Também conhecido como
Eletroforese de proteínas séricas
EPS
EFPS
Eletroforese de proteínas urinárias
EPU
EFPU
EFI
Nome formal
Eletroforese de proteínas; Eletroforese e imunofixação
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
15 de Janeiro de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para auxiliar no diagnóstico de mieloma múltiplo e de diversas outras doenças que afetam absorção, produção e perda de proteínas, como em doenças graves e na desnutrição.

Quando fazer este exame?

Quando o paciente apresenta níveis anormais de proteínas totais ou de albumina, ou quando o médico suspeita de uma doença que afete as concentrações sanguíneas das proteínas e/ou causem perda proteica na urina.

Amostra:

Amostra de sangue venoso colhida no braço. Algumas vezes é usada amostra de urina de 24 horas ou aleatória.

É necessária alguma preparação?

Nenhum preparo é necessário.

O que está sendo pesquisado?

A eletroforese de proteínas é um método para separação das proteínas encontradas no soro ou na urina. A eletroforese e imunofixação é um método para detecção de proteínas específicas, geralmente imunoglobulinas.

Na eletroforese as proteínas séricas são separadas em cinco ou seis grupos principais. Essas frações são denominadas albumina, alfa 1, alfa 2, beta e gama. A fração beta algumas vezes é subdividida em beta 1 e beta 2. A albumina, que é produzida no fígado, representa cerca de 60% das proteínas no sangue. O termo “globulina” é genérico e refere-se a todas as proteínas não albuminas. Com exceção das imunoglobulinas e de algumas proteínas complementares, a maioria das globulinas também é produzida pelo fígado. As principais proteínas plasmáticas e suas funções são tabeladas de acordo com seu grupo na eletroforese, em um quadro intitulado Grupos Proteicos.

Esses grupos proteicos são separados em bandas no processo de eletroforese e formam padrões característicos. As alterações nesses padrões estão associadas a diversas doenças e quadros clínicos. O exemplo mais importante é o surgimento de uma banda específica, ou monoclonal, entre as gamaglobulinas. Normalmente, as gamaglobulinas se apresentam no exame com um padrão regular de coloração proteica sem qualquer banda distinta. Nos pacientes com mieloma múltiplo, o crescimento e a divisão descontrolados de plasmócitos malignos levam à produção de grandes quantidades de um tipo específico de imunoglobulina. A proteína anormal pode ser vista como uma banda característica no gel de eletroforese e é identificada por imunofixação que indica qual imunoglobulina é anormal.

Como a amostra é obtida para o exame?

A amostra de sangue é coletada em veia do braço. Algumas vezes é necessário amostra de urina de 24 horas ou aleatória.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo para o teste.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    A eletroforese é usada para identificar a presença de proteínas anormais, para comprovar a ausência de proteínas normais e para determinar que grupos específicos de proteínas estão aumentados ou reduzidos no soro. O exame é solicitado com frequência para detectar e identificar proteínas monoclonais – produção excessiva de um tipo específico de imunoglobulina. A eletroforese de proteínas com imunofixação é pedida para auxiliar a detectar, diagnosticar e monitorar a evolução e os resultados do tratamento das doenças associadas à presença desses proteínas anormais, incluindo mieloma múltiplo e algumas outras doenças relacionadas.

    Normalmente, as proteínas são excretadas em quantidades mínimas na urina. Quando presentes em quantidades de moderadas a intensas indicam algum grau de disfunção renal e/ou produção anormal de proteínas. A principal razão para fazer o teste eletroforese de proteínas urinárias e imunofixação é investigar a produção de proteína monoclonal. Esta pode surgir tanto no soro quanto na urina, ou apenas na urina.

    A eletroforese de proteínas urinárias também pode ser pedida como auxiliar no diagnóstico da causa e estimativa da gravidade da excreção proteica causada por lesão ou doença renal. Esse dano ou essa doença podem ser provocados por diabetes melito, inflamação crônica, doença autoimune ou câncer. A eletroforese geralmente não é necessária para avaliar perdas de leves a moderadas de proteínas causadas por quadros temporários, como infecção urinária e inflamação aguda.

