Também conhecido como
Testes para Enteropatia Sensível ao Glúten
Nome formal
Doença Celíaca
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Abril de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para ajudar a determinar se você apresenta doença celíaca e para avaliar a eficácia da dieta sem glúten

Quando fazer este exame?

Quando você apresenta sintomas sugestivos de doença celíaca, tais como diarreia crônica, dor abdominal, anemia e perda de peso. Quando um lactente é cronicamente irritável ou não se desenvolve normalmente. Quando um membro de uma família tem doença celíaca. Para monitorar o tratamento da doença celíaca.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Siga as instruções do seu médico. Para o diagnóstico, o indivíduo deve continuar a comer alimentos que contêm glúten por um período de tempo antes de realizar o teste, como várias semanas. Para monitorar um paciente que já tem o diagnóstico não é necessário nenhum preparo.

O que está sendo pesquisado?

Testes para doença celíaca representam um grupo de ensaios desenvolvidos para auxiliar o diagnóstico de doença celíaca e algumas outras condições sensíveis ao glúten, Esses testes detectam autoanticorpos que o corpo produz como parte de uma resposta imune inadequada para proteínas da dieta encontradas no trigo, centeio e cevada (glúten e gliadina). No passado, o único modo de se diagnosticar doença celíaca era por uma biópsia de tecido do intestino delgado. Embora essa avaliação microscópica ainda seja considerada o "padrão ouro" e ainda seja utilizada para confirmar um diagnóstico de doença celíaca, a disponibilidade de testes sanguíneos menos invasivos para a triagem de doença celíaca reduziu o número de biopsias necessárias. Os testes sanguíneos de autoanticorpos incluem:

 

  • Anticorpo Antitransglutaminase tecidual (tTG), IgA: Transglutaminase tecidual é uma enzima responsável pelo cruzamento de certas proteínas. Embora “tecidual” seja o nome desse autoanticorpo ele, na verdade, envolve o teste sanguíneo e não tecidual, uma vez que o autoanticorpo é encontrado no sangue. Alguns laboratórios também oferecem o teste para detectar o anti-tTg IgG.
  • Anticorpos Antigliadina (AGA), IgG e IgA: Gliadina é parte da proteína do glúten encontrada no trigo (existem proteínas semelhantes no centeio, cevada e aveia). AGA é um autoanticorpo contra a porção gliadina.

Dois outros testes são raramente utilizados atualmente:

 

  • Anticorpos Antiendomísio (EMA), IgA: Endomísio é a camada espessa de tecido conjuntivo que envolve cada fibra muscular. Anticorpos anti-endomísio se desenvolvem em reação a um dano em curso na bainha intestinal. Foi descoberto que a tTg é a substância detectada nesse teste. Embora 100% dos pacientes com doença celíaca ativa e 70% dos pacientes com dermatite herpetiforme (outra condição sensível ao glúten que provoca coceira, queimação, rash bolhoso na pele) terão Anti-EMA, anticorpos IgA. O teste é mais difícil de realizar e interpretar adequadamente do que o anti-tTg.
  • Anticorpos Antirreticulina (ARA), IgA: Anti-ARA não é tão sensível ou específico quantos os outros autoanticorpos. Ele é encontrado em cerca de 60% dos pacientes com doença celíaca e em aproximadamente 25% dos pacientes com dermatite herpetiforme.

Cada um dos testes sanguíneos para doença celíaca mede a quantidade de um determinado autoanticorpo no sangue. Para cada teste, podem ser determinados tanto os anticorpos  IgG (Imunoglobulina G) quanto IgA (Imunoglobulina A). Entretanto, alguns laboratórios oferecem outros testes de IgG além da gliadina. IgG e IgA são duas das cinco classes de proteínas que são anticorpos que o sistema imune cria em resposta a uma ameaça perceptível.

Em geral, o anticorpo IgA é mais específico para doença celíaca (uma vez que IgA é o tipo de anticorpo produzido no intestino) e é medido quase que exclusivamente. Versões de IgG podem ser solicitadas tanto para complementar o teste IgA e/ou quando a pessoa apresenta uma deficiência geral de IgA. Isso acontece em cerca de 2% dos casos de doença célica e pode levar a alguns resultados de testes falsos negativos.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo-se uma agulha em uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Siga as instruções do seu médico. Para o diagnóstico, o indivíduo deve continuar a comer alimentos que contêm glúten por um período de tempo antes de realizar o teste, como várias semanas. Para monitorar um paciente que já tem o diagnóstico não é necessário nenhum preparo.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Os testes para doença celíaca são usados principalmente para auxiliar no diagnóstico de doença celíaca. Eles são geralmente solicitados para pacientes com sintomas sugestivos dessa doença, que incluem anemia e dor abdominal.

