Nome formal
Cultura para Neisseria gonorrhoeae; Coloração de Gram para Neisseria gonorrhoeae; Pesquisa de DNA de Neisseria gonorrhoeae; PCR para Neisseria gonorrhoeae
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
19 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para triagem e diagnóstico de infecção por Neisseria gonorrhoeae

Quando fazer este exame?

Triagem: pode ser recomendada para mulheres grávidas ou que pretendem engravidar, e pessoas sexualmente ativas com risco de doenças transmitidas sexualmente.

Diagnóstico: pessoas com sintomas de gonorreia, como corrimento uretral ou vaginal, e conjuntivite em recém-nascidos.

Amostra:

Um suabe de secreção ou corrimento da área infectada ou uma amostra de primeiro jato de urina.

É necessária alguma preparação?

O uso de antibióticos e, em mulheres, duchas ou cremes vaginais nas 24 horas que precedem a colheita podem afetar os resultados. O laboratório pode pedir que a colheita de amostras de urina seja feita após uma ou duas horas da última micção. Siga as instruções do laboratório.

O que está sendo pesquisado?

Gonorreia é a infecção pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, uma das doenças transmitidas sexualmente mais comuns no mundo. A Organização Mundial de Saúde calcula no mundo todo 62 milhões de casos por ano. No Brasil, o Ministério da Saúde estimou, em 2003, cerca de 1,5 milhão de casos por ano.

A transmissão em geral ocorre por contato sexual vaginal, oral ou anal com um parceiro infectado. Em relações vaginais com parceiros contaminados, homens têm um risco de infecção de 20%, e mulheres, de 60% a 80%. Mães infectadas podem transmitir a doença para os bebês durante o nascimento. A doença não se transmite por roupas ou objetos contaminados.

A maioria dos homens infectados apresenta secreção uretral purulenta com dor e queimação durante a micção. A infeção uretral pode se estender para a próstata e o epidídimo, com risco de infertilidade permanente.

Apenas cerca de metade das mulheres infectadas apresenta sintomas, como corrimento vaginal, dor abdominal e dor durante relações sexuais. A infecção pode se estender para o útero e as trompas e causar anormalidades menstruais e infertilidade.

Bebês infectados durante o nascimento desenvolvem conjuntivite e, em alguns casos, pneumonia.

Cerca de 1% dos homens e mulheres infectados com gonorreia podem apresentar sinais de infecção disseminada, como febre, lesões de pele, dores articulares (artrite gonocócica), endocardite e meningite.

O tratamento da gonorreia é feito com antibióticos. Algumas cepas de meningococo são resistentes a cefalosporinas. Quando os sintomas não desaparecem com o tratamento, podem ser indicados exames adicionais (cultura ou testes moleculares) para confirmar a cura e testes de sensibilidade aos antibióticos (TSA).

Como a amostra é obtida para o exame?

As amostras são colhidas dos locais infectados: uretra, pênis, ânus, garganta, vagina, colo uterino ou urina. Podem ser colhidas amostras de diversos lugares para aumentar a probabilidade de identificar a bactéria.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Os resultados podem ser afetados pelo uso de antibióticos e, em mulheres, pela aplicação de duchas ou cremes vaginais nas 24 horas que precedem a colheita. O laboratório pode pedir que a colheita de amostras de urina seja feita após uma ou duas horas da última micção. Siga as instruções fornecidas.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os exames para gonorreia são usados para:

    • Pesquisa da causa de sintomas.
    • Triagem de pessoas sexualmente ativas.
    • Documentação de pessoas que sofreram abusos sexuais.

    Um diagnóstico definitivo é importante porque outras infecções, especialmente clamídia, podem causar sintomas semelhantes, mas precisam de tratamento diferentes. Como são duas infecções comuns com sintomas parecidos, com frequência os exames para gonorreia e para clamídia são feitos em conjunto.

    O método mais simples para diagnóstico de gonorreia é o exame microscópico de uma secreção com a coloração de Gram. A observação de bactérias características confirma a infecção. A cultura é mais sensível que o exame microscópico, especialmente quando não há secreção a ser examinada, e permite que seja feito um teste de sensibilidade aos antibióticos. Recentemente, foram desenvolvidos exames que pesquisam o DNA bacteriano (reação em cadeia de polimerase – PCR) em diversos tipos de amostra. A sensibilidade desse método é superior à da cultura.

