Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
15 de Janeiro de 2018.

O que são?

Marcadores tumorais são substâncias, geralmente proteínas, produzidas pelo organismo em resposta ao crescimento de cânceres, ou pelo próprio tecido cancerígeno, e que podem ser detectadas em sangue, urina ou amostras de tecido. Alguns marcadores são específicos para determinados tipos de câncer, enquanto outros são encontrados em vários tipos da doença. Em sua maioria, os marcadores mais conhecidos também podem estar aumentados em doenças não cancerosas. Consequentemente, seu uso isoladamente não é recomendado para a triagem (rastreamento) ou como único exame definitivo para o diagnóstico do câncer.

Alguns poucos marcadores tumorais, já bem caracterizados, são solicitados rotineiramente pelos médicos. Muitos outros potenciais ainda são investigados. Alguns despertaram grande expectativa quando foram descobertos, mas, após pesquisas complementares, verificou-se que não eram tão úteis quando comparados com aqueles já em uso.

O objetivo é que os marcadores tumorais sejam capazes de rastrear e diagnosticar o câncer precocemente, quando a chance de sucesso ao tratamento é maior, bem como tentar detectar a sua presença antes do seu crescimento e disseminação pelo organismo. Até o momento, o único marcador tumoral a obter ampla aceitação como exame de triagem é o antígeno prostático específico (PSA) para o câncer da próstata. Mesmo em relação ao PSA há debates permanentes entre especialistas e organizações acerca de sua real utilidade no rastreamento de indivíduos assintomáticos. Outros marcadores não são suficientemente específicos (em razão do número excessivo de resultados falso-positivos, o que leva à necessidade de solicitar exames adicionais para investigação, muitas vezes caros e desnecessários) ou o nível do marcador não se eleva suficientemente em uma fase precoce da doença para que seja considerado útil no rastreamento.

Alguns indivíduos apresentam risco elevado para determinados tipos de câncer por terem herdado uma mutação genética. Embora não sejam considerados marcadores tumorais, há exames para rastrear essas mutações a fim de estimar o risco de desenvolvimento de tipos específicos de câncer. Os genes BRCA1 and BRCA2  são exemplos de mutações relacionadas com o risco genético de câncer de mama e câncer de ovário. Para mais informações, consulte o item visão geral sobre testes genéticos.

Por que são solicitados?

Os marcadores tumorais não estão intrinsicamente relacionados com o diagnóstico do câncer. O diagnóstico definitivo é sempre realizado através do exame de microscopia em amostras de tecido obtido através da biópsia. Contudo, fornecem informações que podem ser usadas para:

  • Triagem. Em sua maioria, os marcadores não são adequados para triagem na população geral, mas alguns podem ser usados em indivíduos com história familiar relevante para um determinado tipo de câncer. A dosagem do PSA, por exemplo, pode ser utilizada para rastreamento de câncer de próstata.
  • Diagnóstico. Em indivíduos sintomáticos, os marcadores tumorais podem ser úteis para auxiliar na localização de um câncer primário, como, por exemplo, o CA-125 para câncer de ovário, e para auxiliar no diagnóstico diferencial de outras doenças. Lembre-se que os marcadores tumorais isoladamente não servem para diagnosticar o câncer, mas podem ajudar no diagnóstico.
  • Estadiamento. Se um indivíduo teve um câncer diagnosticado, a dosagem do marcador tumoral pode ser usada para determinar o grau de disseminação a outros tecidos ou órgãos.
  • Definição do prognóstico. Há marcadores tumorais usados para ajudar o médico a determinar a agressividade da doença.
  • Orientação do tratamento. Alguns marcadores tumorais, como o Her2/neu, fornecem informações sobre a resposta esperada aos diversos tratamentos (por exemplo, as pacientes com câncer de mama que sejam Her2/neu positivas têm maior chance de responder bem ao tratamento com Herceptin).
  • Monitoramento do tratamento. A grande utilidade dos marcadores tumorais está caracterizada  na monitorização da efetividade do tratamento, especialmente nos cânceres avançados. Se a dosagem do marcador diminuir, o tratamento está sendo efetivo; caso se mantenha elevado, há necessidade de ajustes. Entretanto, essa informação deve ser usada com cautela, uma vez que outros quadros podem fazer com que o marcador aumente ou diminua. Durante tratamento com quimioterapia é esperada uma elevação significativa do nível do marcador tumoral relacionado ao órgão ou tecido com câncer.
  • Diagnóstico de recorrência. Atualmente, a principal utilidade dos marcadores tumorais é monitorar a recorrência do câncer. Se o marcador estiver elevado antes do tratamento, diminuir após este e voltar a se elevar com o passar do tempo, é provável que o câncer esteja retornando. Se persistir elevado após a cirurgia, é provável que não se tenha conseguido remover todo o câncer.

