Também conhecido como
Triagem de drogas
Testes de drogas
Testes para uso abusivo de substâncias
Triagem toxicológica
Nome formal
Triagem para drogas de abuso
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 04 de Dezembro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para triagem do uso de drogas, para acompanhamento de alguém com problemas com uso abusivo ou para detectar e avaliar overdose de droga.

Quando fazer este exame?

No processo de admissão de um novo empregado ou para contratação de apólice de seguro. Aleatoriamente em caso de testes para drogas no local de trabalho e em atletas nos programas para detecção de uso,  seguindo mandado judicial, quando indicado por médico para monitoramento de uso abusivo, conhecido ou suspeito, de substâncias, ou sempre que um indivíduo se apresentar com sintomas sugestivos de intoxicação.

Amostra:

Uma amostra aleatória de urina. Algumas vezes, coleta-se uma amostra de sangue venoso do braço. Raramente são usados fios de cabelo, saliva ou suor.

É necessária alguma preparação?

Nenhum preparo é necessário.

O que está sendo pesquisado?

O teste para  drogas de abuso serve para detector uma ou mais substâncias ilegais e/ou legais na urina ou, mais raramente, em sangue, saliva, pelos ou suor. Geralmente envolve um teste inicial de triagem seguido por um segundo teste que identifica e/ou confirma a presença da(s) droga(s). A maioria dos laboratórios utiliza testes comercialmente disponíveis que foram desenvolvidos e aperfeiçoados para triagem na urina das “principais drogas de abuso”.

Na maioria dos testes, os resultados da triagem inicial são comparados com pontos de corte predeterminados. Qualquer valor abaixo é considerado negativo e qualquer valor acima é considerado positivo como resultado da triagem.

Dentro de cada classe de drogas testada é possível haver diversas outras quimicamente semelhantes. Substâncias legais que têm semelhança química com as ilegais podem produzir resultados positivos nos testes de triagem. Portanto, quando estes dão positivo para uma ou mais classes de drogas, geralmente são confirmados por um segundo teste que identifica a substância exata usando um método muito sensível e específico, como cromatografia gasosa/espectrometria de massa (CG/EM).

Algumas das classes de drogas mais frequentemente testadas estão listadas na tabela abaixo.

Classe de droga triada Exemplos de drogas específicas identificadas na confirmação
Anfetaminas Metanfetamina, anfetamina
Barbitúricos Fenobarbital, secobarbital, pentobarbital
Benzodiazepinos Diazepam, lorazepam
Canabinoides Maconha
Cocaína Cocaína e/ou seus metabólitos (benzoilecgonina)
Opiáceos Codeína, morfina, metabólitos da heroína
Fenciclidina (PCP) PCP

Para consultar uma lista mais abrangente de classes de drogas e drogas usadas de forma abusiva, clique aqui.

Substâncias que não são semelhantes às classes definidas podem produzir resultados falso-negativos. Algumas drogas podem ser difíceis de detectar com os ensaios padronizados, seja porque o teste não está preparado para detectar a droga, como ocorre com metilenodioximetanfetamina (MDMA, Ecstasy), oxicodona ou buprenorfina; seja porque a droga não permanece no organismo por tempo suficiente para ser detectada, como ocorre com o gama-hidroxibutirato (GBH).

Nos exames de esportistas para hormônios e esteroides, cada teste realizado é específico para uma substância e pode ser quantitativo. Os atletas, especialmente aqueles de nível nacional ou internacional, são testados para drogas ilegais e para uma longa lista de substâncias proibidas, denominadas "melhoradoras de desempenho".

