Também conhecido como
Cetonas no soro
Cetonas no plasma
Beta-hidroxibutirato
Corpos cetônicos
Ácido beta-hidroxibutírico
Acetoacetato
Ácido acetoacético
Acetona
Nome formal
Cetonas no sangue
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 27 de Setembro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se há excesso de cetonas no sangue, para detectar cetoacidose diabética.

Quando fazer este exame?

Quando há sintomas associados a cetoacidose.

Amostra:

Uma amostra de sangue obtido de uma veia do braço ou de uma picada em um dedo.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma

O que está sendo pesquisado?

Esse exame mede a quantidade de cetonas no sangue. Cetonas, ou corpos cetônicos, são subprodutos do metabolismo das gorduras. São produzidas quando não há glicose suficiente como fonte de energia para as células do corpo. Quando os ácidos gordurosos são metabolizados, as cetonas se acumulam no sangue, causando em primeiro lugar cetose, que progride para cetoacidose, uma forma de acidose metabólica. A cetoacidose é vista com maior frequência no diabetes do tipo 1 não controlado, e pode ser uma emergência clínica.

Há três corpos cetônicos: acetoacetato, acetona e beta-hidroxibutirato, uma forma reduzida do acetoacetato. O beta-hidroxibutirato é a cetona predominante na cetoacidose diabética avançada. Métodos diferentes de medida de cetonas no sangue medem uma ou mais forma de cetona, e os resultados não são correspondentes.

Os exames do sangue mostram o estado do acúmulo de cetonas no momento da colheita da amostra, ou seja, um estado recente mas não o atual. O exame na urina é muito mais comum que o exame no sangue. Pode ser feito isolado, com uma pesquisa de glicose na urina, ou como parte de uma urinálise. Os métodos na urina medem o acetoacetato ou o acetoacetato e a acetona, mas não detectam o beta-hidroxibutirato.

As cetonas no sangue podem ser medidas em um laboratório ou com um monitor portátil. O exame feito no laboratório usa soro, a parte líquida do sangue coagulado, e em geral mede apenas o acetoacetato. O beta-hidroxibutirato pode ser pedido como um exame de sangue separado.

Quando é usado sangue total de uma picada em um dedo para medir cetonas com um monitor portátil, este mede o beta-hidroxibutirato. Esse exame pode ser feito à beira do leito no hospital ou no setor de emergência, no consultório do médico ou na casa do paciente.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo uma agulha em uma veia do braço ou em uma punção em um dedo.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessário.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    As cetonas no sangue são usadas principalmente para pesquisar, detectar ou monitorar cetoacidose em pessoas com diabetes do tipo 1 e, algumas vezes, com diabetes do tipo 2. Cetoacidose pode ocorrer com aumento da glicemia em diabéticos com doenças, infecções graves, gravidez e diversos outros estados clínicos.

    A cetoacidose diabética pode ocorrer com hiperglicemia aguda, deficiência de insulina no sangue e distúrbio do equilíbrio ácido-base. O excesso de glicose e de cetonas é eliminado pelos rins na urina. Isso causa aumento do volume urinário, sede, desidratação e perda de eletrólitos. A pessoa pode apresentar sintomas como respiração rápida, falta de ar, hálito com odor de frutas, náuseas, vômitos, fadiga, confusão, podendo evoluir para coma.

    Cetose e cetoacidose podem também ser observadas com inanição, alcoolismo e com dietas com muito gordura e pouco carboidrato. Pode ser induzida de propósito em algumas crianças com epilepsia e convulsões frequentes que não respondem aos tratamentos comuns.

    As cetonas no sangue são algumas vezes usadas com outros exames, como gasometria, glicose e eletrólitos, para detectar cetoacidose em não diabéticos que têm sinais e sintomas de cetoacidose devidos a, por exemplo, ingestão excessiva de álcool.

  • Quando o exame é pedido?

    As cetonas no sangue podem sem pedidas quando um diabético tem sintomas associados a cetoacidose diabética ou quando há a possibilidade de desenvolver cetoacidose, como quando o diabético tem uma doença ou gravidez. Com a disponibilidade de monitoração em casa, as cetonas podem ser medidas com a frequência que o médico aconselhar. Alguns sinais e sintomas de cetoacidose incluem:

    • Aumento do volume urinário, sede excessiva.
    • Desidratação, perda de eletrólitos.
    • Respiração rápida, falta de ar.
    • Hálito com odor de frutas.
    • Nauseas, vômitos.
    • Fadiga.
    • Confusão.
    • Algumas vezes, coma.

    Em não diabéticos, as cetonas no sangue são pedidas quando o paciente tem sintomas associados e cetose ou cetoacidose.

