Também conhecido como
Homocisteína plasmática total
Nome formal
Homocisteína
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
22 de Abril de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para determinar se o paciente apresenta deficiência de ácido fólico ou de vitamina B12, para ajudar a diagnosticar uma doença hereditária rara denominada homocistinúria; para determinar se há risco aumentado de infarto do miocárdio ou de AVC.

Quando fazer este exame?

Quando o médico suspeita de deficiência de vitamina B12 ou de ácido fólico ou suspeita que um lactente ou jovem possa ser portador de homocistinúria; quando um paciente sofreu infarto do miocárdio ou AVC e não apresenta os fatores de risco tradicionais, como parte da avaliação do risco cardíaco.

Amostra:

Amostra de sangue obtida de veia do braço; algumas vezes, amostra de urina, além do sangue.

É necessária alguma preparação?

O paciente pode ser orientado a manter jejum por 10 a 12 horas antes do exame.

O que está sendo pesquisado?

Esse teste determina a quantidade de homocisteína no sangue ou na urina. A homocisteína é um aminoácido que contém enxofre e que normalmente está presente em quantidades muito pequenas no organismo. É um produto do metabolismo da metionina, que é um dos 11 aminoácidos “essenciais” – aqueles que devem ser consumidos na alimentação porque o organismo não é capaz de produzi-los. Nas células saudáveis a homocisteína é rapidamente convertida em outros produtos.

As vitaminas B6, B12 e ácido fólico são necessárias para o metabolismo da homocisteína. Nos indivíduos com deficiência dessas vitaminas a homocisteína pode estar aumentada.

De acordo com a American Heart Association (AHA), algumas evidências sugerem que o excesso de homocisteína promove aterosclerose, lesando as paredes dos vasos sanguíneos e a formação inapropriada de coágulos no sangue, mas não há ligação direta entre ambos. Não está comprovado se há vantagens em usar os níveis de homocisteína como forma de avaliar o risco de doença cardiovascular (DCV), doença vascular periférica e AVC porque diversos trabalhos não apontaram benefícios nem redução no risco de DCV com suplementação de vitamina B ou de ácido fólico.

A homocisteína pode estar muito aumentada no sangue e na urina de indivíduos portadores de uma doença hereditária rara denominada homocistinúria. Esta doença é causada por uma alteração em um de diversos genes. A pessoa afetada apresenta uma enzima disfuncional que não permite a quebra normal da metionina. Em razão disso, a homocisteína e a metionina aumentam no organismo. Um bebê com essa doença terá aspecto normal ao nascer, mas em poucos anos desenvolverá sinais como deslocamento do cristalino nos olhos, compleição longilínea, dedos das mãos finos e longos, anormalidades esqueléticas, osteoporose e risco muito elevado de tromboembolismo e de aterosclerose que pode levar à doença cardiovascular prematura. Esse acúmulo também pode causar retardo mental progressivo, distúrbios do comportamento e convulsões.

Como a amostra é obtida para o exame?

Coleta-se uma amostra de sangue em veia do braço; algumas vezes também é coletada amostra de urina.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Jejum por 10 a 12 horas antes da coleta.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O médico pode pedir dosagem de homocisteína para verificar se o indivíduo apresenta deficiência de itamina B12 ou de ácido fólico. A concentração de homocisteína pode se elevar antes que os testes de B12 e ácido fólico tenham se alterado. O médico também pode solicitar dosagem de homocisteína em pacientes desnutridos, idosos, que absorvem menos vitamina B12 da alimentação e em usuários de drogas ou álcool.

    O médico pode solicitar dosagem de homocisteína no sangue e na urina para ajudar no diagnóstico de homocistinúria se houver suspeita de que uma criança em fase de amamentação possa apresentar essa doença hereditária. Em alguns estados dos EUA, os bebês são testados para excesso de metionina como parte dos exames de triagem de recém-natos. Se o teste for positivo, são realizadas dosagens de homocisteína no sangue e na urina para confirmar o diagnóstico.

