Também conhecido como
Teste de anticorpo antinuclear
teste fluorescente para anticorpos antinucleares
FANA
Anticorpos contra antígenos nucleares extraíveis
ENA
Nome formal
Teste de anticorpo antinuclear
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em
15 de Janeiro de 2018.
De relance
Por que fazer este exame?

Para triagem de algumas doenças autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico (LES), polimiosite e outras.

Quando fazer este exame?

Quando o médico considera que o paciente apresenta sintomas de doença autoimune.

Amostra:

Uma amostra de sangue retirada de veia do braço.

É necessária alguma preparação?

Não é necessário preparo. Entretanto, alguns medicamentos interferem com o teste. Por isso, é importante informar o médico sobre qualquer medicamento que estiver tomando.

O que está sendo pesquisado?

O FAN identifica a presença de anticorpos antinucleares (ANA) no sangue. Os ANA formam um grupo de anticorpos especiais produzidos pelo sistema imune quando este perde a capacidade de distinguir entre o que é “próprio” e o que é “não-próprio”. Esses autoanticorpos atacam as células do próprio organismo causando sinais e sintomas como os associados a inflamação de tecidos e órgãos, dor articular e muscular e fadiga. A presença de FAN é considerada como indicador de processo autoimune e está associada a diversas doenças autoimunes, mas é mais comumente encontrada em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES)

Como a amostra é obtida para o exame?

Uma amostra de sangue colhida de uma veia do braço.

NOTA: Se exames médicos em você ou em alguém importante para você o deixam ansioso ou constrangido, ou se você tem dificuldade de lidar com eles, leia um ou mais dos seguintes artigos: Lidando com dor, desconforto ou ansiedade durante o exame, Conselhos sobre exames de sangue, Conselhos para ajudar crianças durante exames médicos, e Conselhos para ajudar idosos durante exames médicos.

Outro artigo, Siga essa amostra, fornece uma visão da coleta e do processamento de uma amostra de sangue e de uma amostra de cultura da garganta.

É necessário algum preparo para garantir a qualidade da amostra?

Não há necessidade de preparo. No entanto, alguns medicamentos interferem com o teste. Por isso,informe o médico sobre qualquer medicamento que estiver tomando.

Accordion Title
Perguntas frequentes
  • Como o exame é usado?

    O teste de FAN é solicitado para ajudar na triagem de doenças autoimunes e é usado com maior frequência como um dos testes para investigação de lúpus eritematoso sistêmico (LES). Dependendo dos sintomas do paciente e do diagnóstico suspeito, pede-se esse teste junto com um ou mais testes de autoanticorpos. Também podem ser feitos outros testes laboratoriais associados à presença de inflamação, como velocidade de hemossedimentação (VHS) e/ou proteína C-reativa(PCR). O FAN pode ser seguido por exames adicionais que são considerados subconjuntos do teste geral para anticorpos antinucleares e que são usados em conjunto com a história clínica do paciente para afastar o diagnóstico de doença autoimune.

  • Quando o exame é pedido?When is it ordered?

    O teste para FAN deve ser solicitado quando o paciente apresenta sinais e sintomas associados a Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) ou a outra doença autoimune. Também é possível pedi-lo quando o paciente já tem diagnóstico de doença autoimune e o médico suspeita que está evoluindo com outro distúrbio autoimune adicional. Os pacientes com distúrbio autoimune podem apresentar uma ampla variedade de sintomas, como febre baixa, dor articular, fadiga e/ou exantemas sem explicação que variam com o tempo.

  • O que significa o resultado do exame?

    Os testes para FAN são realizados utilizando diferentes métodos (microscopia com imunofluorescência indireta ou ensaio de imunoadsorção ligada a enzima - ELISA) e os resultados são relatados como um título com um tipo particular de padrão de imunofluorescência (quando positivo). Títulos baixos são considerados negativos, enquanto os títulos altos, como 1:320, são positivos e indicam concentração elevada de anticorpos antinucleares.

    Na imunofluorescência indireta os ANA aparecem como padrões fluorescentes em células que são fixadas em lâmina que é analisada em microscópio. Os diferentes padrões estão associados a diversas doenças autoimunes. Seguem alguns dos padrões mais comuns:

     

    • Homogêneo (difuso) – Associado a LES e doença mista do tecido conjuntivo.
    • Pontilhado – Associado a LES, síndrome de Sjogren, esclerodermia, polimiosite, artrite reumatoide e doença mista do tecido conjuntivo.
    • Nuclear – Associado a esclerodermia e polimiosite
    • Padrão periférico – Associado a LES.

     

    Um exemplo de resultado positive seria: “Positivo com diluição de 1:320 e padrão homogêneo’”.

    O resultado positivo no teste para FAN sugere doença autoimune, mas há necessidade de exames complementares específicos para auxiliar a firmar o diagnóstico final. Os resultados podem ser positivos em indivíduos sem qualquer doença autoimune conhecida. Embora não seja comum, a frequência de resultados falso-positivos aumenta à medida que o indivíduo envelhece.

