Também conhecido como
PCR de alta sensibilidade, PCR ultrassensível, PCRus
Nome formal
Proteína-C reativa de alta sensibilidade
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
21 de Junho de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Útil na avaliação do risco de desenvolver doença cardíaca, doença cardiovascular ou outros processos que envolvem inflamação.

Quando fazer este exame?

Não existe consenso atual sobre quando fazer o teste. O PCRus é realizado com mais frequência junto com outros testes feitos para avaliar o risco de doença do coração, como um perfil lipídico (colesterol, triglicerídeos, HDL-C, LDL-C).

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de uma veia do braço. 

É necessária alguma preparação?

Se também for realizado o perfil lpídico, é necessário manter jejum de 9 a 12 horas antes de colher a amostra de sangue.

O que está sendo pesquisado?

A proteína-C reativa é produzida pelo fígado e liberada na corrente sanguínea. Ela pode ser medida por dois testes diferentes: o teste PCR e o teste PCR de alta sensibilidade (PCRus). Cada um deles mede intervalos diferentes de níveis de PCR no sangue. O teste de PCRus pode detectar com mais precisão concentrações menores da proteína (é mais sensível) que o teste de PCR padrão. A PCR aumenta na inflamação e na infecção, assim como, após um infarto do miocárdio (IM, ataque cardíaco), cirurgia e trauma. Por isso, é uma das várias proteínas que são frequentemente denominadas como reativas de fase aguda e é utilizada para monitorar alterações na inflamação associada a muitas infecções e doenças autoimunes.

Atualmente, acredita-se que a inflamação desempenhe um papel importante na aterosclerose (estreitamento de vasos do sangue devido ao acúmulo de colesterol e outros lipídeos), que está frequentemente associada à doença cardiovascular (DCV). Estudos demonstraram que a determinação da PCR com metodologia aperfeiçoada de ensaio de alta sensibilidade pode identificar o nível de risco para DCV em pessoas aparentemente saudáveis. Para indivíduos em alto risco, esse teste mais sensível permite determinar concentrações menores de PCR que podem estar dentro do intervalo normal, mas consistentemente no limite superior do intervalo. Descobriu-se que esses níveis normais, mas relativamente elevados de PCR, em indivíduos saudáveis, podem prever risco futuro de um ataque cardíaco, derrame, morte súbita cardíaca e doença arterial periférica, mesmo quando os níveis de colesterol estão dentro da faixa aceitável.

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue é retirada com uma agulha de uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Nenhuma preparo para o teste é necessário. Entretanto, poderá ser indicado jejum de 9 a 12 horas antes da colheita da amostra de sangue se for realizado um perfil lipídico (incluindo triglicerídeos). Além disso, o paciente deve estar saudável no momento da colheita da amostra, sem quaisquer doenças, infecções, inflamação ou outras lesões de tecidos recentes.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    Há dois tipos diferentes de testes para PCR. O teste padrão mede um intervalo muito maior de níveis de PCR, mas é menos sensível em intervalos menores. O teste de PCRus pode detectar com mais precisão concentrações menores da proteína (é mais sensível), o que o torna mais útil que o de PCR para prever o risco de uma pessoa saudável apresentar doença cardiovascular.

    Alguns especiailstas defendem o PCRus como um teste para determinar o nível de risco potencial para doença cardiovascular, ataques cardíacos e derrames. Atualmente, considera-se que o PCRus pode desempenhar um papel no processo de avaliação antes que se encontre um desses problemas de saúde. Têm sido realizados ensaios clínicos adicionais que envolvem a medição dos níveis de PCRus. Também há estudos para compreender melhor seu papel em eventos cardiovasculares, o que pode, eventualmente, levar a orientações sobre seu uso em triagens e decisões de tratamento.

  • Quando o exame é pedido?

    O PCRus geralmente é solicitado como um de vários testes em um perfil de risco cardiovascular, frequentemente em conjunto com testes para colesterol e triglicerídeos. Alguns especialistas afirmam que a melhor maneira para prever o risco é combinar um bom marcador para inflamação, como a PCRus junto com o perfil lipídico.

  • O que significa o resultado do exame?

    Pessoas com níveis de PCRus mais elevados têm maior risco para doença cardiovascular, enquanto as que apresentam valores mais baixos têm um risco menor. Especificamente, indivíduos que apresentam resultados de PCRus no limite superior do intervalo normal têm de 1,5 a 4 vezes mais risco de sofrer um ataque cardíaco do que aqueles com valores de PCRus no limite inferior do intervalo normal.

