Também conhecido como
Reticulócitos
Nome formal
Contagem de reticulócitos
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
26 de Abril de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para avaliar a capacidade de produção de hemácias da medula óssea e distinguir anemia relacionada com perda sanguínea ou destruição excessiva de hemácias e anemia por diminuição da produção de hemácias. Para monitorar a resposta da medula óssea e a volta de sua função normal após quimioterapia, transplante de medula óssea ou tratamento de anemias

Quando fazer este exame?

Quando o paciente apresenta diminuição ou aumento da contagem de hemácias, da hemoglobina e do hematócrito, e o médico quer avaliar a função da medula óssea.

Amostra:

Uma amostra de sangue obtida inserindo uma agulha em uma veia do braço ou picando um dedo ou o calcanhar de um bebê.

É necessária alguma preparação?

Nenhuma

O que está sendo pesquisado?

Reticulócitos são hemácias imaturas. São produzidos pela medula óssea quando as células tronco se diferenciam para formar hemácias. As células tronco inicialmente produzem eritroblastos, que começam a fabricar hemoglobina (proteína de transporte do oxigênio) e acabam perdendo o núcleo. Os reticulócitos são um estágio intermediário de maturação, entre os eritroblastos e as hemácias, já sem núcleo mas ainda com um certo conteúdo de ácidos nucleicos no citoplasma. A maioria das hemácias no sangue é madura, mas cerca de 0,5% a 2% são reticulócitos, que logo se transformam em hemácias. A contagem de reticulócitos determina seu percentual entre as hemácias no sangue, e indica a velocidade de produção de hemácias na medula óssea.

Hemácias normais duram cerca de 120 dias. O corpo mantém um número estável no sangue removendo hemácias idosas e produzindo novas na medula óssea. Ocorre anemia se o equilíbrio é rompido por aumento na destruição ou queda na produção. O aumento da destruição pode ser consequência de sangramento agudo ou crônico (hemorragia) ou hemólise. O corpo compensa a perda elevando a produção de hemácias (e a percentagem de reticulócitos) até ser restabelecido o equilíbrio ou esgotar a capacidade de produção da medula óssea. Em alguns casos de produção muito acelerada de hemácias, até mesmo eritroblastos podem aparecer no sangue.

Pode ocorrer diminuição da produção de hemácias devido a um distúrbio da medula óssea, como anemia aplástica, por supressão da medula óssea por radiação ou por quimioterapia, por diminuição da produção de eritropoietina ou por deficiência de certos nutrientes, como ferro, vitamina B12 ou folato. Isso provoca redução da contagem de hemácias, da hemoglobina e da capacidade de transporte de oxigênio do sangue, do hematócrito e da contagem de reticulócitos, porque as hemácias velhas são retiradas da circulação mas não são repostas em quantidade suficiente.

Às vezes, a contagem de hemácias e de reticulócitos pode aumentar devido ao excesso de produção de hemácias provocado por aumento de sua produção (policitemia vera), por maior secreção de eritropoietina ou pelo fumo.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida inserindo uma agulha em uma veia do braço ou picando um dedo ou o calcanhar de um bebê.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exameConselhos sobre exames de sangueConselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparação é necessária.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    A contagem de reticulócitos é usada para determinar se a medula óssea está respondendo de modo adequado às necessidades do corpo de produção de hemácias e para esclarecer o mecanismo de diferentes tipos de anemia. Costuma ser pedida junto com a contagem de hemácias, a hemoglobina e o hematócrito, usados para avaliar a gravidade da anemia.

    A contagem de hemácias, a hemoglobina e o hematócrito são parte do hemograma. Este inclui uma avaliação das características das hemácias, como tamanho, volume e forma. Com base nesses resultados, a contagem de reticulócitos é usada para esclarecer a causa de uma anemia. Os reticulócitos diferem das hemácias por conterem restos de material genético (RNA) que não existe nas hemácias. Os reticulócitos circulantes perdem esse RNA dentro de um a dois dias, tornando-se hemácias maduras.

