Nome formal
Osmolalidade (plasma, urina e fezes)
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
15 de Janeiro de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para auxiliar na avaliação do equilíbrio hidroeletrolítico do organismo; para investigar os baixos níveis de sódio no sangue (hiponatremia) e aumento ou diminuição da produção de urina; para detectar intoxicação por álcool devido à ingestão de toxinas, como metanol ou etilenoglicol; para monitorar a eficácia do tratamento para doenças/estados clínicos que afetam a osmolalidade; para auxiliar na determinação das causas da diarréia crônica.

Quando fazer este exame?

Quando o indivíduo apresenta baixo nível de sódio no sangue; está tomando manitol (um diurético osmótico); pode ter ingerido metanol, etilenoglicol ou álcool isopropílico; produz quantidade significativamente elevada ou diminuída de urina; ou apresenta diarréia crônica.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço e/ou uma amostra aleatória de urina. Às vezes, uma amostra de fezes a fresco, líquidas.

É necessária alguma preparação?

Pode não ser exigido preparo ou pode haver instrução para jejum por 6 horas antes do teste. Siga as instruções fornecidas. Informe seu médico sobre todos os medicamentos que esteja tomando, especialmente manitol.

O que está sendo pesquisado?

Osmolalidade é a medida do número de partículas dissolvidas em uma solução. O teste de osmolalidade reflete a concentração de substâncias como sódio, potássio, cloreto, glicose e ureia em uma amostra de sangue, urina ou, por vezes, fezes. É utilizado para avaliar o equilíbrio entre a água e as partículas dissolvidas no sangue e na urina, para detectar a presença de substâncias que podem afetar esse equilíbrio e para avaliar a capacidade dos rins de concentrar a urina.

O balanço hídrico no organismo é um processo dinâmico que é regulado pelo controle da quantidade de água eliminada na urina e pelo aumento ou redução de água ingerida para saciar a sede. Sensores osmóticos no organismo percebem e reagem a aumentos e reduções da quantidade de água e de partículas na corrente sanguínea. O aumento da osmolalidade sanguínea pode ser devido à diminuição da quantidade de água no sangue ou a um aumento no número de partículas, o hipotálamo secreta o hormônio antidiurético (ADH), que avisa aos rins que devem reter água. Isso resulta em uma urina mais concentrada, com osmolalidade urinária elevada e sangue mais diluído, com menor osmolalidade. Quando a osmolalidade sanguínea diminui, a secreção de ADH é suprimida, os rins eliminam maiores quantidades de urina diluída, a quantidade de água do organismo diminui e a osmolalidade sanguínea volta ao normal.

Osmolalidade sanguínea é fundamentalmente a dosagem de sódio dissolvido no soro. Sódio é o principal eletrólito no sangue, urina e fezes. Ele funciona com o potássio, cloreto e CO2 (na forma de bicarbonato) para a manutenção da neutralidade elétrica no organismo e o equilíbrio ácido-base. O sódio entra no corpo pela alimentação e, geralmente, é mantido ou eliminado na urina pelos rins, para a manutenção da concentração sanguínea dentro dos limites saudáveis.

Osmolalidade urinária dosa, fundamentalmente, os produtos residuais da ureia e creatinina. Estas são produzidas e eliminadas pelo corpo a uma taxa relativamente constante.

A glicose e a ureia não são eletrólitos, mas como partículas (moléculas), elas contribuem com a osmolalidade. Geralmente, sua contribuição é pequena, mas quando o indivíduo apresenta glicose elevada no sangue (hiperglicemia, como no diabetes), ou ureia elevada no sangue (observada em doenças como a insuficiência renal), sua influência pode ser significativa.
A glicose é osmoticamente ativa. Isto significa que ela pode extrair água das células do corpo, aumentando a quantidade de líquido na circulação, o que, por sua vez, aumenta a quantidade produzida de urina diluída. Manitol, um medicamento usado para tratar edema cerebral, também apresenta essa propriedade. Toxinas, como o metanol, álcool isopropílico, etilenoglicol, propilenoglicol e acetona e medicamentos como o ácido acetilsalicílico (aspirina) também podem afetar a osmolalidade, quando ingeridos em quantidades suficientemente grandes.