    A dosagem de homocisteína também pode ser solicitada como parte dos exames de triagem em pessoas com alto risco de infarto do miocárdio ou de AVC. Pode ser útil em indivíduos com história familiar de doença arterial coronariana, mas nenhum outro fator de risco. Entretanto, sua utilidade nesse contexto continua a ser questionada porque não ainda foi estabelecida a participação da homocisteína, se houver, na evolução da doença cardiovascular (DCV). O exame de rotina, tal como o realizado para o colesterol total, ainda não é recomendado.

  • Quando o exame é pedido?

    Quando o médico suspeitar de deficiência de B12 ou de ácido fólico ou quando um bebê apresentar sinais ou sintomas que sugiram homocistinúria.

    A dosagem de homocisteína também pode ser solicitada como parte da avaliação de risco cardíaco dependendo da idade do paciente e da existência de outros fatores de risco. O teste também pode ser pedido após infarto do miocárdio ou AVC, para direcionar o tratamento.

  • O que significa o resultado do exame?

    Em casos suspeitos de desnutrição ou de deficiência de B12 ou de ácido fólico, os níveis de homocisteína podem estar aumentados. Se a pessoa não absorve vitamina B12 em quantidades suficientes pela alimentação ou com uso de suplementos, seu organismo não será capaz de converter a homocisteína a formas que possam ser usadas por ele. Neste caso, podem aumentar os níveis de homocisteína no sangue.

    Nos testes em recém-nascidos, concentrações muito elevadas de homocisteína na urina e no sangue significam que é provável que o bebê seja portador de homocistinúria e indicam a necessidade de investigar para confirmar a causa do aumento.

    Trabalhos realizados entre 1995 e 1999 sugeriram que indivíduos com níveis aumentados de homocisteína teriam risco elevado de infarto do miocárdio ou de AVC, em comparação com aqueles que apresentavam níveis medianos. Atualmente, contudo, o uso da dosagem de homocisteína para avaliação de risco de doença cardiovascular (DCV), doença vascular periférica e AVC tem sido questionado porque, em vários ensaios realizados para investigar a suplementação de ácido fólico e vitamina B12, não foi encontrada uma relação entre níveis de homocisteína e taxa de sobrevida a infarto do miocárdio e a AVC.

    A American Heart Association (AHA) reconhece que há evidências com força estatística relacionando níveis de homocisteína e taxas de sobrevida a infarto do miocárdio ou AVC, mas deixou de considerar que a elevação da homocisteína seria um fator de risco maior para doença cardiovascular. A obstrução de artéria coronária, que precede o infarto cardíaco, ocorre com frequência média dobrada em indivíduos com homocisteína nos níveis 25% superiores, em comparação com aqueles nos níveis 25% inferiores.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Quando os resultados dos testes realizados sugerem homocistinúria, há indicação para biópsia de fígado ou de pele a fim de determinar se está presente a enzima cistationina beta-sintase (CBS). A ausência dessa enzima é a causa mais comum de homocistinúria. Também podem ser solicitados testes genéticos para identificar uma ou mais das mutações mais comuns. Se o paciente possuir história familiar importante de aterosclerose precoce ou um familiar que tenha sido diagnosticado com homocistinúria, deverá ser testado para a mutação gênica que foi encontrada no membro da família.

    Os níveis de homocisteína podem aumentar com a idade, em fumantes e com o uso de medicamentos como carbamazepina, metotrexato e fenitoína. Os níveis são mais baixos nas mulheres. A concentração de homocisteína aumenta após a menopausa possivelmente devido à redução na produção de estrógenos.

  • Quais são as melhores fontes de ácido fólico e vitamina B12?

    Grãos de cerais são as principais fontes de ácido fólico. Além disso, a Food and Drug Administration, dos EUA, determinou a adição de ácido fólico aos produtos em grão naquele país. As frutas e os vegetais contêm quantidades significativas de vitamina B6. A vitamina B12 pode ser encontrada em carnes vermelhas, aves, peixes e outros frutos do mar.

  • Algum dos medicamentos que eu uso pode ter efeito sobre o nível de homocisteína?