  • Quando o exame é pedido?

    A contagem de reticulócitos pode ser pedida quando há diminuição do número de hemácias, da hemoglobina e do hematócrito, e o médico quer avaliar a função da medula óssea. Se o paciente não tem sintomas, esses achados podem ocorrer em um exame de rotina. Esses exames também podem ser pedidos quando o paciente apresenta sintomas como palidez, fadiga, fraqueza, falta de ar ou sangue nas fezes.

    Quando o paciente está com deficiência de ferro, de vitamina B12 ou de folato, doença renal, supressão de medula óssea resultante de quimioterapia ou transplante de medula óssea, ou está sendo tratado com eritropoietina, o médico pode pedir a contagem de reticulócitos com um hemograma, em intervalos regulares, para acompanhar a função da medula óssea e a resposta ao tratamento.

    Quando há elevação do número de hemácias, do hematócrito e da hemoglobina, a contagem de reticulócitos pode ser usada para determinar a intensidade da produção excessiva de hemácias.

  • O que significa o resultado do exame?

    O médico quer verificar se há uma resposta adequada da medula óssea a um aumento da necessidade de produção de hemácias.

    A percentagem de reticulócitos em pessoas saudáveis é relativamente estável. Quando o número de hemácias e o hematócrito estão diminuídos, a percentagem de reticulócitos pode estar alta em relação ao número total de hemácias. Para avaliar com mais precisão a função da medula óssea, a percentagem de reticulócitos pode ser corrigida, obtendo-se uma contagem corrigida ou índice de reticulócitos (RI). Esse cálculo compara o hematócrito do paciente com um valor normal de hematócrito. Algumas vezes é usado um cálculo adicional, chamado índice de produção de reticulócitos (RPI), como correção para o grau de imaturidade dos reticulócitos, levando em conta a velocidade de liberação dos reticulócitos na circulação e o tempo necessário para sua maturação na corrente sanguínea. O RPI e o tempo de maturação variam com o hematócrito.

    Reticulócitos (%) = (número de reticulócitos / número de hemácias) × 100

    Índice de reticulócitos = reticulócitos (%) × (hematócrito observado / hematócrito normal)

    Índice de produção de reticulócitos = (índice de reticulócitos) × (1 / tempo de maturação)

    Alguns contadores automatizados de reticulócitos podem relatar uma fração de reticulócitos imaturos (IRF) e um volume médio de reticulócitos (MRV). Esses são parâmetros de pesquisa no momento.

    A contagem de reticulócitos reflete a atividade recente da medula óssea. Se esta responde de modo adequado às necessidades de aumento de produção de hemácias, permitirá a liberação de hemácias menos maduras na circulação, o que aumenta o número de reticulócitos no sangue.

    Um aumento da percentagem de reticulócitos pode indicar:

    Caso a medula óssea seja incapaz de suprir as necessidades, o número de reticulócitos pode permanecer normal ou apenas um pouco aumentado, e até diminuir devido à falta de produção adequada. Se o número de reticulócitos não se elevar com uma anemia, é provável que exista algum grau de disfunção da medula óssea ou deficiência de eritropoietina.

    Diminuição da percentagem de reticulócitos pode ser vista, por exemplo, com:

    A contagem de reticulócitos indica o que está ocorrendo, mas não diagnostica uma doença específica. É um sinal de que é necessário investigar mais. É usada para monitorar a eficácia do tratamento.

    Elevação da contagem de reticulócitos após quimioterapia, transplante de medula óssea ou tratamento de deficiências de ferro, vitamina B12 ou folato indica recuperação da medula óssea.

