Alguns exames de sangue já não precisavam de jejum especial para serem realizados.
Jejum para Exames
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 29 de Agosto de 2019.

 

Alguns exames de sangue já não precisavam de jejum especial para serem realizados. Esta lista aumentou com a flexibilização do jejum para a medida do famoso colesterol e das suas frações que avaliam a quantidade de gordura no sangue.

Por décadas, a prática de ficar 12 horas sem se alimentar para colher o sangue para este exame foi rotina nos laboratórios do mundo todo, seguindo a recomendação dos pesquisadores. No entanto, essa prática começou a ser contestada na comunidade científica e ganhou força em vários países, incluindo o Brasil.

Há dois anos, as sociedades médicas brasileiras se posicionaram sobre o assunto e definiram que também não é obrigatório o jejum de 12 horas para a coleta de sangue para o exame que avalia a concentração de gordura no sangue. Apenas em algumas situações específicas, o médico que solicitou o exame pode exigir que você realize 12 horas de jejum para coleta do sangue.

Sabe-se hoje que, para grande parte da população, a coleta de sangue mesmo sem às 12 horas de jejum, permite identificar pacientes que apresentam níveis elevados de gordura, além de dar mais segurança para idosos, diabéticos e crianças, que apresentavam risco de passar mal devido ao longo período de jejum.

Somos orientados pelos nutricionistas a nos alimentar a cada 3 horas e ficamos poucos momentos do nosso dia com um jejum muito prolongado. A amostra de sangue obtida neste tempo prolongado acaba não refletindo a nossa realidade.

O ideal, para realização do exame de sangue, é que mantenhamos nossos hábitos alimentares e de atividade física e sempre informemos ao laboratório clínico todos os remédios de que fazemos uso, diária ou esporadicamente, incluindo hormônios e vitaminas.

Cabe a cada laboratório determinar, em seus procedimentos, o tempo de jejum necessário para cada um dos exames de sangue a serem realizados, colocando no laudo todas as informações necessárias para que o médico solicitante possa interpretar corretamente os resultados.

Fontes do Artigo

Grundy SM, et al. Cholesterol Clinical Practice Guidelines. Journal of the American College of Cardiology, 2018.

Scartezini M, Ferreira C, Izar MCO, et al. Posicionamento sobre a Flexibilização do jejum sobre o perfil lipídico. Arq Bras Cardiol, 2017.

Ferreira CES, Scartezini M and França CN.Lipid profile, the world needs to change. Journal of Clinical Lipidology, 2017.