidais, vendidos sem prescrição médica (tais como Motrin e Advil), diuréticos (pílulas de água), beta bloqueadores, esteroides, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) e contraceptivos orais podem afetar os resultados do teste. Algumas dessas drogas são utilizadas para tratar a pressão arterial elevada. O médico informará se você deve alterar a quantidade de sódio (sal) na alimentação, o uso de diuréticos e outros medicamentos ou sua rotina de exercícios antes de testar a aldosterona.

    Os níveis de aldosterona se tornam muito baixos com doenças graves, portanto, o teste não deve ser realizado no momento em que a pessoa estiver muito doente. O estresse e o exercício vigoroso podem, temporariamente, aumentar os valores de aldosterona.

  • Há outras precauções que eu deva tomar antes de realizar o exame?

    O alcaçuz pode mimetizar as propriedades da aldosterona e deve ser evitado por, pelo menos, duas semanas antes do teste porque ele pode diminuir os resultados da aldosterona. Isso se refere apenas aos produtos verdadeiros da planta alcaçuz (alcaçuz duro). A maioria do alcaçuz mais macio e outras formas vendidas, na verdade, não contêm alcaçuz. Verifique o rótulo da embalagem se você não estiver certo, ou leve a embalagem com você para perguntar ao médico.

  • Se a minha postura é importante para os resultados do exame, como eu posso controlá-la?

    Será pedido que você chegue um pouco antes do horário do exame, para que possa permanecer deitado ou em pé por tempo suficiente para estabelecer sua posição basal para o teste.

  • Há outras condições associadas a níveis anormais de aldosterona?

    O uso prolongado de esteroides, uma dieta rica em sal, alguns medicamentos para pressão arterial e a doença de Addison podem provocar níveis diminuídos de aldosterona.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas

 

Fontes usadas na revisão atual

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 32-32, 815-819.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 74-79, 946-951.

Holt, E. (Updated 2008 March 18). Aldosterone. MedlinePlus Medical Encyclopedia On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003704.htm. Accessed July 2009.

Mushnick, R. (Updated 2007 October 22). Renin. MedlinePlus Medical Encyclopedia On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003698.htm. Accessed July 2009.

(2008 September). The Hormone Foundation's Patient Guide to Detection, Diagnosis, and Treatment of Primary Aldosteronism. The Hormone Foundation [On-line information]. Available online at http://www.hormone.org/Resources/Patient_Guides/upload/detection-diagnosis-and-treatment-of-primary-aldosteronism-122208.pdf through http://www.hormone.org. Accessed July 2009.

Mayo Clinic Staff (2009 January 6). Primary aldosteronism. MayoClinic.com [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/print/primary-aldosteronism/DS00563/DSECTION=all&METHOD=print through http://www.mayoclinic.com. Accessed July 2009.

Jabbour, S. (Updated 2009 May 21). Conn Syndrome. Emedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/117280-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed July 2009.

(Updated 2009 May). Aldosteronism. ARUP Consult [On-line information]. Available online at http://www.arupconsult.com/Topics/EndocrineDz/Aldosteronism.html through http://www.arupconsult.com. Accessed July 2009.

Fontes usadas em revisões anteriores

The Lippincott Manual of Nursing Practice, 5th ed. Suddarth DS, ed. Philadelphia: J.B. Lippincott Company; 1991: 547-548.

Clinical Chemistry: Principles, Procedures, Correlations. Bishop M, Duben-Engelkirk J, Fody E, eds. 4th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

Clinical Chemistry: Theory, Analysis, and Correlations. Kaplan L, Pesce A, eds. 2nd ed. St. Louis: The C. V. Mosby Company; 1989.

Laurence M. Demers, PhD. Distinguished Professor of Pathology and Medicine, The Pennsylvania State University College of Medicine, The M. S. Hershey Medical Center, Hershey, PA.

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition]. P.63.

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Adrenal venography, Pp 12-14, Aldosterone Pp 35-38, Renin Pp 742-743.

Jain, T. (2004 February 2). Aldosterone. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/print/ency/article/003704.htm.

(© 2005). Aldosterone, Serum and Urine. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available online at http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_al36.jsp through http://www.aruplab.com.

Jain, T. (2004 February 2). Hyperaldosteronism – primary and secondary. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/print/ency/article/000330.htm.