  • Quando o exame é pedido?

    Os exames para gonorreia são pedidos para pessoas com sintomas sugestivos da infecção. Entretanto, como muitas pessoas infectadas não têm sintomas, diversas autoridades publicaram recomendações de triagem de pessoas assintomáticas baseadas em critérios de risco.

    Esses critérios variam mas, em geral, incluem mulheres sexualmente ativas com menos de 25 anos de idade, ou com parceiros novos ou múltiplos.

    Outros fatores de risco:

    • Pessoas que tiveram gonorreia antes.
    • Pessoas com outras doenças transmitidas sexualmente.
    • Parceiros múltiplos.
    • Uso inconsistente de preservativos.
    • Praticantes de sexo comercial.
    • Usuários de drogas ilegais.
    • Relações sexuais iniciadas no princípio da adolescência.
    • Presidiários.
    • Homens que fazem sexo com outros homens.

    Em mulheres grávidas, é recomendada a triagem na primeira visita pré-natal, com repetição em 3 a 6 meses nos casos positivos. (veja Triagem no pré-natal e na gravidez.)

    A pesquisa de gonorreia e de clamídia deve ser feita em recém-nascidos com sinais de conjuntivite.

  • O que significa o resultado do exame?

    Resultado positivo indica infecção ativa, que deve ser tratada com antibióticos.

    Resultado negativo significa que não há evidências de infecção no momento. É importante que pessoas com risco aumentado sejam testadas regularmente, para detectar uma possível exposição.

    Parceiros de pessoas infectadas também devem ser examinados e, se necessário, tratados.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Pessoas infectadas com gonorreia têm um risco maior de contrair outras doenças transmitidas sexualmente, incluindo HIV.

  • Quanto tempo demoram os resultados?

    Em geral, resultados de culturas e de PCR demoram de três a cinco dias. A coloração de Gram pode ser feita imediatamente, mas os resultados são menos confiáveis.

  • Como se pode evitar a gonorreia?

    O modo mais confiável de evitar a gonorreia e outras doenças transmitidas sexualmente é se abster de sexo vaginal, oral ou anal, ou manter relações monogâmicas (com apenas um parceiro) com pessoa não infectada. Quem tem atividade sexual deve usar preservativos em todas as relações para evitar a transmissão de doenças.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Sources Used in Current Review

(July 7, 2009) Schwartz R, Kapila R. eMedicine: Gonococcemia. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/1055007-overview through http://emedicine.medscape.com. Accessed July 2009.

ARUP Consult. Sexually Transmitted Infections. Available online at http://www.arupconsult.com/Topics/InfectiousDz/Bacteria/STIs.html# through http://www.arupconsult.com. Accessed May 2009.

MedlinePlus Medical Encyclopedia: Gonorrhea. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/007267.htm. Accessed July 2009.

Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp 1560-1561.

American Social Health Association: Gonorrhea, Fast Facts. Available online at http://www.ashastd.org/learn/learn_gonorrhea_fact.cfm through http://www.ashastd.org. Accessed May 2009.

Planned Parenthood: Gonorrhea. Available online at http://www.plannedparenthood.org/health-topics/stds-hiv-safer-sex/gonorrhea-4269.htm through http://www.plannedparenthood.org. Accessed May 2009.

Quest Diagnostics Patient Health Library: Gonorrhea Test. Available online at http://www.mylabisquest.com/kbase/topic/medtest/hw4905/descrip.htm through http://www.mylabisquest.com. Accessed May 22 2009.

Sources Used in Previous Reviews

National Institute of Allergy and Infectious Diseases website information. Available online at http://www.niaid.nih.gov/factsheets/stdgon.htm through http://www.niaid.nih.gov.

Centers for Disease Control and Prevention website information. Available online at http://www.cdc.gov/std/Gonorrhea/STDFact-gonorrhea.htm through http://www.cdc.gov.

Arnot Ogden Medical Center website information. Available online at http://www.aomc.org/Gonorrhea.html through http://www.aomc.org.

Centers for Disease Control and Prevention. Sexually transitted diseases treatment guidelines 2002. MMWR 2002;51 (No. RR-6) [32-41].