Principais marcadores tumorais em uso atualmente

  marCADORES TUMORAIS cÂncerEs O QUE MAIS? QUANDO/COMO SÃO USADOSAMOSTRA USUAL
AFP (alfa-fetoproteína) Fígado, células germinativas câncer de ovário ou testículo Também se eleva durante a gravidez Auxiliar no diagnóstico, monitoramento do tratamento, e identificação da recorrência Sangue
 B2M (Beta-2- microglobulina) Mieloma múltiplo e linfomas Presente em muitos outros quadros, incluindo doença de Crohn e hepatite; frequentemente usado para determinar a causa de insuficiência renal Prognóstico Sangue
CA 15-3 (Antígeno de câncer 15-3) Câncer de mama e outros, incluindo o de pulmão e de ovário Elevado também em doenças benignas da mama; podem ser usados o CA 15-3 ou o CA 27.29 (dois ensaios diferentes para o mesmo marcador)
Estadiamento da doença, monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue
CA 19-9 (Antígeno de câncer 19-9) Pancreático, algumas vezes colorretal e dos dutos biliares Elevado também na pancreatite e na doença inflamatória intestinal Estadiamento da doença, monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue
CA-125 (Antígeno de câncer 125) Ovariano Elevado também na endometriose e outras doenças e quadros benignos; não recomendado para triagem da população em geral Auxiliar no diagnóstico, monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue
Calcitonina Carcinoma medular da tiróide Elevado também na anemia perniciosa e na tireoidite Auxiliar no diagnóstico, monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue
CEA (antígeno carcinoembrionário) Colorretal, pulmão,
mama, tireoide, pâncreas, fígado,colo e bexiga
Elevado também em outros quadros como hepatite, DPOC, colite, pancreatite, e em tabagistas Monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue
Cromogranina A (CgA)  Receptores de estrogênio(tumores carcinoides, neuroblastoma) Marcador tumoral mais sensível para tumores carcinoides Auxiliar no diagnóstico e no tratamento Sangue
Receptores de estrogênio Mama Aumentado nos cânceres dependentes de hormônio Prognóstico e orientação do tratamento Tecido
 hCG (Gonadotrofina coriônica humana) Doença testicular e trofoblástica Aumentada na gravidez, e na insuficiência testicular Auxiliar no diagnóstico, monitoramento do  tratamento, e identificação da recorrência Sangue, urina
Her-2/neu Mama Oncogene que está presente com múltiplas cópias em 20% a 30% dos casos de câncer de mama invasivo Prognóstico e orientação do tratamento Tecido
Imunoglobulinas monoclonais Mieloma múltiplo e macroglobulinemia de Waldenstrom Produção excessiva de uma imunoglobulina, ou anticorpo, geralmente detectada por eletroforese de proteínas Auxiliar no diagnóstico, monitoramento do  tratamento e identificação de recorrência Sangue, urina
Receptores de progesterona Mama Aumentados no câncer dependente de hormônio Prognóstico e orientação do tratamento Tecido
PSA (antigeno prostático específico), total e livre Próstata Aumentado na hiperplasia benigna da próstata, prostatite, infecção urinária e com a idade. Rastreamento, auxiliar no diagnóstico, monitoramento do tratamento e identificação da recorrência Sangue
Tiroglobulina Tiroide Utilizado após tireoidectomia para avaliação do tratamento Identificação da recorrência Sangue
Outros marcadores tumorais menos utilizados        
BTA (Antígeno do tumor da bexiga) Bexiga Não está amplamente disponível, mas tem ganho aceitação Auxiliar no diagnóstico e identificação de recorrência Urina
CA 72-4 (Antígeno de câncer 72-4) Ovariano Não há evidências de que seja superior ao CA-125 mas pode ser útil quando utilizados conjuntamento. Marcador ainda em estudo. Auxiliar no diagnóstico Sangue
Des-gama-carboxi protrombina (DCP) Carcinoma hepatocelular (CHC) Exame recente; frequentemente usado com exame de imagem mais AFP e/ou AFP-L3%, para avaliar se um indivíduo com doença hepática crônica desenvolveu CHC Avaliação do risco de desenvolver CHC; avaliação do tratamento; monitoramento da recorrência Sangue
 EGFR (Her-1) Tumores sólidos, como de pulmão (células não pequenas), cabeça e pescoço, cólon, pâncreas ou mama Não está disponível em todos os laboratórios Orientar o tratamento e definir o prognóstico Tecido
NSE (Enolase neurônio-específica) Neuroblastoma, câncer pulmonar de pequenas células Talvez seja melhor que o CEA para acompanhamento desse tipo específico de câncer pulmonar Monitoramento do  tratamento Sangue
NMP22 Bexiga
 Não é muito usado
Auxiliar no diagnóstico e identificação de recorrência  Urina
Antígeno prostático específico de membrana (PSMA) Próstata Não é muito usado; níveis aumentam normalmente com a idade  Auxiliar no diagnóstico
Sangue
Fosfatase ácida prostática (PAP) Metástase de cancer da próstata, mieloma, câncer de pulmão Não tem sido mais usado; aumentado na prostatite e em outros quadros Auxiliar no diagnóstico  Sangue
S-100 Melanoma metastático Não é muito usado Auxiliar no diagnóstico  Sangue
Peptídeos relacionados com mesotelina solúvel (SMRP) Mesotelioma Usado frequentemente em conjunto com exames de imagem Monitoramento da evolucão ou da recorrência  Sangue
TA-90 Melanoma metastático  Não é muito usado, ainda em fase de estudo Auxiliar no diagnóstico  Sangue