    A contagem de hemácias, a hemoglobina, o hematócrito e os reticulócitos estão aumentados em doenças que causam produção excessiva de hemácias.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Pessoas que se deslocam para grandes altitudes podem ter contagens de reticulócitos aumentadas enquanto o corpo se adapta ao baixo teor de oxigênio dessas regiões. Fumantes também podem apresentar hemácias e reticulócitos aumentados.

    É possível que a contagem de reticulócitos aumente durante a gravidez. Recém-nascidos têm uma percentagem maior de reticulócitos, que diminui para níveis normais em algumas semanas.

    O método tradicional de contagem de reticulócitos é manual, em que eles são contados ao microscópio em lâminas preparadas com uma coloração especial. Isso está sendo substituído por métodos automatizados, que permitem contar um grande número de células, o que aumenta a precisão do resultado.

  • A contagem de reticulócitos pode ser feita no mesmo tipo de sangue da contagem de hemácias ou do hemograma?

    Sim. Se for detectada anemia durante um exame de rotina, o médico pode pedir outros (incluindo reticulócitos) no mesmo tubo de sangue, desde que sejam feitos no mesmo dia da colheita.

  • Uma transfusão de sangue afeta a contagem de reticulócitos?

    Sim. O medico determina quando tempo é preciso esperar após uma transfusão para fazer a contagem de reticulócitos.

  • O que mais o médico pode fazer para avaliar a produção de células na medula óssea?

    Em alguns casos pode ser feito um aspirado de medula óssea para examinar uma amostra da medula ao microscópio. Algumas vezes, esse é o melhor modo de avaliar a função da medula óssea.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas na revisão atual

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 820-821.

Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp 952-955.

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Levin, M. (2007 March 8, Updated). Reticulocyte Count. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003637.htm. Accessed on 11/23/08.

Kahsai, D. and van Roekens, C. (2007 July 26). Anemia, Acute. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.emedicine.com/emerg/TOPIC808.HTM. Accessed on 11/23/08.

Abrahamian, B. and Wilke, E. (2008 January 14, Updated). Anemia, Chronic. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.emedicine.com/emerg/TOPIC734.HTM. Accessed on 11/23/08.

(2006 September). What is Hemolytic Anemia? National Heart Lung and Blood Institute [On-line information]. Available online at http://www.nhlbi.nih.gov/health/dci/Diseases/ha/ha_whatis.html through http://www.nhlbi.nih.gov. Accessed on 11/23/08.

(2007 December). What is Aplastic Anemia? National Heart Lung and Blood Institute [On-line information]. Available online at http://www.nhlbi.nih.gov/health/dci/Diseases/aplastic/aplastic_whatis.html through http://www.nhlbi.nih.gov. Accessed on 11/23/08.

Fontes usadas em revisões anteriores

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

Irwin, J. and Kirchner, J. (2001 October 15). Anemia in Children. American Family Physician [On-line journal]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20011015/1379.html through http://www.aafp.org.

Nanda, R. (2005 February 1, Updated). Reticulocyte count. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003637.htm.

(2004 Summer). Immature Reticulocyte Fraction(IRF). The Pathology Center Newsletter v9(1). [On-line information]. Available online at http://www.thepathologycenter.org/Newsletters/Newsletter3r.pdf#search='reticulocyte' through http://www.thepathologycenter.org.

(1998 June 15). Reticulocyte Counts. American Society of Clinical Oncology, Idaho LMRP [On-line information]. Available online at http://www.asco.org/ac/1,1003,_12-002393-00_18-0018894,00.asp?state=ID through http://www.asco.org.

Check, W. (2002 June). Perks plus: the new hematology analyzers. College of American Pathologists [On-line journal]. Available online at http://www.cap.org/apps/docs/cap_today/feature_stories/hematology_analyzers_feature.html through http://www.cap.org.

Brill, J. and Baumgardner, D. (2000 November 15). Normocytic Anemia. American Family Physician [On-line journal]. Available online at http://www.aafp.org/afp/20001115/2255.html through http://www.aafp.org/afp/20001115/2255.html.