    A American Heart Association e o US Centers for Disease Control and Prevention, dos Estados Unidos, definiram os grupos de risco do seguinte modo:

    • Baixo risco: inferior a 1,0 mg/L
    • Médio risco: 1,0 a 3,0 mg/L
    • Alto risco: acima de 3,0 mg/L

    Esses valores são apenas uma parte do processo de avaliação geral para doenças cardiovasculares. Os outros fatores de risco que devem ser considerados são níveis elevados de colesterol, LDL-C, triglicerídeos e glicose. Além disso, fumar, ter pressão arterial elevada (hipertensão), e ser diabético também elevam o nível de risco.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Tomar drogas anti-inflamatórias não esteroides (AINEs como aspirina, ibuprofeno e naproxeno) ou estatinas pode reduzir os níveis de PCR no sangue. Tanto as drogas anti-inflamatórias quanto as estatinas podem ajudar a reduzir a inflamação, diminuindo, assim, a PCR.

    Como o teste de PCRus pode servir como um marcador para inflamação, é importante que qualquer pessoa ao fazer o teste esteja em uma condição saudável para que os resultados tenham valor na previsão de risco de doença coronariana ou ataque cardíaco. Qualquer doença recente, lesão de tecidos, infecção ou outra inflamação geral irá elevar a quantidade de PCR e fornecer um risco estimado falsamente elevado.

    Demonstrou-se que mulheres em terapia de reposição hormonal apresentam níveis elevados de PCRus, o que sugere que esse teste pode ser útil para prever eventos cardiovasculares futuros.

    Como os testes de PCRus e PCR medem a mesma molécula, pessoas com inflamação crônica, como artrite, não devem ter os níveis de PCRus medidos. Seus níveis de PCR serão muito elevados devido à artrite – frequentemente altos demais para serem medidos ou para o emprego do teste de PCRus.

  • A PCRus é específica para prever doença cardíaca?

    Como a PCR é um marcador de inflamação, sua elevação pode refletir um baixo nível de inflamação que poderá se manifestar no futuro de diversos modos. A maioria dos estudos até agora se concentrou em doença do coração, mas novas pesquisas demonstram que ter uma PCR no valor máximo do intervalo normal também pode estar associado a outras doenças como câncer de cólon, complicações do diabetes e obesidade.

  • Eu já fiz teste de colesterol, mas nunca um teste de PCRus. Por quê?

    A metodologia tradicional do teste para PCR já está disponível há alguns anos. Entretanto, o teste de PCRus é relativamente novo, e os especialistas ainda não concordam sobre quando e com que frequência ele deve ser feito. À medida que mais estudos clínicos são concluídos para resolução de problemas cardiovasculares, esse teste pode ser mais solicitado com mais frequência.

  • Qual é a diferença entre o teste de PCR normal e o PCRus?

    Ambos medem a mesma molécula no sangue. O teste de PCRus é para pessoas aparentemente saudáveis, para determinar o seu risco de doença cardiovascular. Ele mede a PCR em um intervalo de 0,5 a 10 mg/L. O teste PCR é indicado para pacientes em risco de infecção bacteriana ou viral (após uma cirurgia, por exemplo) ou pacientes com doenças inflamatórias crônicas (como artrite reumatoide). Ele mede a PCR em um intervalo de 10 a 1000 mg/L.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

Fontes usadas neste artigo

MedlinePlus Medical Encyclopedia. C-reactive protein. Available online at http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003356.htm. Accessed December 2008.

The Evolving Role of High-Sensitivity C-Reactive Protein in Cardiovascular Health: An Expert Interview With Paul M. Ridker, MD. Posted 01/03/2006. Available online at http://www.medscape.com/viewarticle/519642 through http://www.medscape.com. Accessed December 2008.

Fontes usadas em revisões anteriores

American College of Cardiology clinical trials pages. Available online at http://www.acc.org/education/online/trials/acc2001/prince.htm through http://www.acc.org.

Santa Fe Colloquium on Preventive Cardiovascular Therapy. Available online at http://www.acc.org/education/online/sante%5Ffe/ridker.htm through http://www.acc.org.

Ridker PM, Stampfer MJ, Rifai N. Novel risk factors for atherosclerosis: a comparison of C-reactive protein, fibrinogen, homocysteine, lipoprotein(a), and standard cholesterol screening as predictors of peripheral arterial disease. JAMA 2001; 285:2481-2485. (May 16, 2001).

Ridker PM, Hennekens CH, Buring JE, and Rifai N. C-reactive protein and other markers of inflammation in the prediction of cardiovascular disease in women. NEJM 2000; 342:836-843. (March 23, 2000).

ARUP Lab fact sheet. Available online at http://www.aruplab.com/guides/clt through http://www.aruplab.com.

American Heart Association Journal Report 01/28/2003. AHA/CDC panel issues recommendations on CRP testing. Available online at http://www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=3007984 through http://www.americanheart.org.