    Além disso, o teste de FAN pode se tornar positivo antes que surjam sinais e sintomas de doença autoimune. Assim, é possível que demore algum tempo até que se possa afirmar o significado de um teste para FAN positivo em um indivíduo assintomático (sem sintomas). A maioria dos testes positivos para FAN não tem significância e, assim, os médicos devem tranquilizar seus pacientes, mas é preciso continuar atentos para o surgimento de sinais e sintomas que possam sugerir uma doença autoimune.

    Cerca de 95% dos pacientes com LES apresentam teste positivo para FAN. Se um paciente possuir sintomas para essa doença, como artrite, exantema e trombocitopenia autoimune, provavelmente será portador de LES. Nesses casos, o resultado positivo para FAN pode ser útil para corroborar  o diagnóstico de LES. Podem ser feitos dois testes para tipos específicos de autoanticorpos, como anti-DNA dupla-hélice (anti-dsDNA) e anti-SM, para confirmar o diagnóstico.

    O teste de FAN positivo também pode indicar que o paciente é portador de lúpus induzido por medicamento. Esse quadro está associado ao desenvolvimento de autoanticorpos para histona, que são proteínas hidrossolúveis ricas nos aminoácidos lisina e arginina. Faz-se o teste para detecção de anti-histona para confirmar o diagnóstico de lúpus induzido por medicamento.

    Outras doença com resultado positivo no teste para FAN:

     

    • Síndrome de Sjögren - Entre 40% e 70% dos pacientes com essa doença apresentam teste positivo para FAN. Embora esse achado confirme o diagnóstico, um resultado negativo não é capaz de afastar essa possibilidade. O médico pode indicar a pesquisa de dois subtipos de FAN: anti-SS (Ro) e anti-SS-B (La). A frequência de autoanticorpos contra SSA em pacientes com síndrome de Sjögren pode ser de 90% ou mais.
    • Esclerodermia - Cerca de .60% dos pacientes com esclerodermia apresentam resultado positivo para FAN. Nos pacientes que possam ser portadores de esclerodermia, subtipos de testes para FAN ajudam a distinguir as duas formas da doença: limitada e difusa. A forma difusa é mais grave. A doença limitada está mais associado a padrão de coloração de FAN anticentrômero (e teste anticentrômero positivo), enquanto a forma difusa está associada a autoanticorpos contra Scl-70.
    • O teste para FAN também pode ser positivo em pacientes com doença de Raynaud, artrite reumatoide, dermatomiosite, doença mista do tecido conjuntivo e outras doenças autoimunes.

    O médico se baseia nos resultados dos testes, nos sintomas clínicos e na história clínica do paciente para chegar ao diagnóstico. Como os sintomas podem ir e vir, é possível que decorram meses ou anos até que se encontre um padrão sugestivo de LES ou de qualquer outra doença autoimune. Um resultado negativo para FAN faz de LES um diagnóstico improvável. Geralmente não é necessário repetir imediatamente um teste negativo para FAN. Contudo, considerando-se a natureza episódica das doenças autoimunes, talvez seja prudente repetir o teste em uma data futura.

    Desconsiderando os casos raros, não é necessário pedir outros (subtipos) testes de autoanticorpos se o paciente apresentar resultado negativo para FAN.

  • Há mais alguma coisa que eu devo saber?

    Alguns medicamentos e infecções, além das outras condições mencionadas anteriormente podem produzir resultado falso positivo no teste de FAN. Cerca de 3% a 5% dos caucasianos podem ser positivos para FAN, podendo chegar a 10% ou 37% dos indivíduos saudáveis com idade acima de 65 anos.

    Alguns medicamentos podem produzir um quadro que inclui sintomas de LES, denominado lúpus induzido por medicamento. Quando os medicamentos são suspensos, os sintomas desaparecem. Embora haja relatos de muitos medicamentos capazes de induzir esse quadro semelhante ao lúpus, aqueles mais intimamente associados a essa síndrome são hidralazina, isoniazida, procainamida e diversos anticonvulsivantes.

  • Por que a denominação “anticorpo antinuclear”?

    Porque são anticorpos dirigidos contra determinados componentes encontrados no núcleo das células.

  • Meu médico disse que meu FAN foi positivo, mas que não tinha certeza se eu teria lúpus. Como isso é possível?

    O FAN positivo significa que você possui uma concentração desses anticorpos acima do normal. Esse teste é uma das ferramentas para o diagnóstico de lúpus, assim como de diversas outras doenças autoimunes e, sendo assim, um resultado positivo pode estar relacionado com lúpus ou com outra doença. Ou você pode ter uma concentração acima do normal desses anticorpos sem que haja qualquer impacto sobre sua saúde. Mesmo entre os indivíduos com lúpus, esses resultados podem variar muito. Um paciente pode estar em remissão com um determinado título de FAN, enquanto outro pode estar em estado grave com o mesmo título. As doenças autoimunes com frequência têm um efeito sistêmico sobre o organismo e sua natureza é muito complexa. A interpretação do significado desses resultados deve ser feita pelo seu médico. Talvez ele tenha que comparar os resultados dos testes assim como a gravidade dos sintomas ao longo de um período a fim de firmar um diagnóstico definitivo. Esse tempo adicional também pode permitir ao médico eliminar outras possíveis causas para os sintomas. Testes adicionais para os autoanticorpos Smith e anti-DNA dupla hélice (ds-DNA), se positivos, confirmariam LES.