  • Quando o exame é pedido?

    A eletroforese de proteínas pode ser solicitada quando o médico investiga sintomas que sugerem mieloma múltiplo, tais como dor óssea, anemia, fadiga, fraturas inexplicáveis e infecções recorrentes. Também pode ser solicitada como complemento de outros testes laboratoriais alterados, como níveis anormais de proteínas totais e/ou de albumina, níveis elevados de proteínas na urina, níveis aumentados de cálcio e contagens baixas de glóbulos vermelhos ou brancos. A eletroforese com imunofixação geralmente é solicitada quando a eletroforese de proteínas revela a presença de uma banda anormal que pode ser uma imunoglobulina.

    Uma vez que uma doença ou quadro clínico tenha sido diagnosticado, a eletroforese pode ser pedida a intervalos regulares para monitorar o curso da doença e a efetividade do tratamento.

    A produção de proteína monoclonal pode ser provocada por uma gamopatia monoclonal de significado clínico indeterminado (MGUS). A maioria dos pacientes com MGUS evolui com curso benigno, mas devem ser monitorados regularmente, uma vez que alguns desses pacientes podem evoluir com mieloma múltiplo ao longo de alguns anos.

    A eletroforese de proteínas séricas é solicitada quando os sintomas indicam doença inflamatória, doença autoimune, infecção aguda ou crônica, doença hepática ou renal ou algum quadro que leve a perda de proteínas. A eletroforese de proteínas é pedida quando se detecta proteína na urina ou quando o médico suspeita da presença da proteína monoclonal.

  • O que significa o resultado do exame?

    A eletroforese de proteínas com imunofixação permite ao médico estimar grosseiramente a quantidade de cada proteína. O valor desse teste está nas proporções de proteínas e os padrões que criam no gráfico da eletroforese. O valor da eletroforese com imunofixação está na possibilidade de identificar a presença de um tipo particular de imunoglobulina.

    Determinadas doenças ou estados clínicos podem estar associados à redução ou aumento em diversas proteínas séricas, como mostrado a seguir.

    Albumina
    Reduzida:

    Aumentada:

    Alpha1 globulina

    Reduzida:

    • Enfisema congênito (deficiência de a1-antitripsina, uma doença genética rara)
    • Doença hepática grave
       

    Aumentada:

    Alpha2 globulina
    Reduzida:

    • Hipertireoidismo
    • Doença hepática grave
    • Hemólise
       

    Aumentada:

    • Doença renal (síndrome nefrótica)
    • Doença inflamatória aguda ou crônica
       

    Beta globulina
    Reduzida:

    Aumentada:

    Gamaglobulina
    Reduzida:

    • Diversas doenças imunes genéticas
    • Deficiência imune secundária
       

    Aumentada:

                - Macroglobulinemia de Waldenström
                - Mieloma múltiplo
                - Gamopatia monoclonal de significado clínico indeterminado (MGUS)

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    As imunizações realizadas nos seis meses anteriores podem aumentar as imunoglobulinas, assim como alguns medicamentos: fenitoína, procainamida, contraceptivos orais, metadona e gamaglobulina com fins terapêuticos.

    Aspirina, bicarbonatos, clorpromazina, corticosteroides e neomicina podem alterar os resultados da eletroforese.

  • A eletroforese é usada com alguma outra finalidade?

    Sim, sempre que se deseja separar moléculas. Por exemplo, a eletroforese de DNA é usada como auxiliar no exame genético de plantas, animais e humanos.

Grupos Proteicos

 

Major plasma proteins and their functions listed according to their electrophoretic group