A osmolalidade pode ser dosada ou estimada a partir dos principais solutos passíveis de estarem no sangue. A diferença entre resultados dosados e calculados (estimados) é denominada "gap osmótico" ou "gap osmolal". O aumento do gap osmótico (superior a 10) indica a presença de outras substâncias, entre elas toxinas, aspirina ou manitol. O gap osmótico é, por vezes, utilizado para avaliação, quando o indivíduo está em terapia com manitol ou quando há suspeita de ingestão de alguma toxina, como o metanol, ou de algum medicamento, como a aspirina, em excesso. Outras causas comuns de gap osmolal elevada são: cetoacidose alcoólica, insuficiência renal, cetoacidose diabética e choque.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é obtida de uma veia do braço. A amostra aleatória de urina é coletada pelo método de jato médio (veja a descrição em "Urinálise: Como a amostra é coletada para o exame?"). A fresco (refrigerada ou congelada por cerca de 30 minutos após a coleta), fezes líquidas, não contaminadas por urina são coletadas em um recipiente limpo. Bactérias nas fezes podem alterar os resultados do teste em um período curto de tempo.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não é necessário preparo para o teste, ou pode ser orientado jejum (não comer nem beber, exceto água) por 6 horas antes do exame. Siga as instruções fornecidas. Uma vez que alguns medicamentos podem interferir com este exame, informe seu médico sobre todos os que estiver tomando, especialmente se for manitol.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O teste de osmolalidade fornece um retrato do número de solutos presentes no sangue (soro), urina ou fezes. É solicitado no auxílio da avaliação do balanço hídrico do organismo ou de sua capacidade de produzir e concentrar urina, para ajudar na investigação de baixos níveis de sódio (hiponatremia), na detecção da presença de toxinas, entre elas o metanol e o etilenoglicol, e na monitoração de terapias medicamentosas osmoticamente ativas, entre elas o manitol, usado no tratamento de edema cerebral. Também é feito para auxiliar na monitoração da eficácia do tratamento de quaisquer doenças/estados clínicos que possam estar afetando a osmolalidade do indivíduo.

    Osmolalidade sérica é feita principalmente para investigar a hiponatremia. Esta pode ocorrer devido à perda de sódio pela urina ou aumento dos fluidos na corrente sanguínea. Este aumento pode ser causado por ingestão excessiva de água, retenção de água, diminuição da capacidade dos rins de produzir urina, ou a presença de agentes osmoticamente ativos, como glicose, manitol, ou glicina (substância química usada nos líquidos de irrigação cirúrgica). Maratonistas, por exemplo, podem apresentar hiponatremia aguda pela ingestão de grandes quantidades de água em um período curto de tempo para reposição dos fluidos perdidos no suor. Pessoas que ingerem cronicamente quantidade excessiva de água, por opção ou devido a uma doença/estado clínico psicológico, podem apresentar hiponatremia crônica. O indivíduo também pode parecer ter baixo sódio quando o percentual de água no sangue diminui devido à presença de maior quantidade de proteínas ou lipídeos.

    Para calcular o gap osmótico, testes para sódio sanguíneo, nitrogênio ureico no sangue (NUS) e glicose devem ser realizados para o cálculo da osmolalidade esperada. Algumas versões do cálculo da osmolalidade esperada também incluem a dosagem de etanol. Exemplo de cálculo:

    Cálculo da osmolalidade sérica (etanol nem sempre incluído)

    2 x (Na+) + (Glicose/18) + (NUS/2.8) + (Etanol/3.8)

    Nota: glicose, NUS, e etanol podem ser relatados em mg/dL (miligramas por decilitro) ou mmol/L (milimole por litro). Os números mostrados na equação acima são usados para converter de mg/dL para mmol/L. Para mmol/L, a equação é:

    2 x (Na+) + (Glicose) + (NUS) + (Etanol)

    Gap osmótico sérico

    Osmolalidade sérica (medida) – osmolalidade sérica (calculada)

    Osmolalidade urinária é frequentemente solicitada junto com a osmolalidade sérica. É utilizada para avaliar o balanço hídrico do corpo e para investigar o aumento e diminuição da produção de urina. O aumento na produção de urina pode ser provocada pelo aumento de ingestão de líquidos, pela falta de quantidades adequadas de ADH, ou diabetes, com aumento nos níveis de glicose levando a um aumento na produção de urina. A diminuição da produção de urina pode ocorrer por diversas causas, incluindo a diminuição do fluxo sanguíneo para os rins, resposta adequada à desidratação ou dano às células tubulares dos rins. Os testes de sódio e creatinina urinária são geralmente pedidos em conjunto com a osmolalidade urinária. Por vezes, o gap osmótico urinário é calculado e usado para auxiliar na avaliação da capacidade renal em eliminar ácido e reabsorver bicarbonato, para detectar a presença de moléculas osmoticamente ativas, e para comparação com o gap osmótico sérico.

    Osmolalidade fecal pode, por vezes, ser solicitado para avaliar diarreia crônica, que parece não ser provocada por infecções bacterianas ou parasitárias, ou por alguma outra causa identificável, como inflamação ou dano intestinal. Pessoas com diarreia crônica aquosa apresentam alguma substância osmoticamente ativa, como um laxante comercial, que inibe a reabsorção de água pelos intestinos. Algumas vezes, é calculado o gap osmótico fecal.

  • Quando o exame é pedido?

    O teste de osmolalidade sérica e o osmótico podem ser solicitados quando o indivíduo apresenta sintomas que o médico suspeita serem devido à hiponatremia, como:

    • sede excessiva
    • confusão
    • náusea
    • dores de cabeça
    • letargia
    • em casos graves, convulsões ou coma

    Esses testes também são pedidos quando há suspeita de que o indivíduo tenha ingerido alguma toxina, como metanol ou etilenoglicol.

    O teste de osmolalidade urinária é feito em conjunto com o exame de sangue, quando o médico quer comparar os resultados urinários com a osmolalidade sérica e/ou quando o paciente examinado está produzindo quantidades aumentadas ou diminuídas de urina. Ambos os testes podem ser pedidos quando há suspeita que a pessoa tenha diabetes.

    O teste de osmolalidade pode ser feito em indivíduos assintomáticos com hiponatremia inexplicável, quando há descoberta de baixo nível de sódio durante realização de testes por outras razões. Os testes de osmolalidade urinária e sérica são, frequentemente, realizados para monitorar a eficácia do tratamento dessas doenças/estados clínicos e, periodicamente, no acompanhamento daqueles que tomam o medicamento manitol.
    Faz-se o teste de osmolalidade fecal quando o médico suspeita que a diarreia crônica do paciente é provocada por alguma substância osmoticamente ativa.

  • O que significa o resultado do exame?

    A osmolalidade é dinâmica e flutua dependendo da resposta do organismo na correção de desequilíbrios hídricos temporários. Os testes de osmolalidade urinária e sérica devem ser avaliados no contexto da apresentação clínica do indivíduo e em conjunto com os achados de outros testes, como sódio, glicose e NUS. Os resultados da osmolalidade não são diagnósticos. Eles sugerem que o paciente está com um desequilíbrio, mas não identificam a causa.

    Em geral, se a pessoa apresenta osmolalidade sérica aumentada, é devido à diminuição de água no sangue ou aumento de solutos. Se apresenta osmolalidade sérica diminuída, é causado pela maior retenção de líquidos.

    Quando o indivíduo apresenta gap osmótico aumentado e suspeita de ingestão de alguma toxina, como o metanol, então é provável que ele realmente o tenha ingerido porque o tamanho do gap está relacionado com a quantidade de toxina. Durante o monitoramento, se a osmolalidade, o gap osmótico e os achados, como o baixo nível de sódio, retornarem ao normal, então significa que o tratamento foi eficaz.

