Também conhecido como
[Muitas vezes referido pelo nome da marca (veja em MedlinePlus Drug Information)]
Nome formal
Digoxina
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
21 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se a concentração de digoxina no sangue está em nível terapêutico ou para detectar níveis tóxicos do fármaco (medicamento).

Quando fazer este exame?

Após o início da terapêutica com digoxina e, periodicamente, para assegurar que os níveis do fármaco estão dentro do intervalo terapêutico (não baixo, muito baixo, ou alto demais a ponto de ser tóxico).

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Não é necessário preparo especial, mas o horário da coleta da amostra é importante. Durante a coleta, informe à pessoa que está retirando a amostra quando você tomou a última dose de digoxina.

O que está sendo pesquisado?

Digoxina é um medicamento utilizado para tratamento da insuficiência cardíaca e ritmos cardíacos irregulares. A insuficiência cardíaca, incluindo insuficiência cardíaca congestiva (ICC), faz com que o coração se torne menos efetivo na circulação sanguínea. Como resultado, o sangue retorna às pernas, mãos, pés, pulmões e fígado, provocando edema, falta de ar e fadiga. Este teste mede a quantidade de digoxina no sangue.

A digoxina é prescrita para aliviar alguns sintomas da insuficiência cardíaca. Ela fortalece as contrações do coração e auxilia a bombear o sangue com mais eficácia. Também ajuda a controlar a frequência cardíaca e os ritmos cardíacos irregulares, conhecidos como arritmias. Ela não vai curar a insuficiência cardíaca ou as arritmias, que são doenças/estados clínicos crônicos, mas pode ajudar a controlar os sintomas, em conjunto com a dieta, exercícios e outros medicamentos.

Os níveis de digoxina devem ser monitorados porque o fármaco (medicamento) tem um intervalo de segurança estreito. Se os níveis sanguíneos forem muito baixos, os sintomas podem reaparecer. Se os níveis forem altos demais, pode ocorrer toxicidade. A dose de digoxina pode ser ajustada com base nos níveis medidos.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo uma agulha no braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessário preparo especial, mas o horário da coleta é importante. O sangue deve ser colhido algumas horas após a última dose de digoxina. Durante a coleta da amostra informe o horário em que tomou a última dose do medicamento. O técnico do laboratório pode precisar dessa informação e anotar também a hora exata em que colheu sangue.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O teste de digoxina é utilizado para monitorar a concentração do fármaco (medicamento) no sangue. A dose de digoxina prescrita pode ser ajustada dependendo do nível medido. O médico poderá solicitar um ou mais desse teste quando o indivíduo inicia o tratamento, para determinar se a dose inicial está dentro do intervalo terapêutico e, então, pedi-lo periodicamente para garantir que o nível terapêutico seja mantido. O teste de digoxina também pode ser usado para determinar se os sintomas do paciente são consequência da quantidade insuficiente de medicamento ou de intoxicação por ele.

  • Quando o exame é pedido?

    O médico irá solicitar o teste para medida de digoxina no início da terapia medicamentosa de modo a assegurar uma dosagem correta. A digoxina leva aproximadamente de uma a duas semanas para atingir um nível constante no sangue e no órgão alvo, o coração. O teste irá refletir, com mais precisão, se a pessoa está recebendo a quantidade correta de digoxina naquele momento.

    Uma vez que é determinado o nível da dose, o monitoramento de rotina dos níveis de digoxina, na periodicidade estabelecida pelo médico, vai assegurar a dose correta.

    O teste de digoxina pode ser feito quando há suspeita que os níveis estejam muito baixos em um indivíduo que esteja tomando a medicação e apresente sintomas de insuficiência cardíaca, como:

    • Fadiga
    • Falta de ar
    • Inchaço nas mãos e pés (edema)

    O médico pode pedir o teste se suspeitar que há intoxicação e que o paciente apresenta sinais e sintomas como:

    • Tonturas
    • Visão turva ou visão de halos amarelos ou verdes
    • Vômitos
    • Diarreia
    • Batimento cardíaco irregular
    • Falta de ar
    • Perda de apetite

    Alterações no estado de saúde podem afetar os níveis de digoxina e sua capacidade de controlar os sintomas. Deve ser feito o teste e ajustada a dose, se for necessário, quando o indivíduo apresenta alterações fisiológicas que afetam os níveis no sangue e a efetividade da digoxina. Por exemplo: problemas nos rins ou tireoide, câncer, ou doença estomacal ou intestinal.

  • O que significa o resultado do exame?

    Para a insuficiência cardíaca congestiva, o intervalo ideal de quantidade de digoxina no sangue, conhecido como intervalo terapêutico, pode variar entre 0,5 e 0,8 ng/mL. Se o paciente estiver tomando o medicamento por causa de batimento cardíaco irregular, provavelmente seus níveis sanguíneos estarão entre 1,5 e 2,5 ng/mL. A maioria das pessoas relata melhora dos sintomas quando os níveis de digoxina estão entre esses intervalos.