    Algumas vezes esses testes são solicitados para triagem de doença celíaca assintomática (sem sintomas) em pessoas com parentes próximos que apresentam a doença (cerca de 10% desses pacientes têm ou irão desenvolvê-la) e/ou naqueles que apresentam outras doenças autoimunes.

    Outros testes que ajudam a determinar a severidade da doença e o grau de desnutrição, má absorção e o envolvimento de outros órgãos do paciente, devem incluir:

    Como os pacientes com doença celíaca também podem apresentar outras condições, como intolerância à lactose, os testes celíacos podem ser realizados em conjunto com outros para intolerância e testes para alergia.

    Os testes anti-tTG, AGA, e/ou EMA podem ser solicitados em intervalos em pacientes que foram diagnosticados com doença celíaca para monitorar se estão seguindo a alimentação recomendada (sem glúten) e para ajudar a avaliar a eficácia do tratamento. Os níveis de anticorpos devem cair quando o glúten é retirado da dieta.

  • Quando o exame é pedido?

    Os testes para doença celíaca são solicitados quando alguém tem sintomas sugerindo doença celíaca, desnutrição e/ou má absorção, como diarreia, dor abdominal, fraqueza, fadiga, perda de peso e dor nas articulações. Eles podem fazer parte de uma investigação de anemia, osteoporose, infertilidade ou tremores (certos tipos são ligados à doença celíaca). Em crianças, os testes são pedidos quando elas apresentas sintomas gastrointestinais, retardo do desenvolvimento, baixa estatura e/ou déficit de crescimento.

    Os níveis de autoanticorpos devem inicialmente ser medidos quando um paciente ainda tem glúten em sua dieta. Resultados positivos ou indeterminados serão confirmados com uma biópsia. Podem ser realizados um ou mais testes de anticorpos quando um paciente com doença celíaca está há algum tempo em uma dieta livre de glúten. Isso é feito para verificar se os níveis de anticorpos baixaram e se a dieta foi eficiente para aliviar os sintomas e reverter o dano ao revestimento intestinal, o que às vezes ainda é confirmado com uma segunda biópsia. Quando os sintomas não diminuíram, os testes podem ser feitos para verificar se a dieta é seguida e para ajudar o médico e o paciente a procurarem se há glúten escondido na alimentação ou se existem outras razões responsáveis pelos sintomas persistentes. Pessoas assintomáticas podem ser testadas se tiverem um parente próximo com doença celíaca, mas a testagem para doença celíaca não é recomendada, no momento, como um teste de triagem para a população em geral.

  • O que significa o resultado do exame?
    Alguns testes de doença celíaca e possíveis resultados; "+" indica a presença de anticorpos

    ANTICORPOS ANTI-TTG, IGA

    IGA total

    ANTICORPOS ANTI-TTG, IGG

    ANTICORPOS ANTIGLIADINA (AGA), IGG

    DIAGNÓSTICO

    + +     Doença celíaca presumível
    + Sintomas não se devem provavelmente à doença celíaca
    + + Possível doença celíaca, anti-tTG falso negativo, IgA devido à deficiência total de IgA

    Testes de doença celíaca positivos ou indeterminados são, em geral, acompanhados por uma biópsia intestinal, que é usada para fazer um diagnóstico definitivo da doença.

    Se um paciente for diagnosticado com doença celíaca e retira o glúten da sua dieta, então os níveis de autoanticorpos devem cair. Se isso não ocorrer e os sintomas não diminuírem, então, ou podem existir formas escondidas de glúten na alimentação que não foram eliminados (o glúten é frequentemente encontrado em locais inesperados, de molhos de salada a xarope para tosse ao adesivo usado em envelopes) ou o paciente pode ter uma das raras formas de doença celíaca que não responde a mudanças na dieta. Quando os testes para doença celíaca são usados para monitorar o progresso, níveis crescentes de autoanticorpos indicam alguma forma de não observância de uma dieta livre de glúten.