    Na terapia com manitol, o objetivo do acompanhamento é a manutenção de um gap osmótico "terapêutico" estável e alívio do cerebral edema.

    Osmolalidade sérica pode ficar aumentada com:

    Osmolalidade sérica pode ficar diminuída com:

    • excesso de hidratação
    • hiponatremia
    • secreção inadequada de ADH

    Quando a pessoa apresenta aumento na produção de urina e baixa osmolalidade, então ou quer eliminar o excesso de líquidos no organismo ou é incapaz de concentrar urina adequadamente. O aumento da produção de urina e uma osmolalidade elevada podem se observados quando há alguma substância sendo lavada do corpo, como o excesso de glicose no diabetes. Se o paciente apresenta diminuição na produção de urina com osmolalidade elevada, significa que pode estar desidratado. Se apresenta osmolalidade baixa ou normal, pode estar com dano renal.

    Osmolalidade urinária pode ficar aumentada com:

    Se o indivíduo apresenta osmolalidade fecal aumentada, então é provável que alguma substância osmoticamente ativa esteja causando a diarreia crônica aquosa. Isto pode ser observado no caso de má absorção e abuso de laxantes.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Algumas vezes é solicitado cálculo de "clearance de água livre" para auxiliar na avaliação da capacidade dos túbulos renais em concentrar e diluir a urina adequadamente. Quando a osmolalidade urinária está aproximadamente igual a osmolalidade plasmática, o clearance de água livre é zero. Quando o volume no sangue diminui e a urina fica concentrada, o clearance de água livre será negativo. Quando os níveis líquidos estão aumentados e a urina é diluída, então o clearance de água livre será positivo.

  • Qual a diferença entre osmolalidade e gravidade específica urinária?

    A gravidade específica é uma parte comum da urinálise: avalia o peso de sólidos na água. A osmolalidade e a gravidade específica geralmente se alteram em paralelo. Quando uma grande quantidade de moléculas grandes e pesadas (como glicose e proteína) está presentes na urina, os resultados serão opostos. A gravidade específica estará mais aumentada, por causa do peso das moléculas, enquanto a osmolalidade urinária terá um aumento menor refletindo o número de moléculas. Geralmente, a osmolalidade é considerada a medida mais exata da concentração de urina do que a gravidade específica.

  • Qual a diferença entre osmolalidade e osmolaridade?

    Osmolalidade mede a concentração de solutos em um fluido, observando o número de partículas por peso (quilogramas) de fluido. Osmolaridade avalia o número de partículas por volume (litro) do fluido. Com os fluidos diluídos, eles são essencialmente iguais, mas as diferenças serão mais visíveis em concentrações mais elevadas, e deve-se tomar cuidado ao compará-las com outras unidades de osmolalidade e osmolaridade.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition]. Pp 1361

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 613-616

S3
Peng, K. (2004 May 15). Management of Hyponatremia [29 paragraphs]. American Family Physician [On-line journal]. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/20040515/2387.html

S4
Agha, I. (2004 February 23, Updated). Osmolality [14 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003463.htm

S5
Agha, I. (2004 February 11, Updated). Osmolality-Urine [10 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003609.htm

S6
(© 2005). Electrolyte & Osmolality Profile, Fecal [2 paragraphs]. ARUP's User's Guide [On-line information]. Available FTP: http://www.aruplab.com/guides/ug/tests/0020699.jsp

S7
Reynolds, R. and Seckl, J. (2005 October 10) Hyponatraemia for the Clinical Endocrinologist [40 paragraphs]. Medscape, From Clinical Endocrinology 2005;63(4):366-374 [On-line journal article]. Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/514125?src=search

S8
Dufour, D. R. (1993 July 13). Osmometry, The Rational Basis for Use of an Underappreciated Diagnostic Tool [86 paragraphs]. Industry Workshop presentation for AACC Meeting New York, New York [On-line information]. Available FTP: http://www.osmolality.com/pdf/Osmometry.pdf