Os conjuntos de testes para drogas são solicitados por razões médicas ou legais, como parte de iniciativas como “ambiente de trabalho sem drogas” ou como parte de programas de testes para esportistas. Os indivíduos que utilizam essas substâncias as ingerem, inalam, fumam ou injetam em seus organismos. As quantidades absorvidas e os efeitos produzidos dependem do tipo de droga ingerida, interação, pureza e potência, quantidade, frequência, método de ingestão e capacidade individual de metabolização e de excreção.
Algumas drogas podem interferir com a ação ou com o metabolismo de medicamentos, produzindo efeitos aditivos, como quando o indivíduo toma duas drogas que deprimem o sistema nervoso central (SNC), ou competitivos, como quando alguém toma uma droga que deprime o SNC e outra que o estimula. As drogas testadas não são encontradas normalmente no organismo, com exceção de alguns hormônios e esteroides dosados como parte dos testes para esportistas.

Como a amostra é obtida para o exame?

A urina é a mais frequentemente testada, mas outras amostras, como cabelo, saliva, suor e sangue, também podem ser usadas para triagem de drogas, mas não de forma intercambiável com a urina.

A urina e a saliva são coletadas em frascos limpos. A amostra de sangue é colhida em veia do braço. O cabelo é cortado próximo do couro cabeludo. A amostra de suor normalmente é coletada aplicando-se um adesivo à pele por um período específico.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo para o teste.

Accordion Title
Perguntas Frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os testes para drogas podem ser usados de diversas maneiras:

    • Triagem médica
    • Testes para fins legais ou processuais
    • Testes em empregados
    • Testes em atletas/esportistas

    Triagem médica
    A triagem médica para drogas tem como foco principal descobrir que drogas ou combinação dessas o indivíduo consumiu para que possa receber tratamento adequado. O efeito geral sobre cada pessoa depende da resposta do seu organismo às drogas, da quantidade e combinação consumidas e de quando foram tomadas. Por exemplo, o MDMA inicialmente tem efeito estimulante associado a outros psicodélicos, mas também causa depressão do sistema nervoso central (SNC) à medida que é metabolizado e eliminado do organismo. Em muitos casos, as drogas são combinadas e/ou consumidas junto com etanol (álcool). Se alguém consome etanol no mesmo momento terá dois depressores do SNC agindo ao mesmo tempo no seu organismo, que é uma combinação potencialmente perigosa.

    Dentre aqueles com indicação para serem testados para drogas por razões médicas estão:

    • Indivíduos em atendimento de emergência que estejam com quadro agudo e que o médico acredita que possam estar relacionados com drogas: inconsciência, náusea, delírio, pânico, paranoia, aumento da temperatura, dor torácica, insuficiência respiratória, convulsão e/ou cefaleia.
    • Indivíduos em atendimento de emergência participantes de acidente, quando o médico suspeitar que há álcool ou drogas envolvidos.
    • Jovens ou adultos sob suspeita médica de uso de drogas.
    • Indivíduos monitorados por serem notórios consumidores de droga. Aqui estão incluídas drogas legais e ilegais. Os testes podem ser genéricos ou específicos para uma determinada substância.
    • Gestantes em risco de uso abusivo de drogas ou recém-nascidos que apresentam determinadas características ou comportamentos.

    Testes para fins legais ou processuais
    Os testes de drogas para fins legais visam primariamente à detecção de uso de drogas ilegais ou proibidas em diversas situações. Os procedimentos para coleta das amostras para esse tipo de teste são estritamente controlados e documentados para que se mantenha a “cadeia de custódia” legal. O doador fornece a amostra, que deve ser lacrada com selo inviolável na sua presença. Há formulários específicos da cadeia de custódia que devem acompanhar a amostra em todo o processo de testagem. Cada indivíduo que a manuseia e/ou testa apõe sua assinatura e a razão pela qual a amostra foi transferida. Com isso, cria-se um registro permanente de todas as etapas do processo. São exemplos de triagem para uso abusivo de drogas com propósitos legais:

    • Mandados judiciais para testes de drogas geralmente envolvem o monitoramento randômico (aleatório) de alguém que tenha sido condenado por uso de droga ilegal. Esses testes também podem ser ordenados em casos de disputa de custódia para afastar a possibilidade de uso de drogas ilegais por algum dos pais.
    • Os serviços de proteção às crianças algumas vezes requerem monitoramento estendido de pais com problemas notórios com drogas para averiguar se não houve recaída de consumo.
    • Os testes de drogas podem ser realizados por imposição da lei quando há alguém envolvido em acidente no qual haja suspeita de relação com álcool ou drogas.
    • A perícia forense utiliza diversos líquidos e tecidos corporais que podem ser testados para várias drogas durante a investigação de um crime. O objetivo pode ser determinar se as drogas foram um fator contribuinte para um acidente ou um crime, como dirigir sob influência de drogas ou estupro. Os testes também podem ser realizado para determinar se alguém morreu em consequência de overdose de droga ou por qualquer doença relacionada com seu uso.
    • As companhias de seguro podem realizar testes de triagem em seus requerentes. Nestes casos, é possível realizar teste para cocaína e para nicotina, apesar de o tabaco ser uma substância legal.
    • Em algumas escolas há programas com testes aleatórios para drogas. Nestes casos, podem estar incluídos testes para drogas ilegais e, para aqueles que participam de competições esportivas, testes para detectar substâncias melhoradoras de desempenho.

    Testes em empregados
    Esses testes podem ser pré-admissionais, realizados aleatoriamente, após acidentes ou quando o empregador tem uma suspeita razoável de que o empregado está fazendo uso de drogas ilegais. São testados os principais tipos dessas drogas e os exames positivos confirmados por outro método.
    O teste de drogas no trabalho é uma prática comum. Nos EUA eles testes são obrigatórios em algumas indústrias, como aquelas que envolvam o Departamento de Transporte ou serviços públicos federais e aceitos em muitas outras indústrias.

    Assim como ocorre com os testes forenses, a coleta da amostra e os procedimentos de testagem para fins de empregabilidade são estritamente controlados e documentados para que se mantenha uma “cadeia de custódia” legal. Obtém-se uma amostra (geralmente de urina) do empregado em um frasco que é lacrado com selo inviolável na sua presença. Há formulários específicos da cadeia de custódia que devem acompanhar a amostra em todo o processo de testagem e documenta todos que a manipulam e/ou a testam. Com isso, cria-se um registro permanente de todas as etapas do processo.

    Testes em atletas/esportistas
    Embora os testes convencionais também sejam realizados em atletas de competição, o foco principal nesses casos é o dopping – drogas e/ou suplementos utilizados para promover crescimento muscular e/ou aumentar a força e a resistência. Em nível local, os testes em esportistas podem ser limitados, mas em âmbito nacional ou internacional, são realizados com alto grau de organização.

    A agência mundial antidoping (WADA, World Anti-Doping Agency), agências nacionais e a associação internacional de federações de atletismo (IAAF - International Association of Athletics Federations) trabalham em conjunto para monitorar o uso de drogas por atletas nos níveis nacionais, internacional e olímpico. A WADA possui um código escrito que estabelece regras uniformes para testagem de drogas e sanções para todos os esportes e países, além de uma lista de substâncias proibidas. Os atletas são responsáveis por qualquer substância banida encontrada em seu organismo. A maioria dos compostos testados é considerada positiva quando detectada em qualquer quantidade, enquanto outros, como cafeína, são proibidos apenas em grandes quantidades. Algumas substâncias, como esteroides anabolizantes (testosterona) e peptídeos hormonais, como eritropoietina, hormônio do crescimento e fator de crescimento tipo insulina-1, são proibidos, mas é difícil mensurá-los porque são produzidos pelo organismo. Os métodos de testagem devem ser aptos a distinguir entre compostos endógenos (produzidos pelo organismo do atleta) e exógenos.

    Os programas de triagem realizam testes de drogas aleatoriamente fora dos períodos de competição em atletas em fase de treinamento, buscando por esteroides anabolizantes, como testosterona, que estimulam o crescimento muscular. Durante as competições, os testes são realizados frequentemente, tanto de forma aleatória quanto em todos os vencedores e incluem categorias como estimulantes, narcóticos, anabolizantes e peptídeos hormonais. Em esportes como arco e flecha, ginástica e tiro são acrescentados testes para betabloqueadores, proibidos nesses esportes por reduzirem a pressão arterial e a frequência cardíaca.

