Nome formal
Progesterona
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 03 de Outubro de 2017.
De relance
Por que fazer este exame?

Para ajudar a determinar a causa de infertilidade, rastrear a ovulação, ajudar a diagnosticar gravidez ectópica ou perda de gravidez, monitorar a saúde da gestação e ajudar a diagnosticar a causa de sangramento anormal do útero.

Quando fazer este exame?

Em momentos específicos do ciclo menstrual, para determinar se/quando a paciente está ovulando. No início da gestação, se os sintomas sugerirem gravidez ectópica ou risco de interrupção. Ao longo da gravidez, para auxiliar no acompanhamento da saúde do feto e da placenta. Nos casos em que ocorre sangramento anormal do útero.

Amostra:

Amostra de sangue retirada de veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Não é necessário nenhum preparo para este teste.

O que está sendo pesquisado?

Este teste mede o nível da progesterona no sangue, um hormônio esteroide cujo papel principal é ajudar a preparar o organismo feminino para a gravidez. A progesterona age em conjunto com diversos outros hormônios femininos.

Mensalmente, o estrogênio induz o endométrio (o revestimento do útero) a crescer e regenerar-se, enquanto uma onda de hormônio luteinizante (LH) leva à liberação de um óvulo de um dos ovários. Forma-se, então, o corpo lúteo no ovário, no local de onde o óvulo foi liberado, o qual começa a produzir progesterona. Este hormônio, suplementado por pequenas quantidades produzidas pela suprarrenal, interrompe o crescimento do endométrio e prepara o útero para a possível implantação do óvulo fertilizado.

Se não ocorrer fertilização, o corpo lúteo degenera, o nível de progesterona cai e inicia-se o sangramento menstrual. Se houver implantação de óvulo fertilizado no útero, o corpo lúteo se mantém para produzir progesterona. Após algumas semanas, a placenta irá substituir o corpo lúteo como fonte principal de progesterona, produzindo quantidades relativamente grandes do hormônio ao longo da gravidez.

Como a amostra é obtida para o exame?

Obtém-se a amostra de sangue em veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessário nenhum preparo para este teste.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Como os níveis de progesterona variam de forma previsível ao longo do ciclo menstrual, podem ser usadas dosagens seriadas para ajudar a identificar e tratar algumas causas de infertilidade. A progesterona pode ser dosada para determinar se a paciente ovulou ou não e para monitorar o sucesso na indução da ovulação.

    No início da gravidez, a dosagem de progesterona pode ser usada junto com o teste da gonodotrofina coriônica humana (hCG)  para ajudar a diagnosticar gravidez ectópica ou interrompida — os níveis serão inferiores aos esperados —, embora, com o resultado não seja possível diferenciar entre os dois casos. A dosagem de progesterona também pode ser feita ao longo de gravidez de alto risco para auxiliar na avaliação da vitalidade do feto e da placenta.

    O teste também é usado para monitoramento de pacientes com dificuldade de manter a gravidez, considerando que níveis baixos do hormônio podem levar a aborto. Se a paciente estiver recebendo injeções de progesterona para ajudar a manter a gravidez em estágio inicial, os níveis do hormônio devem ser monitorados regularmente para avaliar a efetividade do tratamento.

    Em mulheres não grávidas a dosagem de progesterona pode ser usada, em conjunto com outros testes, para determinar a causa de sangramento anormal no útero.

  • Quando o exame é pedido?

    A dosagem de progesterona é solicitada:

    • Como parte do processo de investigação de infertilidade, quando a paciente apresentar dificuldade para engravidar e o médico deseja verificar se está ovulando normalmente.
    • Para determinar se houve ovulação e no acompanhamento de farmacoterapia para indução de ovulação.
    • Quando sintomas como dor abdominal ou sangramento de escape sugerirem gravidez ectópica  ou ameaça de abortamento.
    • Para monitorar a efetividade do tratamento quando uma gestante estiver necessitando de injeções de progesterona para manter sua gravidez.
    • Para monitorar a saúde fetal e placentária em gravidez de alto risco.
    • Quando uma mulher não grávida estiver apresentando sangramento uterino anormal.
  • O que significa o resultado do exame?

