Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
24 de Abril de 2018.

Sem sintomas de doenças, bebês em geral não precisam de exames laboratoriais, porque foram feitos exames de triagem em recém-nascidos durante a primeira semana de vida. Entretanto, quando o médico identifica fatores de risco, podem ser pedidos exames de triagem, por exemplo, para deficiência de ferro, envenenamento pelo chumbo e tuberculose.

Exames de triagem
  • Envenenamento por chumbo

    O chumbo faz parte da composição de tintas, de aditivos da gasolina, de encanamentos e de latas de alimentos. Alguns desses usos foram proibidos em muitos países, mas construções antigas ainda contêm pinturas, encanamentos e água contaminados. O solo e as passagens em torno das construções também podem estar nas mesmas condições. Crianças que moram ou passam muito tempo nesses ambientes estão em risco de inalar ou ingerir poeira, água, pintura solta ou alimentos contaminados. Outras fontes de contaminação ocorrem próximo a indústrias que usam chumbo, como fundições.

    A exposição de crianças pequenas pode lesar o cérebro e outros órgãos, causando problemas de comportamento e atrasos de desenvolvimento. O envenenamento de origem ambiental costuma ocorrer no início da infância. Na maioria dos casos, a exposição não apresenta sintomas, e a diminuição da capacidade de aprendizado só é percebida quando a criança inicia a vida escolar.

    Crianças em risco devem ser identificadas e examinadas. Alguns questionários permitem avaliar o risco, enquanto a dosagem de chumbo no sangue mede a intensidade da exposição. Considera-se excessivo um nível sanguíneo acima de 10 µg/dL, mas não está determinado um nível abaixo do qual não ocorrem efeitos nocivos.


    Fontes

    Advisory Committee on Childhood Lead Poisoning Prevention, US Centers for Disease Control and Prevention. Interpreting and managing blood lead levels less than 10 µ g per dL in children and reducing childhood exposures to lead. 2 Nov 2007. MMWR 56(RR08):1-14;16. Available on the internet through http://www.cdc.gov/mmwr/. Accessed 10 Jan 2008.

    American Academy of Pediatrics. Lead exposure in children: prevention, detection, and management (policy statement). Oct 2005. Pediatrics 116;4:1036-1046.

    US Centers for Disease Control and Prevention. Recommendations from the Advisory Committee on Childhood Lead Poisoning Prevention. Mar 2002. Available on the internet through http://www.cdc.gov/nceh/. Reaacessed 4 Dec 2007.

    US Centers for Disease Control and Prevention. Screening young children for lead poisoning: guidance for state and local public health officials. Nov 1997. PDF available for download though http://www.cdc.gov/nceh. Reaccessed 4 Dec 2007.

    US Centers for Disease Control and Prevention. General lead Information: questions and answers. Available on the internet through http://www.cdc.gov/nceh/. Reaccessed 4 Dec 2007.

  • Tuberculose

    No Brasil, a tuberculose ainda é comum, especialmente em pessoas que vivem em aglomerações (como favelas e prisões), em usuários de drogas e pessoas contaminadas com o vírus HIV. A vacinação com BCG é feita em todos os recém-nascidos com mais de 2 kg de peso, e pode ser repetida se o teste intradérmico permanecer negativo.

    As crianças em risco, porque convivem com pessoas que têm tuberculose ou porque pertencem a grupos de risco, são avaliadas com o teste intradérmico (PPD) e com radiografias de tórax e outros exames. O teste intradérmico fornece uma medida da imunidade da criança à tuberculose, conferida pela vacina ou por uma infecção assintomática anterior. Crianças com teste negativo podem ser revacinadas. As radiografias de tórax identificam lesões pulmonares ou de linfonodos mediastínicos. A pesquisa e a cultura de bacilos álcool ácido resistentes (BAAR) no escarro confirmam a doença.


    Links
    US Centers for Disease Control and Prevention: Fact sheet on TB
    University of Iowa’s Virtual Children’s Hospital: TB


    Fontes

    US Centers for Disease Control and Prevention. QuantiFERON-TB Gold Test (fact sheet). Last modified 16 Nov 2007. Available on the internet through http://www.cdc.gov. Reaccessed 6 December 2007.

    University of Iowa Health Care. Tuberculosis. Last modified 19 Oct 2006. Available on the internet through http://www.uihealthcare.com. Reaccessed 6 Dec 2007.

    D’Alessandro D and Huth L. Pediatrics common questions, quick answers: TB (tuberculosis). Last revised Apr 2002. Children’s Virtual Hospital and The University of Iowa. Available on the internet. Reaccessed 6 Dec 2007.

    History of TB: the recent TB epidemic. 26 Feb 2001. New Jersey Medical School and National Tuberculosis Center, University of Medicine and Dentistry of New Jersey. Available on the internet through http://www.umdnj.edu. Reaccessed 6 Dec 2007.

    US Centers for Disease Control and Prevention. Targeted tuberculin testing and treatment of latent tuberculosis infection (American Thoracic Society/CDC statement). 9 Jun 2000. MMWR 49(RR06);1-54. Available on the internet through http://www.cdc.gov/mmwr/. Reaccessed 6 Dec 2007.