GROUP PROTEIN FUNCTION
Albumin Albumin Main plasma protein; reduces tissue water accumulation, transports many substances
Alpha1-globulin Alpha1-Antitrypsin Inactivates trypsin and other proteolytic enzymes, reduces damage from inflammation
Orosomucoid Immune response modifier, drug binds acidic drugs such as lidocaine
High Density Lipoprotein (HDL) Reverse transport of cholesterol ("good cholesterol")
Alpha2-globulin Alpha2-Macroglobulin Binds to and inactivates enzymes, preventing tissue damage
Haptoglobin Hemoglobin-binding protein
Ceruloplasmin Copper-containing enzyme, involved in normal iron metabolism
Beta-globulin Transferrin Iron transport and delivery to cells
Low Density Lipoprotein (LDL) Cholesterol delivery to tissue
Complement component 3 Helps regulate inflammatory response to foreign substances
IgA Immunoglobulin involved in secretions
Gamma-globulin    IgG Major immunoglobulin; long term immunity 
IgM Initial response immunoglobulin 
C-reactive protein Inflammatory response mediator 
Fibrinogen Coagulation factor (found only in plasma, not serum) 
Páginas relacionadas

Neste site

Exames relacionados:  Albumina; Proteínas totais; Testes de anticorpos; Imunoeletroforese

Estados clínicos/Doenças: Mieloma MúltiploDoença RenalDoença Hepática

Em outros sites da Internet

The Electrophoresis Society 
University of Utah: Gel Electrophoresis

Veja todas as fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S2
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2001). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 5th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO.

S3
Spengler, Renee (2002 September 5, Updated). 9 [ paragraphs]. LaurusHealth.com Health Library, Medical Tests [On-line information]. Available online

S4
Thomson Corporation (2002). Immunoelectrophoresis [20 paragraphs]. Hendrick Health System, AccessMed Health Information Library [On-line information]. Available online: http://www.ehendrick.org/healthy/

S5
Thomson Corporation (2002). Protein Electrophoresis [21 paragraphs]. Hendrick Health System, AccessMed Health Information Library [On-line information]. Available online: http://www.ehendrick.org/healthy/

S6
Thomson Corporation (2003 January 28). Immunoelectrophoresis [23 paragraphs]. BluePrint for Health, BC/BS of Minnesota [On-line information]. Available online: http://blueprint.bluecrossmn.com/topic/topic100587005

S7
Immunofixation Electrophoresis, Quantitative [20 paragraphs]. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information]. Available online: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_al4b.htm#1152005

S8
Protein Electrophoresis [20 paragraphs]. ARUP's Guide to Clinical Laboratory Testing (CLT) [On-line information]. Available online: http://www.aruplab.com/guides/clt/tests/clt_155b.htm#1145652

S9
Elstrom, R. (2001 October 21, Updated). Immunoelectrophoresis - serum [15 paragraphs]. MEDLINEplus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003541.htm

S10
Elstrom, R. (2001 November 3, Updated). Immunoelectrophoresis - urine [14 paragraphs]. MEDLINEplus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003592.htm

S11
Elstrom, R. (2001 October 21, Updated). Protein electrophoresis - serum [17 paragraphs]. MEDLINEplus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003540.htm

S12
Elstrom, R. (2001 November 3, Updated). Protein electrophoresis - urine [14 paragraphs]. MEDLINEplus Medical Encyclopedia [On-line information]. Available online: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003589.htm

S13
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp. 775-780.

S14
Clarke, W. and Dufour, D. R., Editors (2006). Contemporary Practice in Clinical Chemistry, AACC Press, Washington, DC. Pp. 197-210.

S15
Wu, A. (2006). Tietz Clinical Guide to Laboratory Tests, Fourth Edition. Saunders Elsevier, St. Louis, Missouri. Pp. 922-926.

S16
Nanda, R. (2007 March 8, Updated). Protein electrophoresis – serum [25 paragraphs]. MedlinePlus Medical Encyclopedia [On-line information]. Accessed on: 9/09/07. Available FTP: http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003540.htm

S17
(2005 January 1). O’Connell, T. et. al. Understanding and Interpreting Serum Protein Electrophoresis [23 paragraphs]. American Family Physician 2005;71(1):105-112. [On-line journal article]. Accessed on: 9/09/07. Available FTP: http://www.aafp.org/afp/20050101/105.html

S18
Lonial, S. (2005 September 9, Reviewed). Multiple Myeloma Diagnosis and Staging [28 paragraphs]. Multiple Myeloma Research Foundation [On-line information]. Accessed on: 9/09/07. Available FTP: http://www.multiplemyeloma.org/about_myeloma/2.05.php