    Cada pessoa tem uma resposta individual ao medicamento e outros fatores, como função renal ou medicamentos concomitantes, podem estar envolvidos. Se os sintomas não melhorarem ou se o paciente apresentar efeitos colaterais, o médico pode ajustar a dose de digoxina para cima ou para baixo, dependendo da necessidade.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Quando o médico prescreve digoxina, o paciente deve conversar com ele sobre todos os medicamentos com receita e de venda livre, suplementos alimentares e remédios à base de plantas que esteja tomando. Eles podem afetar o nível sanguíneo de digoxina e sua efetividade.

    Os medicamentos com receita que podem interagir com a digoxina incluem: quinidina, flecainida, verapamil, amiodarona, antifúngicos azóis (entre eles, itraconazol, cetoconazol), ciclosporina, lapatinib, antibióticos macrolídeos (como claritromicina, eritromicina), propafenona, ranolazina, rifampicina e ciprofloxacina. Remédios à base de plantas, como erva de São João, espirradeira e lírio do vale, podem afetar os níveis de digoxina no sangue. O mesmo pode ocorrer quando se ingere alcaçuz.

    A digoxina é, principalmente, eliminada do organismo pelos rins. Se o indivíduo apresentar problemas renais, o médico pode querer monitorar a função renal e os níveis sanguíneos de potássio, uma vez que a disfunção renal e baixos níveis de potássio podem levar a sintomas de intoxicação por digoxina.

    A intoxicação por digoxina pode se agravar pelas quantidades de potássio e magnésio, então o médico pode monitorar eletrólitos e outros íons além do magnésio.

    Em casos em que são encontrados níveis tóxicos de digoxina, devem ser administrados antissoros antidigoxina para reverter os efeitos do fármaco.

  • Por quanto tempo tenho que tomar digoxina?

    A digoxina é prescrita para o tratamento da insuficiência cardíaca, uma doença/estado clínico crônica de longo prazo. Ela não cura a insuficiência cardíaca, mas ajuda a controlá-la. É preciso tomar digoxina — e realizar testes de monitoramento de seus níveis sanguíneos — por toda a vida.

  • Quem pede os testes de digoxina?

    O médico clínico pode fazer isso, mas o cardiologista também pode querer monitorar os níveis de digoxina no sangue.

  • Por que é importante que eu faça a coleta do sangue para o teste de digoxina em um horário determinado?

    O horário do teste sanguíneo de digoxina é importante porque se a amostra for coletada logo após a administração da dose, os resultados podem estar erroneamente elevados e mostrarão níveis tóxicos, quando não é o caso. Muitas vezes, a amostra de sangue deverá ser coletada imediatamente antes da administração da próxima dose.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
A Manual of Laboratory & Diagnostic Tests. 6th ed. Fischbach F, ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

S2
Clinical Chemistry: Principles, Procedures, and Correlations. Bishop M, Duben-Engelkirk J, Fody E, eds. 4th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2000.

S3
Sacher RA, McPherson RA, Campos J. Widmann’s Clinical Interpretation of Laboratory Tests. 11th ed. Philadelphia: F.A. Davis Company; 2000.

S4
Goodman & Gilman's The Pharmacological Basis Of Therapeutics. 11th Edition. Lazo J, Goodman L S, Parker K L, eds, McGraw-Hill, September 2005.

S5
National Heart, Lung, and Blood Institute, (September 2003). Heart and Vascular Diseases: Heart Failure: Summary page (On line information). Available at: http://www.nhlbi.nih.gov/health/dci/Diseases/Hf/HF_All.html

S6
Terra, S G, Washam J B, Dunham, G D, and Gattis W A, (Oct 1999). Therapeutic Range of Digoxin’s Efficacy in Heart Failure: What Is the Evidence? Pharmacotherapy, 19(10):1123-1126, (On line journal). Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/418044

S7
Gibbs C R, Davies M K Davies, Lip G Y H, (Feb 2000). Management: Digoxin and other inotropes, Beta-blockers, and antiarrhythmic and antithrombotic treatment, BMJ. 320(7233): 495–498. (PDF file). Availalbe at: http://www.pubmedcentral.gov/articlerender.fcgi?tool=pmcentrez&artid=1127534

S8
Mihai Gheorghiade, MD; Kirkwood F. Adams, Jr, MD; Wilson S. Colucci, MD (2004). Digoxin in the Management of Cardiovascular Disorders, Circulation; 109:2959-2964 (On line journal). Available online

S9
Rich, M. (2003 September). Drug Therapy of Heart Failure in the Elderly. Am J Geriatr Cardiol 12(4):235-242 (On line journal). Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/460844

S10
Yusuf, S (November 1997). Digoxin in heart failure: results of the recent digoxin investigation group trial in the context of other treatments for heart failure Eur Heart J, 18: 1685-1688. (PDF file). Available online

S11
The Digitalis Investigation Group, (February 1997). The Effect Of Digoxin on Mortality and Morbidity in Patients with Heart Failure, NEJM volume 336:525-533 (On line journal). Available online: http://content.nejm.org/cgi/content/full/336/8/525

S12
Catherine A. Hammett-Stabler, PhD, DABCC, FACB. Pathology and Laboratory Medicine, UNC-Chapel Hill.