Páginas Relacionadas

Em outros locais na internet
NCI: Tumor Markers, Questions and Answers
Harvard School of Public Health: Disease Risk Index
Cancer Survivors Online: Cancer Links
American Cancer Society: Tumor Markers

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

Fontes usadas na revisão atual

Americna Cancer Society. Tumor Markers. Available online at http://www.cancer.org/docroot/PED/content/PED_2_3X_Tumor_Markers.asp?sitearea=PED through http://www.cancer.org. Accessed Oct 15 2009.

Fontes usadas em revisões anteriores

Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber's Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby's Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

ACS (2000 July 19). Tumor Markers. American Cancer Society, Prevention and Early Detection [On-line information]. Available online through http://www.cancer.org.

ACS (1999 July 08). Testing Biopsy and Cytology Specimens for Cancer. American Cancer Society, Prevention and Early Detection [On-line information]. Available online through http://www.cancer.org.

NCI (1998 April 27). Tumor markers. National Cancer Institute, Cancer Facts [On-line information]. Available online at http://cis.nci.nih.gov/fact/5_18.htm through http://cis.nci.nih.gov.

Basquet, C. R. (1995). Cancer and Women. American Medical Women's Association [On-line excerpt from “The American Women’s Association Women's Complete Healthbook,” edited by Epps, R. and Stewart, S.]. Available online at http://www.amwa-doc.org/publications/WCHealthbook/canceramwa-ch37.html through http://www.amwa-doc.org.

Check, W. (1998 July) Reaching agreement on tumor markers. CAP Today, In the News [On-line journal]. Available online at http://www.cap.org/captoday/archive/1998/julycover.html through http://www.cap.org.

Recent Advances (2002 March 11). Gene profiles expose cancer cells' weak points. Dana-Farber Cancer Institute [On-line journal]. Available online at http://www.dana-farber.org/res/research/geneprofiles.asp through http://www.dana-farber.org.

ASCO (1996 May 17). Clinical Practice Guidelines for the Use of Tumor Markers in Breast and Colorectal Cancer. American Society of Clinical Oncology [On-line guidelines]. Available online at http://www.asco.org/prof/pp/html/guide/tumor/m_tumor1.htm through http://www.asco.org.

(1999, Last update) Tumor Marker Tests. University of Iowa Health Care, Holden Comprehensive Cancer Center, Virtual Hospital, the apprentice's assistant [On-line information]. Available online at http://www.vh.org/Patients/IHB/Cancer/Tumormarker.html through http://www.vh.org.