    Sim. Há diversos medicamentos que podem aumentar ou reduzir a quantidade de homocisteína no seu organismo. Avise seu médico sobre qualquer medicamento que esteja tomando, sejam eles tradicionais ou fitoterápicos, considerando que alguns podem alterar o resultado dos testes.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Sources Used in Current Review

Pagana, K. D. & Pagana, T. J. (© 2007). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 541-543.

Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (© 2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry: AACC Press, Washington, DC. Pp 434-435.

Wu, A. (© 2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, 4th Edition: Saunders Elsevier, St. Louis, MO. Pp 574-577.

What Is Homocysteine? American Heart Association [On-line information]. Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=535 through http://www.americanheart.org. Accessed May 2009.

(Updated 2008 July). Familydoctor.org. [On-line information] Available online at http://familydoctor.org/online/famdocen/home/articles/249.html through http://familydoctor.org. Accessed May 2009.

(2008 January). Homocystinuria. Genetics Home Reference [On-line information]. Available online at http://ghr.nlm.nih.gov/condition=homocystinuria through http://ghr.nlm.nih.gov. Accessed May 2009.

(© 2009). Homocysteine, Folic Acid and Cardiovascular Disease. American Heart Association [On-line information]. Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=4677 through http://www.americanheart.org. Accessed May 2009.

Baloghova, J. et. al. (2006 December 6). Homocystinuria. emedicine [On-line information]. Available online at http://emedicine.medscape.com/article/1115062-overview through http://emedicine.medscap.com. Accessed May 2009.

(Updated 2008 December). Cardiovascular Disease (Non-traditional Risk Markers) - Risk Markers - CVD (Non-traditional). ARUP Consult [On-line information]. Available online at http://www.arupconsult.com/Topics/CardiacDz/CVDRiskMarkerNontrad.html through http://www.arupconsult.com. Accessed May 2009.

National Academy of Clinical Biochemistry. Laboratory Medicine Practice Guidelines: Emerging Biomarkers for Primary Prevention of Cardiovascular Disease and Stroke (2009) Homocysteine and Cardiovascular Disease Risk. Pg. 51. PDF available for download at http://www.aacc.org/members/nacb/LMPG/OnlineGuide/PublishedGuidelines/risk/Documents/PublishedGuidelines.pdf through http://www.aacc.org.

Sources Used in Previous Review

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 488-490.

Stewart. D. (2004 July 26, Updated). Homocystinuria. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001199.htm.

Picker, J. and Levy, H. (2005 August 15, Updated). Homocystinuria Caused by Cystathionine Beta-Synthase Deficiency. GeneReviews [On-line information]. Available online at http://www.genetests.org/query?dz=homocystinuria through http://www.genetests.org.

(2005 September 23) Homocystinuria. Genetics Home Reference, Homocystinuria [On-line information]. Available online at http://ghr.nlm.nih.gov/condition=homocystinuria through http://ghr.nlm.nih.gov.

Genetic Fact Sheets for Parents, Amino Acid Disorders. Expanded Newborn Screening with Tandem Mass Spectrometry Financial, Ethical, Legal, and Social Issues [On-line information]. Available online at http://www.newbornscreening.info/Parents/aminoaciddisorders/CBS.html through http://www.newbornscreening.info.

(2005 May 02, Reviewed). Genetic Fact Sheets for Professionals, Amino Acid Disorders. Expanded Newborn Screening with Tandem Mass Spectrometry Financial, Ethical, Legal, and Social Issues [On-line information]. Available online at http://www.newbornscreening.info/Pro/aminoaciddisorders/CBS.html through http://www.newbornscreening.info.

Homocysteine May Trigger Strokes. JS Online. Available online at http://www.jsonline.com/alive/ap/feb01/ap-stroke-amino-ac021601.asp through http://www.jsonline.com.

Homocysteine: An emerging age-related cardiovascular risk factor. Geriatrics. April 1999.

Donald W. Jacobsen, PhD, FAHA. Director, Laboratory for Homocysteine Research, Department of Cell Biology, Lerner Research Institute, Cleveland Clinic Foundation, Cleveland, OH. (Fellow, American Heart Association; American Association for Clinical Chemistry member).