    Tuberculosis. In: Caring for Your Baby and Young Child: Birth to Age 5. 1999. Bantam. Excerpt available on the internet through http://www.medem.com. Reaccessed 6 Dec 2007.

  • Deficiência de ferro

    Bebês crescem com rapidez e precisam da ingestão de ferro para seu desenvolvimento normal. Durante os primeiros seis meses de vida, eles usam as reservas de ferro disponíveis. A partir dessa idade, se o bebê não ingerir ferro em quantidade suficiente desenvolve uma deficiência que afeta seu desenvolvimento e causa anemia. Mesmo após a correção da deficiência, podem permanecer atrasos do desenvolvimento físico e mental.

    O uso precoce ou prolongado de leite bovino é um fator de risco. Bebês alimentados com leite materno em geral recebem uma quantidade adequada de ferro, a não ser quando a mãe tem carência de ferro. Bebês prematuros ou de baixo peso ao nascer também têm um risco aumentado. Em alguns casos, a carência é resultante de perda de sangue ou de algum problema na absorção de ferro no tubo digestivo.

    A American Academy of Pediatrics (AAP), dos EUA, publicou, em 2010, recomendações sugerindo a dosagem de hemoglobina em todos os bebês com um ano de idade, ou em qualquer momento em que forem detectados fatores de risco, incluindo:

    • Bebês prematuros ou de baixo peso
    • Pais imigrantes ou refugiados de países em desenvolvimento
    • Lares de baixa renda
    • Dieta:
      • Leite bovino antes de 12 meses de idade ou durante mais de 24 meses após 12 meses de idade
      • Fórmula sem reforço de ferro durante mais de duas semanas
      • Leite materno de mãe com carência de ferro durante mais de seis meses
    • História clínica:
      • Medicamentos
      • Perda
      • Infecção
      • Dieta

    Em alguns ambientes, o médico pode preferir a triagem de todos os bebês, seguida de outros exames quando necessário.


    Link
    American Academy of Family Physicians: Iron deficiency anemia in infants and children: how to prevent it


    Fontes

    US Preventive Services Task Force. Iron deficiency anemia, screening. In: Guide to Clinical Preventive Services, 2007. Available on the internet through http://www.ahrq.gov. Accessed 4 December 2007.

    American Academy of Pediatrics, Committee on Practice and Ambulatory Medicine and Bright Futures Steering Committee. Recommendations for preventive pediatric health care. Dec 2007. Pediatrics 120(6):1376.

    American Academy of Family Physicians. Iron deficiency anemia in infants and children: how to prevent it. (Reviewed/updated Jun 2006.) Available on the internet through http://familydoctor.org. Reaccessed 3 Dec 2007.

    American Academy of Family Physicians. Summary of policy recommendations for periodic health examinations. 2003 Aug. Leawood, Kansas.

    Keepkidshealthy.com. Preventing iron deficiency anemia. Updated 19 Oct 2003. Available on the internet through http://www.keepkidshealthy.com. Reaccessed 3 Dec 2007.

    Green M and Palfrey JS. Bright futures: guidelines for health supervision of infants, children, and adolescents (pocket guide) (2nd ed.). 2002. American Academy of Pediatrics and Georgetown University. Available on the internet through http://www.brightfutures.org. Reaccessed 3 Dec 2007.

    Kazal LA. Prevention of iron deficiency in infants and toddlers. 1 Oct 2002. American Family Physician. Available on the internet through http://www.aafp.org. Reaccessed 3 Dec 2007.

    US Centers for Disease Control and Prevention. Recommendations to prevent and control iron deficiency in the United States. 3 Mar 1998. MMWR 47(RR-3):1-36. Available on the internet through http://www.cdc.gov/mmwr/. Reaccessed 3 Dec 2007.

    US Department of Health and Human Services. Put prevention into practice: clinician’s handbook of preventive services (2nd ed.): children and adolescents—screening, Anemia (chapter 1).

Fontes gerais

Schedules for children and adolescents—United States, 2008 (policy statement). Jan 2008. Pediatrics 121(1):219-220.

Hagan JF, Shaw JS and Duncan PM, eds. Bright Futures Guidelines: Guidelines for Health Supervision of Infants, Children, and Adolescents (3rd ed.). 2008. Elk Grove Village, Ill: American Academy of Pediatrics.

Institute for Clinical Systems Improvement (ICSI). Preventive services for children and adolescents. Bloomington (MN): Institute for Clinical Systems Improvement (ICSI); 2007 Oct.

Biagioli F et al. What are appropriate screening tests for infants and children? Sep 2006. Journal of Family Practice 55;9:803-808.

Green M and Palfrey JS. Bright Futures: Guidelines for Health Supervision of Infants, Children, and Adolescents, Pocket Guide (2nd rev.). 2002. National Center for Education in Maternal and Child Health. Available on the internet through http://www.brightfutures.org. Reaccessed 3 Dec 2007.

American Academy of Pediatrics, Committee on Practice and Ambulatory Medicine. Recommendations for preventive pediatric health care (policy statement). Mar 2000. Pediatrics 105(3):645-646.