    A interpretação da dosagem de progesterona requer conhecimento sobre em qual momento do ciclo ou da gravidez está a mulher. O nível de progesterona geralmente começa a se elevar quando um óvulo é liberado de um dos ovários, aumenta por alguns dias e, a seguir, ou continua a crescer com o início da gestação ou cai para que se inicie a menstruação.

    Se o nível de progesterona não aumenta e depois diminui a cada mês, talvez a paciente não esteja ovulando ou tendo períodos menstruais. Se os níveis não aumentam normalmente no início da gestação, é possível que a gravidez seja ectópica ou há risco de aborto. Se as dosagens seriadas não demonstrarem níveis crescentes de progesterona ao longo do tempo, talvez haja problemas para a viabilidade da placenta ou do feto.

    Os níveis de progesterona serão naturalmente maiores em gestações que envolvam fetos múltiplos (gêmeos, trigêmeos etc).

    Níveis aumentados de progesterona também podem ser encontrados em pacientes com cistos lúteos ovarianos, gestação molar e com uma forma rara de câncer do ovário.

    Níveis elevados ocasionalmente são causados por produção excessiva pelas suprarrenais.

    No final da gestação, níveis reduzidos de progesterona foram associados à toxemia.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    A administração de suplemento de estrogênio e progesterona também pode afetar o resultado.

  • A progesterona também é dosada em homens?

    Em geral, isso não acontece, a não ser que haja suspeita de doenças específicas das suprarrenais. A progesterona não tem qualquer papel estabelecido nos homens.

  • Há outras utilidades para a progesterona?

    Sim. A progesterona (na sua forma sintética, progestina) frequentemente é usada para terapia de reposição hormonal (TRH) após a menopausa. Contudo, o uso de combinações de progestina e estrogênio se tornou controverso recentemente com base nos achados de um ensaio conduzido pelo National Institutes of Health, dos Estados Unidos.

  • As pacientes na menopausa em terapia de reposição hormonal (TRH) devem monitorar os níveis de progesterona?

    Algumas vezes, se ainda tiverem útero e estivem manifestando sintomas, como sangramento uterino sem explicação, o médico poderá solicitar dosagem de progesterona junto com outros testes e procedimentos. Se a paciente não tiver mais útero (removido com histerectomia), a TRH não incluirá progesterona e, portanto, não necessitará de monitoramento.

Páginas relacionadas

Neste site

Exames relacionados: Estrogênio, hCG, FSH, LH

Estados clínicos/Doenças: Gravidez, Infertilidade

Em outros sites da Internet

American Family Physician: Abnormal Uterine Bleeding

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Oriel, K. and Schrager, S. (1999 October 1). Abnormal Uterine Bleeding [27 paragraphs]. American Family Physician [On-line journal]. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/991001ap/1371.html

S4
Chen, P. Updated (2001 August 10, Updated). Serum progesterone [16 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003714.htm

S5
Tenore, J. (2000 February 15). Ectopic Pregnancy [48 paragraphs]. American Family Physician [On-line journal]. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/20000215/1080.html

S6
NHLBI (2002). The Women’s Health Initiative, New Facts About: Estrogen/Progestin Hormone Therapy [15 paragraphs]. National Institutes of Health, National Heart, Lung and Blood Institute [On-line information]. Available FTP: http://www.nhlbi.nih.gov/whi/hrtupd/ep_facts.htm

S7
ARUP. Progesterone [3 paragraphs]. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_148b.htm

S8
Spengler, R. (2000 October 30, updated). Progesterone [19 paragraphs]. WebMD [on-line information]. Available FTP: http://my.webmd.com/encyclopedia/article/1689.52570

S9
NCI (2002 July 16). Questions and Answers: Use of Hormones After Menopause [38 paragraphs]. National Cancer Institute, News from the NCI [On-line press release]. Available FTP: http://newscenter.cancer.gov/pressreleases/estrogenplus.html

S10
Merck. Hormones and Reproduction [13 paragraphs]. The Merck Manual of Medical Information – Home Edition [On-line information]. Available FTP: http://www.merck.com/pubs/mmanual_home/sec22/232.htm