  • O que significa o resultado do exame?

    A pessoa tem algum grau de cetose ou cetoacidose se as concentrações de cetonas estiverem aumentadas . Se estiverem normais ou baixas, não há uma produção excessiva de cetonas ou o tipo de cetona elevado não é detectado pelo método usado.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Estudos recentes mostraram que as medidas de acetoacetato e de beta-hidroxibutirato têm a mesma eficácia para detectar cetoacidose diabética. Alguns médicos preferem o beta-hidroxibutirato, mas o método não está disponível em todos os laboratórios.

  • Em diabéticos, a medida da glicose substitui a medida de cetonas?

    São exames relacionados mas diferentes. Aumentos das cetonas estão associados a níveis altos de glicose, mas podem também ocorrer com níveis moderados em muitas situações, como quando o diabético tem uma doença intercorrente.

  • O exame na urina substitui o exame no sangue?

    Em muitos casos, sim, a urina é testada com maior frequência que o sangue. Entretanto, como o exame na urina não detecta o beta-hidroxibutirato, a principal cetona na cetoacidose diabética, o médico pode preferir monitorar o sangue.

  • Eu posso ter cetoacidose diabética sendo diabético do tipo 2?

    Sim, embora ela não seja tão comum como no diabetes do tipo 1, pode ocorrer com infecções ou doenças graves.

  • Eu posso ter cetose ou cetoacidose e não saber?

    Você pode ter algum grau de cetose com poucos sintomas, mas estes aumentam com a elevação dos níveis de cetonas.

Páginas relacionadas

Neste site

Exames relacionados: Cetonas na urina (veja urinálise, exame químico); gasometria; glicose

Você estava procurando cetonas na urina? Essa pesquisa é mais comum que a no sangue, e pode ser feita como parte da urinálise.

Estados Clínicos/Doenças: Diabetes, acidose/alcalose, epilepsia

Em outros sites da Internet

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 972-973.

Hurd, R. (Updated 2007 October 31). Serum ketones. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003498.htm. Accessed February 2009.

Holt, E. (Updated 2008 June 17). Diabetic Ketoacidosis MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000320.htm. Accessed February 2009.

Mayo Clinic Staff (2008 February 9). Diabetic ketoacidosis. MayoClinic.com [On-line information]. Available online at http://www.mayoclinic.com/print/diabetic-ketoacidosis/DS00674/DSECTION=all&METHOD=print through http://www.mayoclinic.com. Accessed February 2009.

Hamdy, O. (Updated 2008 July 14). Diabetic Ketoacidosis eMedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/118361-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed February 2009.

Trachtenbarg, D. (2005 May 1). Diabetic Ketoacidosis. American Family Physician [On-line information]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20050501/1705.html through http://www.aafp.org. Accessed February 2009.

Sheikh-Ali, M. et. al. (2008 January). Can Serum _-Hydroxybutyrate Be Used to Diagnose Diabetic Ketoacidosis? Diabetes Care 31:643-647, 2008 [On-line information]. Available online at http://care.diabetesjournals.org/cgi/content/full/31/4/643 through http://care.diabetesjournals.org. Accessed February 2009.

Rose, K. and Collins, K. (2008 December 1). Vitreous Postmortem Chemical Analysis. CAP NewsPath [On-line information]. Available online through http://www.cap.org. Accessed February 2009.

(Updated 2008 December 30). Siezures and Epilepsy, Hope Through Research. NINDS [On-line information]. Available online at http://www.ninds.nih.gov/disorders/epilepsy/detail_epilepsy.htm through http://www.ninds.nih.gov. Accessed February 2009.

Rho, J. (Updated 2009 February 19). The Ketogenic Diet in Pediatric Epilepsy. The Charlie Foundation [On-line information]. Available online at http://www.charliefoundation.org/frames/diet/overview.php through http://www.charliefoundation.org. Accessed February 2009.

(2006 July). Answering your questions, Serum acetone testing. [On-line information]. PDF available for download at http://www.mlo-online.com/articles/0706/0706tips%20.pdf through http://www.mlo-online.com. Accessed February 2009.

(Modified 2008 August 11). Ketone Testing. Children’s Physician Network [On-line information]. Available online at http://www.cpnonline.org/CRS/CRS/pa_ketone_pep.htm through http://www.cpnonline.org. Accessed February 2009.

Wallace, T. and Matthews, D. (2004). Recent advances in the monitoring and management of diabetic ketoacidosis. QJM 2004 97(12):773-780. Available online at http://qjmed.oxfordjournals.org/cgi/content/full/97/12/773 through http://qjmed.oxfordjournals.org. Accessed February 2009.