    Se a pessoa sendo testada não consumiu qualquer glúten por várias semanas antes dos testes, então os testes de doença celíaca podem ser negativos (embora isso possa exigir muitos meses de uma alimentação livre de glúten). Se o médico ainda suspeita de doença celíaca, el pode fazer um “teste do glúten” – em que o paciente introduz glúten em sua alimentação por várias semanas ou meses a fim de verificar se os sintomas retornam. Nesse momento, podem ser repetidos os testes celíacos ou faz-se uma biópsia para verificar a atrofia de vilosidades (dano às vilosidades intestinais).

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Embora a doença celíaca seja relativamente comum, cerca de 1 em 133 pessoas nos Estados Unidos são afetadas. A maioria dos indivíduos que têm a doença não sabe. Isso se deve parcialmente ao fato que os sintomas são variáveis – podem ser leves ou não existirem, mesmo quando há dano intestinal no tecido biopsiado. Como esses sintomas também podem ser causados por várias outras condições, é possível que não se consiga o diagnóstico ou que ele demore muito para ser obtido – algumas vezes, anos.

  • Qual a diferença entre doença celíaca e uma alergia ao trigo e a outros grãos?

    Alergias envolvem reações de hipersensibilidade e a criação de anticorpos IgE (Imunoglobulina E) específicos para grãos como o trigo e o centeio. Esses anticorpos podem provocar alguns sintomas semelhantes àqueles causados pela doença celíaca, mas eles o farão apenas por pouco tempo após você comer o alimento a que é alérgico. A reação pode ser suave ou severa, mas é limitada e não provoca dano ao revestimento intestinal da maneira que a doença celíaca o faz. Se você acha que você pode ter alergia ao trigo ou a outros grãos, fale com o seu médico. Ele pode fazer testes para esses anticorpos IgE específicos.

  • Eu posso ficar livre ou me dessensibilizar em relação à doença celíaca?

    Não. A doença celíaca não desaparece. Uma vez que você tenha sido diagnosticado com ela será preciso seguir uma dieta sem glúten por toda a vida. Se voltar a comer glúten. novamente irá danificar o revestimento dos intestinos. Talvez demore um pouco para reaparecerem os sintomas.

  • Preciso seguir uma dieta sem glúten se eu for diagnosticado com doença celíaca mas não apresentar nenhum sintoma?

    Se você tem doença celíaca assintomática é recomendável que siga uma dieta sem glúten. Ainda terá vilosidades danificadas no seu intestino e poderá apresentar problemas de má absorção que provocarão condições silenciosas, como osteoporose. Se você tem dúvidas a respeito da precisão do diagnóstico, pode pedir ao médico que verifique as evidências.

  • Posso consumir aveia na minha alimentação?

    Isso é um pouco controverso. Alguns especialistas acreditam que a aveia deve ser evitada por aqueles com doença celíaca enquanto outros acreditam que a maioria dos pacientes pode tolerar pequenas quantidades. Eles acreditam que as proteínas encontradas na aveia não contribuem significativamente para a doença. Converse sobre isso com o seu médico e uma nutricionista.

  • Como eu sei o que comer e onde eu posso obter ajuda?

    Seu médico terá algumas informações sobre doença celíaca. Você também pode visitar os links listados nesse artigo para mais informações e organizações que levam a grupos de apoio. Como essa é uma doença bastante comum (quando não diagnosticada) encontrada em todo o mundo, há ajuda disponível.

  • Há outras maneiras de testar a doença celíaca?

    Recentemente, tornaram-se disponíveis testes genéticos que buscam marcadores fortemente associados à doença celíaca. Esses testes procuram pelos marcadores DQ2 e DQ8 do Antígeno Leucocitário Humano (HLA). Um resultado positivo não diagnostica doença celíaca, uma vez que cerca de 30% da população geral também carrega esses marcadores, mas não têm a doença. Por isso, precisa de confirmação. Entretanto, um resultado negativo pode descartar a doença naqueles indivíduos para os quais os resultados de outros testes, incluindo a biópsia, não são claros. Esses testes são mais úteis para membros da família de pessoas com a doença que caem em uma categoria de alto risco e para aqueles com outros resultados de testes diagnósticos inconclusivos.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Gliadin Antibodies, IgA and IgG [3 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_a248.jsp#1149464

S4
What serologic assays are available to screen for celiac disease? [13 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing Users Guide, FAQ [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/faq/articles/0015.1.jsp

S5
Endomysial Antibody, IgA with Reflex to Titer [4 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_a209.jsp#1147645

S6
Reticulin Antibody, IgA with Reflex to Titer [3 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_171b.jsp#1146993

