covid celulas defesa
Este artigo foi modificado pela última vez em 02 de Março de 2021.

Coágulos sanguíneos
Pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desvendaram alguns dos mecanismos envolvidos na patologia promovida pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) no organismo.
De forma inédita, o estudo confirma que o patógeno é capaz de ativar uma reação de células de defesa que pode contribuir para a formação excessiva de coágulos sanguíneos observada nos casos graves da COVID-19.
Mais importante, o trabalho aponta uma via bioquímica que pode ser um alvo para o desenvolvimento de novas terapias para combater essa formação de coágulos.
Neutrófilos
Células de defesa chamadas de neutrófilos estão no centro do problema. Através de ensaios em laboratório, os pesquisadores demonstraram, pela primeira vez, que o novo coronavírus é capaz de induzir diretamente a liberação de armadilhas extracelulares neutrofílicas (NETs, na sigla em inglês).
Formadas por componentes do interior dessas células, como proteínas e fragmentos de DNA, as armadilhas são estruturas semelhantes a redes, liberadas para aprisionar e destruir microrganismos invasores.
O problema desse processo, chamado de netose, é que, quando induzido em excesso nos órgãos vitais, como o pulmão, ele causa danos ao organismo.
Os pacientes com quadros graves de COVID-19 apresentam, além das do/node/173, predisposição à trombose, que é a obstrução de veias e artérias devido à formação excessiva de coágulos sanguíneos, e esta é uma das principais consequências negativas da netose.
Espécies reativas de oxigênio
Os testes realizados indicaram ainda de forma inédita que o novo coronavírus é capaz de estimular os neutrófilos a liberar moléculas chamadas de espécies reativas de oxigênio, juntamente com as NETs. Outra arma empregada pelas células de defesa para enfrentar infecções, essas substâncias atuam diretamente para matar microrganismos invasores e, simultaneamente, estimulam a netose e ativam a cascata de coagulação sanguínea.
"Esses resultados alertam que a ativação dos neutrófilos para liberação de NETs e espécies reativas de oxigênio é, possivelmente, uma das causas importantes da trombose na COVID-19. Portanto, é possível aplicar estratégias terapêuticas contra esses alvos a fim de se evitar a resposta mais deletéria ao organismo, que é a formação de trombos", disse Alexandre Morrot, coordenador do estudo.

Checagem com artigo científico:
Artigo: The emerging role of neutrophil extracellular traps in severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (COVID-19)
Autores: Angélica Arcanjo, Jorgete Logullo, Camilla Cristie Barreto Menezes, Thais Chrispim de Souza Carvalho Giangiarulo, Mirella Carneiro dos Reis, Gabriellen Menezes Migliani de Castro, Yasmin da Silva Fontes, Adriane Regina Todeschini, Leonardo Freire-de-Lima, Debora Decoté-Ricardo, Antônio Ferreira-Pereira, Celio Geraldo Freire-de-Lima, Shana Priscila Coutinho Barroso, Christina Takiya, Fátima Conceição-Silva, Wilson Savino, Alexandre Morrot
Publicação: Nature Scientific Reports
Vol.: 10, Article number: 19630
DOI: 10.1038/s41598-020-76781-0

Fonte: Diário da Saúde