Also Known As
Polineurite infecciosa
Polineuropatia desmielinizante inflamatória aguda
Paralisia ascendente de Landry
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
04 de Dezembro de 2017.

O que é?


A síndrome de Guillain-Barré é uma doença aguda associada à fraqueza muscular e paralisia. É um distúrbio autoimune em que o sistema imunológico ataca o sistema nervoso, provocando inflamação e destruição das bainhas de mielina, que revestem e conferem isolamento elétrico às fibras nervosas e, às vezes, provoca lesão das próprias fibras. Esse processo de desmielinização dificulta ou interrompe a transmissão de impulsos nervosos, causando formigamento e perda de sensibilidade, que em geral começam nas mãos e nos pés e progridem para o resto do corpo, afetando igualmente os dois lados. A síndrome de Guillain-Barré é uma emergência clínica e deve ser monitorada com cuidado. A fraqueza muscular pode comprometer a respiração, e a frequência cardíaca pode se alterar.

A doença é relativamente rara, mas é a neuropatia inflamatória adquirida e a causa de paralisia aguda mais comum no mundo, afetando cerca de uma a duas pessoas em 100.000. Ocorre em qualquer idade, e na maioria dos casos se resolve espontaneamente, com recuperação completa das funções nervosas e musculares.

A causa precisa não é bem compreendida. O processo autoimune pode ser espontâneo ou desencadeado por doenças ou exposições específicas. Muitos casos são associados a infecções virais ou bacterianas que ocorrem uma a duas semanas antes do início das alterações neurológicas. Foram descritos casos em pessoas com HIV/AIDS, com doenças crônicas, como lúpus eritematoso sistêmico ou linfoma de Hodgkin, e algumas outras doenças malignas, e raramente em pessoas que receberam uma vacina recente, como contra raiva ou gripe suína.

Sinais e sintomas


Os sinais e sintomas progridem geralmente com rapidez. Começam nas mãos e nos pés e se espalham para os braços, as pernas e o tronco. Os sintomas iniciais incluem:

  • Formigamento
  • Perda de sensibilidade
  • Sensibilidade ao tato
  • Fraqueza, especialmente das pernas
  • Espasmos musculares
  • Perda da coordenação muscular
  • Perda de reflexos

Sintomas mais graves, que podem precisar de medidas de emergência:

  • Paralisias
  • Dificuldade de respirar ou de deglutir
  • Frequência cardíaca anormal

Na maioria dos casos, os sintomas se desenvolvem em horas ou dias, e pioram em até um mês, quando começam a desaparecer vagarosamente. Até 30% das pessoas afetadas ainda apresentam alguma fraqueza após três anos, e em alguns ocorrem recidivas após alguns anos.

Exames


A história clínica é importante para o diagnóstico. A apresentação típica é a paralisia ascendente, que começa nas mãos e nos pés. Cerca de 50% dos casos relatam uma infecção recente, como dor de garganta, gripe, resfriado ou diarreia. Alguns exames confirmam o diagnóstico e monitoram a recuperação.

  • Análise do líquido cefalorraquiano – Para detectar aumento de proteínas sem aumento da contagem de leucócitos, característicos da doença.
  • Velocidade de condução nervosa - Eletrodos colocados na pele sobre nervos periféricos medem a velocidade de condução.
  • Eletromiografia - Mede a atividade elétrica dos músculos. Geralmente, é feita em conjunto com a medida da velocidade de condução nervosa.

Algumas variantes da síndrome de Guillain-Barré estão associadas à produção de autoanticorpos antigangliosídeos, que podem ser pesquisados no sangue.

Tratamento


Geralmente, a síndrome de Guillain-Barré tem cura espontânea. Na maioria dos casos, os sintomas se estabilizam ou desaparecem em semanas ou meses. Os objetivos do tratamento são diminuir a gravidade dos sintomas, apressar a recuperação e reduzir complicações. A maioria das pessoas precisa ser hospitalizada para monitoração e cuidados de apoio. Muitos pacientes também precisam de assistência ventilatória.

Dois tratamentos são usados no início da doença para diminuir a ação dos anticorpos sobre a bainha de mielina. A plasmaférese, processo de remoção do plasma sanguíneo mantendo as células, reduz a quantidade de anticorpos circulantes. Também são benéficas infusões intravenosas de imunoglobulinas em doses altas.

Durante a fase de recuperação, é importante fazer fisioterapia para melhorar a força muscular.

Páginas relacionadas


Neste site
Exames: análise do líquido cefalorraquiano
Estados clínicos/Doenças: distúrbios autoimunes

Em outros sites da Internet
MedlinePlus: Guillain-Barre Syndrome
The National Institute for Neurological Diseases and Stroke: Guillain-Barre Information Sheet
American Autoimmune Related Diseases Association

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

Fontes usadas na revisão atual

(Updated 2010 May 6). Guillain-Barré Syndrome Fact Sheet. National Institute of Neurological Disorders and Stroke [On-line information]. Available online at http://www.ninds.nih.gov/disorders/gbs/detail_gbs.htm through http://www.ninds.nih.gov. Accessed October 2010.

Mayo Clinic staff (2009 May 30). Guillain-Barre syndrome. MayoClinic.com [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/print/guillain-barre-syndrome/DS00413/DSECTION=all&METHOD=print through http://www.mayoclinic.com. Accessed October 2010.

Dowshen, S. (Reviewed 2009 October). Guillain-Barré syndrome. TeensHealth from Nemours [On-line information]. Available online at http://kidshealth.org/teen/diseases_conditions/bones/gbs.html through http://kidshealth.org. Accessed October 2010.

Davids, H. (Updated 2010 March 29). Guillain-Barre Syndrome. eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/315632-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed October 2010.

Miller, A. et. al. (Updated 2010 April 23). Guillain-Barre Syndrome. eMedicine Emergency Medicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/792008-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed October 2010.

Rubin, M. (Revised 2008 February). Guillain-Barré Syndrome (GBS) Merck Manual for Healthcare Professionals [On-line information]. Available online at http://www.merck.com/mmpe/sec16/ch223/ch223c.html?qt=guillain-barre&alt=sh through http://www.merck.com. Accessed October 2010.

(2010 June 4) Preliminary Results: Surveillance for Guillain-Barré Syndrome After Receipt of Influenza A (H1N1) 2009 Monovalent Vaccine --- United States, 2009—2010. CDC Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR) 59(21);657-661 [On-line information]. Available online at http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm5921a3.htm through http://www.cdc.gov. Accessed October 2010.

Kasper DL, Braunwald E, Fauci AS, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL eds, (2005) Harrison's Principles of Internal Medicine, 16th Edition, McGraw Hill, Pp 2513-2516.

Fontes usadas em revisões anteriores

(2006 July 12, Updated). Guillain-Barre Syndrome Fact Sheet. NINDS [On-line information]. Available online at http://www.ninds.nih.gov/disorders/gbs/detail_gbs.htm through http://www.ninds.nih.gov.

(2006 April 28). Guillain-Barre syndrome. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000684.htm.

(2005 May 31). Mayo Clinic. Guillian- Barre Syndrome. Available online at http://www.mayoclinic.com/health/guillain-barre-syndrome/D500413 through http://www.mayoclinic.com.