  • LES e lúpus são a mesma coisa?

    Existem várias formas de lúpus.  Em geral, quando alguém usa o termo “lúpus” está se referindo ao LES. A denominação “sistêmico” indica que o lúpus pode atingir praticamente qualquer órgão ou sistema no seu organismo. Essa é a forma mais grave. Há outras formas de lúpus primariamente limitadas à pele. Os sintomas incluem exantemas que podem ser encontrados com várias formas e em diversos locais do corpo. É comum encontrar um exantema em forma de asa de borboleta na face ou próximo dela.

Fontes do artigo

NOTA: Este artigo se baseia em pesquisas que incluíram as fontes citadas e a experiência coletiva de Lab Tests Online Conselho de Revisão Editorial. Este artigo é submetido a revisões periódicas do Conselho Editorial, e pode ser atualizado como resultado dessas revisões. Novas fontes citadas serão adicionadas à lista e distinguidas das fontes originais usadas.

 

S1
The Gale Encyclopedia of Medicine: Antinuclear antibody test. Available online: http://www.findarticles.com/p/articles/mi_g2601

S2
Kavanaugh A, Tomar R, Reveille J, Solomon DH, Homburger HA. Guidelines for clinical use of the antinuclear antibody test and tests for specific autoantibodies to nuclear antigens. Archives of Pathology and Laboratory Medicine, 2000. 124(1): 71–81.

S3
Steven Lobel, PhD, D-ABMLI, MBA. Laboratory Director, Quest Diagnostics, Baltimore, MD.

S4
H. James Williams, MD. Professor of Medicine, Thomas E. and Rebecca D. Jeremy Presidential Endowed Chair for Arthritis Research, University of Utah School of Medicine, Salt Lake City, UT.

S5
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (© 2007). Mosby’s Diagnostic and Laboratory Test Reference 8th Edition: Mosby, Inc., Saint Louis, MO. Pp 90-92.

S6
Thomas, Clayton L., Editor (1997). Taber’s Cyclopedic Medical Dictionary. F.A. Davis Company, Philadelphia, PA [18th Edition].

S7
Reeves, W. (2006 July). Fluorescent Antinuclear Antibody (FANA) Test: “False Positive” [23 paragraphs]. American College of Rheumatology [On-line information]. Accessed on: 4/9/07 Available FTP: http://www.rheumatology.org/public/factsheets/fana.asp

S8
Fosam, H. (2006 April 24). The Many Faces of Lupus: An Expert Interview With Stephen Paget, MD [20 paragraphs]. From Medscape Rheumatology, Expert Interview 2006;8(1) [On-line information]. Accessed on: 4/9/07 Available FTP: http://www.medscape.com/viewarticle/529590

S9
Relchlin, M. (2005 February 3, Updated). Laboratory Tests Used in the Diagnosis of Lupus [24 paragraphs]. Lupus Foundation of America [On-line information]. Accessed on: Available FTP: http://www.lupus.org/education/brochures/labtests.html

S10
(2003 August, Revised). Systemic Lupus Erythematosus [4 pages of 40]. National Institute of Arthritis and Musculoskeletal and Skin Diseases, Handout on Health [On-line information]. Accessed on: 4/15/07 Available FTP: http://www.niams.nih.gov/hi/topics/lupus/slehandout/

S11
Bylund DJ, Nakamura RM: Organ-specific autoimmune diseases, in Henry's Clinical Diagnosis and Management by Laboratory Methods, 21st ed. Richard McPherson and Matthew Pincus, eds. Saunders Elsievier: Philadelphia. pps 945-960, 2007.

S12
Peter JB:Antinuclear antibodies, in Use and Interpretation of Laboratory Tests in Rheumatiology, James B Peter, ed. Speciality Laboratories: Los Angeles. pp 10-11, 1998.

S13
Smalley DL: Autoimmune diseases, in Clinical Laboratory Utilization and Consultation, BG Davis, D Mass, ML Bishop, eds. WB Saunders:Philadelphia. pp 467-483, 1999.

S14
Pagana, Kathleen D. & Pagana, Timothy J. (2006). Mosby’s Manual of Diagnostic and Laboratory Tests 3rd Edition: Mosby Elsevier, Saint Louis, MO. Pp 91-93.

S15
Burtis C, Ashwood E, Bruns D, eds. (2006) Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics, 4th edition, Saunders, Elsevier.

S16
Arbuckle MR et al. Development of autoantibodies before the clinical onset of systemic lupus erythematosus. N Engl J Med 2003 Oct 16; 349:1526-33.

S17
Shmerling RH. Autoantibodies in systemic lupus erythematosus -- there before you know it. N Engl J Med 2003 Oct 16; 349:1499-500.