    Embora existam organizações esportivas profissionais de alguns países que não são abrangidas pelo código da WADA, elas têm programas em curso para testagem de seus atletas para um conjunto de drogas combinando aspectos esportivos e ocupacionais. Os atletas profissionais que participam de Jogos Olímpicos também estão sujeitos aos mesmos testes fora de competição e durante esta que são aplicados aos demais atletas.

  • Quando o exame é pedido?

    O teste de drogas é realizado sempre que médico, empregador, autoridade legal ou organização desportiva necessita determinar se alguém apresenta substâncias ilegais ou proibidas em seu organismo. Os exames podem ser pedidos antes do início de um novo emprego e antes da aprovação de apólices de seguro, aleatoriamente para satisfazer programas de testagem em locais de trabalho e em atletas, em obediência a ordem judicial, seguindo solicitação médica para monitoramento de paciente adicto e sempre que alguém se apresente com sintomas sugestivos de uso de droga.

  • O que significa o resultado do exame?

    Se o resultado do teste inicial de triagem for positivo, significa que o indivíduo possui uma substância em seu organismo que se enquadra em uma das categorias de drogas e que está acima do valor estabelecido para corte. Se a amostra for confirmada como positiva no teste secundário como, por exemplo, positivo para presença de maconha, pode-se afirmar que o indivíduo consumiu aquela droga. Em alguns casos, esse resultado pode estar relacionado a uma janela de tempo no qual o indivíduo terá usado a substância e em determinada quantidade. No entanto, na maioria das vezes, essa informação não é necessária. A interpretação sobre quando e quanto da droga foi consumida pode ser difícil porque a concentração de muitas delas varia, assim como a taxa de metabolismo de um indivíduo para outro.

    Se uma droga, ou drogas, não estiver presente ou estiver abaixo do valor de corte estabelecido, o resultado liberado geralmente é “não detectado” ou “ausente”. Um resultado negativo não necessariamente significa que o indivíduo não tomou a droga em algum momento. Esta pode estar presente abaixo do valor de corte estabelecido, a droga pode já ter sido metabolizada e eliminada do organismo, ou o método de testagem não é capaz de detectar aquela droga em particular e que está presente na amostra.

    O teste na urina demonstra drogas usadas nos últimos dois ou três dias, nos casos de anfetaminas, cocaína e opiáceos. A maconha e seus metabólitos, canabinoides, são detectáveis por várias semanas. As amostras de cabelo, que são testadas na extremidade próxima de sua raiz, refletem drogas utilizadas nos últimos dois a três meses, mas não o que ocorreu nas últimas duas a três semanas – o tempo necessário para o cabelo crescer. Com a saliva são detectadas drogas usadas nas últimas 24 horas. As amostras de suor podem ser colhidas em adesivo absorvente usado por vários dias ou semanas e, dessa forma, indicam consumo de drogas em qualquer momento durante o período de uso. Essas outras amostras são utilizadas com propósitos específicos. Por exemplo, amostras de cabelo podem ser uma alternativa ao teste na urina com objetivos de admissão em emprego ou de avaliação de acidente. A análise do suor pode ser feita para monitoramento com ordem judicial em indivíduos condenados por uso de droga. O sangue é mais usado para testagem de álcool.

    A interpretação dos testes em esportistas para hormônios e esteroides deve ser feita por alguém familiarizado com os métodos utilizados. Um resultado negativo indica que a quantidade da substância presente no organismo é “normal”. Resultados positivos refletem a presença da substância acima e além do que é normalmente produzido pelo organismo no atleta. A situação pode ser complicada pelo fato que cada pessoa possui sua própria concentração basal e produz quantidades variáveis de hormônio e esteroides dependendo das circunstâncias.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Os sintomas associados ao uso abusivo de drogas e à overdose variam entre os indivíduos, a cada episódio e não necessariamente refletem as concentrações da droga no organismo.