S7
Celiac disease [25 paragraphs]. Hendrick Health System, AccessMed Health Information Library [On-line information]. Available FTP: http://www.ehendrick.org/healthy/

S8
Muir, A., Updated (2002 May 09, Updated ). Celiac disease - sprue [21 paragraphs]. MEDLINEplus Health Information, Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000233.htm

S9
Tissue Transglutaminase Antibody, IgA [9 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_231b.jsp#1149369

S10
Tissue Transglutaminase Antibody, IgG [9 paragraphs]. ARUP Guide to Clinical Laboratory Testing [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_232b.jsp#2113913

S11
Drago, S., et. al. (2002). Recent developments in the pathogenesis, diagnosis and treatment of celiac disease [24 paragraphs]. Expert Opin. Ther: Patents [On-line journal] 12(1):45-51. Available online

S12
Pruessner, H. (1998 March 1). Detecting Celiac Disease in Your Patients [42 paragraphs]. American Family Physician [On-line journal]. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/980301ap/pruessn.html

S13
(2000 September). Celiac Disease [10 paragraphs]. Familydoctor.org [On-line information]. Available FTP: http://familydoctor.org/handouts/236.html

S14
Semrad, C. Celiac Disease and Gluten Sensitivity [12 paragraphs]. Columbia University Gastroenterology Web page [On-line information]. Available FTP: http://cpmcnet.columbia.edu/dept/gi/celiac.html

S15
Kaufman, S. (1995 November). Celiac Disease: A Guide for Children and Their Families [62 paragraphs]. North American Society for Pediatric Gastroenterology and Nutrition (NASPGHAN) [On-line information]. Available FTP: http://www.naspgn.org/sub/celiac_disease.asp

S16
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Gliadin antibodies, endomysial antibodies [5 paragraphs]. Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 485-486.

S17
Hellekson, K. (2005 May 1). AHRQ Releases Practice Guidelines for Celiac Disease Screening [20 paragraphs]. American Family Physician [On-line information]. Accessed 1/21/07. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/20050501/practice.html

S18
(2005 October) Celiac Disease [45 paragraphs]. National Digestive Diseases Information Clearinghouse [On-line information]. Accessed 1/21/07. Available FTP: http://digestive.niddk.nih.gov/ddiseases/pubs/celiac/celiac.pdf

S19
(2006 May, Revised). What People with Celiac Disease Need to Know About Osteoporosis [16 paragraphs]. From the National Institute of Arthritis and Musculoskeletal and Skin Diseases (NIAMS) [On-line information]. Accessed 1/21/07 Available FTP: http://www.niams.nih.gov/bone/hi/bowel/celiac.pdf

S20
Houchen, C. (2005 October 27, Updated). Celiac disease – sprue [20 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Accessed 1/21/07. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000233.htm

S21
Sollid, L. and Khosla, C. (2005). Future Therapeutic Options for Celiac Disease [37 paragraphs]. Nat Clin Pract Gastroenterol Hepatol. 2(3): 140-147 [On-line journal]. Accessed 1/21/07. Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/502212

S22
(2006 September, Reviewed). Celiac Disease [12 paragraphs]. ARUP Consult [On-line information]. Accessed 1/21/07. Available online

S23
(2006 September 26). Celiac Disease [53 paragraphs]. Celiac Sprue Association [On-line information]. Accessed 1/21/07. Available FTP: http://www.csaceliacs.org/CD.php

S24
(2006 August 25, Modified). Celiac Disease - Serodiagnosis of Gluten-Sensitive Enteropathy [9 paragraphs]. ARUP Technical Bulletins [On-line information]. Accessed 1/29/07. Available online

S25
A. Kipatány, et. al, (posted 11/28/2006). Diagnostic Significance of HLA-DQ Typing in Patients With Previous Coeliac Disease Diagnosis Based on Histology Alone. Alimentary Pharmacology & Therapeutics (Medscape, accessed March 2007). Available online: http://www.medscape.com/viewarticle/547082

S26
Alessio Fasano (May 24, 2006). Celiac Disease in the Clinical Spotlight -- What's New and What's the Path Forward? (Accessed March 2007). Available online: http://www.medscape.com/viewarticle/533251

National Digestive Diseases Information Clearinghouse. Testing for Celiac Disease. Available online at http://digestive.niddk.nih.gov/ddiseases/pubs/celiactesting/index.htm#genetic through http://digestive.niddk.nih.gov. Accessed October 2009.