    O etanol pode ser medido no sangue e no ar expirado. Esta é a base que sustenta o teste do bafômetro utilizado por determinação legal.

    Para alguns tipos de teste, como os realizados em locais de trabalho, há vários regulamentos desde a forma de coleta até a interpretação e divulgação dos resultados. É importante que o médico solicitante, o representante da lei, o profissional do laboratório criminal, a entidade governamental, o agente de seguros, o empregador e a organização esportiva, assim como o indivíduo sendo testado, compreendam exatamente o que está incluído no teste, como ele será realizado e como os resultados devem ser interpretados. Esse processo está longe de ser tão simples ou direto quanto coletar uma amostra e requisitar “teste de drogas”.

    Alguns medicamentos prescritos ou de venda livre podem provocar resultados positivos no teste de triagem. Sempre que for testado para drogas, o indivíduo deve declarar qualquer medicamento que tenha tomado e/ou para os quais tenha prescrição, a fim de que os resultados possam ser interpretados corretamente. Além disso, as sementes de papoula que não tenham sido lavadas podem causar exame de triagem positivo para opiáceos, quando, por exemplo, são ingeridas em pão ou bolo. Sugere-se evitar esses alimentos caso você venha a ser testado para presença de drogas.

  • Por que na triagem de drogas não são testadas todas as substâncias?

    Os testes de drogas são formatados para utilizações específicas, normalmente, locais de trabalho e testes legais. Alguns laboratórios oferecem mais de um painel para triagem de drogas, ou o médico ou qualquer autoridade competente pode selecionar os testes a serem realizados individualmente.

  • Por que o médico eventualmente solicita teste para uma única droga?

    Se o médico tem fortes suspeitas de que o indivíduo fez uso de uma droga específica ou está monitorando o paciente devido ao uso abusivo prévio daquela substância, ele deve pedir o teste para aquela substância especificamente. Ele também pode solicitar um teste específico quando a droga suspeita não constar do painel de drogas oferecido.

  • Por que testar para uma substância que é considerada legal?

    Uma substância, ainda que legal, pode ser proibida em determinadas circunstâncias. Por exemplo, uma seguradora pode testar um candidato a seguro para a presença de nicotina com o objetivo de confirmar que aquele indivíduo não é fumante. No caso de atletas olímpicos, muitas das substâncias proibidas são legais, mas têm potencial para afetar o desempenho dos atletas. Estes devem ser cautelosos nas escolhas que fazem de medicamentos uma vez que são considerados os responsáveis finais por qualquer substância detectada em seu organismo.

Veja todas as fontes do artigo

Fontes usadas neste artigo

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 892-894.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (© 2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry: AACC Press, Washington, DC. Pp 472-474.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 1237-1517.

(Updated, 2009 April 14). Substance Abuse Problems. U.S. National Library of Medicine, MedlinePlus Health Topics [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/substanceabuseproblems.html through http://www.nlm.nih.gov. Accessed April 2009.

O'Connor, P. (Revised 2008 July). Drug Use and Dependence. The Merck Manual of Healthcare Professionals [On-line information]. Available online at http://www.merck.com/mmpe/sec15/ch198/ch198a.html through http://www.merck.com. Accessed April 2009.

(2008 January 1). The World Anti-Doping Code, 2008 Prohibited List, International Standard. WADA [On-line information]. PDF available for download at http://www.wada-ama.org/rtecontent/document/2008_List_Format_en.pdf through http://www.wada-ama.org. Accessed April 2009.

Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. Burtis CA, Ashwood ER and Bruns DE, eds. 4th ed. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders; 2006, Pp 1317-1351.

Fontes usadas em revisões anteriores deste artigo

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

(2001 March). Drug Abuse: How to Break the Habit. Familydoctor.org [On-line information]. Available online at http://familydoctor.org/x2782.xml?printxml through http://familydoctor.org.

(2000 May 1). An Approach to Drug Abuse, Intoxication and Withdrawal. American Family Physician [On-line journal]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20000501/2763.html through http://www.aafp.org.

NIDA Infofax (2001 November 29). Inhalants. The National Institute on Drug Abuse (NIDA) [On-line serial]. Available online at http://www.nida.nih.gov/Infofax/Inhalants.html through http://www.nida.nih.gov.

Office of the National Drug Control Policy (ONDCP) (1998 June) Rohypnol, NCJ-161843. The National Clearinghouse for Alcohol and Drug Information (SAMHSA) [On-line Fact Sheet]. Available online at http://www.health.org/nongovpubs/ondcp-rohypnol/ through http://www.health.org.

Segura, J. (1999 December 21). Sports Drug Testing, Medical and Regulatory aspects. University of Barcelona Olympic Studies Center [Online-index of articles]. Available online at http://www.blues.uab.es/olympic.studies/doping/segura.htm through http://www.blues.uab.es.

Bureau of Forensic Services (2001). Drug Summaries. Office of the Attorney General State of California Dept of Justice [On-line website information]. Available online at http://caag.state.ca.us/bfs/toxlab/summ.htm through http://caag.state.ca.us.

Bureau of Forensic Services (2001). An Introduction To Gas Chromatography / Mass Spectrometry (GC/MS). Office of the Attorney General State of California Dept of Justice [On-line website information]. Available online at http://caag.state.ca.us/bfs/toxlab/gcms.htm through http://caag.state.ca.us.

Dean, M. (2001 October 25). Why Britain is going Dutch. The Guardian [On-line serial]. Available E-mail: [email protected] Available online at http://www.guardian.co.uk/analysis/story/0,3604,580358,00.html through http://www.guardian.co.uk.

Harrie, D. (2004 January 28). To treat or lock up: Senate backs new drug-offense policy. The Salt Lake Tribune [On-line article]. Available online at http://www.sltrib.com/2004/Jan/01282004/utah/133259.asp?display=print through http://www.sltrib.com.

Downie, A. (2002 January 4). Brazil's drug users will get help, instead of jail. Sweeping new laws are based on the view that drug users need treatment, not criminal punishment. The Christian Science Monitor [On-line serial]. Available online at http://www.csmonitor.com/2002/0104/p7s2-woam.htm through http://www.csmonitor.com.

Reuters (2002 January 2). Florida Reports More Deaths from Oxycontin Abuse. Yahoo News Health Headlines [On-line News Release].

(2003 May 30). Race to develop drug abuse test. BBC News [On-line article]. Available online at http://news.bbc.co.uk/1/hi/health/2946344.stm through http://news.bbc.co.uk.

(2004 February 1). Online drug abuse rife. NEWS.com.au [On-line article]. Available online at http://news.com.au/common/story_page/0,4057,8554330%255E1702,00.html through http://news.com.au.

Locke, J. (2000 July). Alternative Matrices in Drug Testing. Clinical Laboratory Strategies. Available from Jalane: [email protected]

Locke, J. (2000 July). Olympic and Sports Drug Testing. Clinical Laboratory Strategies. Interview with Larry Bowers, Ph.D., Professor and Director of Athletic Drug Testing and Toxicology Laboratory at Indiana University. Available from Jalane: [email protected]

Locke, J. (2002 February). Drug Testing. Clinical Laboratory Strategies. Available from Jalane: [email protected]

Locke, J. (2002 February). Drug Testing – Sidebar on Olympic Drug testing. Clinical Laboratory Strategies. Interview with Don H. Catlin, MD Director of the UCLA Olympic Analytical Laboratory and Lab Director of the Olympic drug lab for the SLC 2002 Olympics. Available from Jalane: [email protected]

Valentine, J. & Kerrigan, S. (2001). Club or Rave Drugs. Manuscript. Available E-mail: [email protected]

Larry A. Broussard, PhD. Clinical Laboratory Sciences, LSU Health Sciences Center, New Orleans, LA.

Donald F. LeGatt PhD, FCACB. Clinical Professor, Clinical Biochemist, Department of Laboratory Medicine and Pathology, University of Alberta Hospital, Edmonton, Alberta.