colo utero
Este artigo foi revisto pela última vez em
Este artigo foi modificado pela última vez em 21 de Outubro de 2020.

Diretrizes recentemente atualizadas da American Cancer Society (ACS) sugerem o adiamento da idade de início para o rastreamento do câncer de colo de útero para 25 anos, e recomendamos uso da pesquisado papilomavírus humano (HPV) como o método preferencial para rastreamento inicial.

As diretrizes anteriores da ACS recomendavam a triagem a cada três anos utilizando apenas o colpocitológico (Papanicolaou),com início aos 21 anos, e a pesquisa do HPV combinado com o Papanicolaou (coteste) a cada cinco anos como o método de triagem preferencial para mulheres de 30 a 65 anos.

O rastreamento do HPV consiste na coleta de células do colo do útero e pesquisa do material genético de tipos de HPV considerados de alto risco para câncer de colo de útero. Quase todos os cânceres de colo de útero são causados ​​por infecções persistentes por HPV de alto risco. 

O Papanicolaou, também conhecido como colpocitologia, é um teste de rastreamento do câncer cervical que envolve a coleta de uma amostra de células do colo do útero, examinada com um microscópio em busca de alterações potencialmente pré-cancerosas. Quando detectadas precocemente, as áreas pré-cancerosas podem ser tratadas antes de se tornarem cancerosas.

As diretrizes atualizadas da ACS agora enfatizam a recomendação de iniciar a testagem pelo HPV, como uma estratégia de rastreamento mais simples e acurada para mulheres e indivíduos transgênero que mantêm o colo do útero. Essa estratégia é recomendada para indivíduos com risco de câncer de colo de útero dentro da média da população geral, e sem sintomas ou história prévia da doença.

A ACS recomenda o uso de um dos dois testes de HPV aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) como testes de triagem primários, mas eles podem não estar disponíveis em todas as áreas. Por esse motivo, as diretrizes da ACS consideram que o coteste a cada cinco anos ou o exame de Papanicolaou isolado a cada três anos são opções aceitáveis ​​por enquanto. Mas a ACS ressalta que o coteste ou o Papanicolaou como estratégias de triagem "devem ser abandonados quando o acesso universal ao teste primário de HPV para o rastreamento do câncer cervical estiver disponível sem barreiras".

Momento do rastreio

As diretrizes atualizadas recomendam um teste de HPV inicial aos 25 anos, e depois repetido a cada 5 anos, continuando até os 65 anos. Espera-se que a redução da idade para o teste de HPV de 30 para 25 anos permita detectar mais casos de câncer cervical e evitar um maior número de mortes.

Por outro lado, a recomendação de adiar o início do rastreio de 21 para 25 anos surgiu porque os jovens vacinados para o HPV na pré-adolescência estão atingindo a idade em que são elegíveis para triagem. A vacinação para o HPV resultou em uma redução dramática nas lesões pré-cancerosas que podem evoluir para câncer de colo de útero. Além disso, a pesquisa mostrou poucos benefícios em iniciar a triagem em idades mais jovens.

As diretrizes de 2020 da ACS também recomendam interromper a triagem aos 65 anos em mulheres que tiveram 10 anos de resultados normais em triagens regulares. Aqueles que tiveram o colo do útero removido por outros motivos que não o câncer cervical, não precisam de rastreamento. As diretrizes de rastreamento da ACS continuam a se aplicar a pessoas que receberam vacinas contra o HPV.

Outras Diretrizes

A evolução da ciência e da tecnologia nos últimos anos levou a mudanças frequentes nas recomendações e a uma coleção complexa de diretrizes de rastreamento do câncer do colo do útero desenvolvida por várias sociedades médicas.

Em contraste com as diretrizes atualizadas da ACS, por exemplo, uma recomendação da Força-Tarefa de Serviço Preventivo dos Estados Unidos (USPSTF) de 2018 pede o início da triagem aos 21 anos apenas com o esfregaço de Papanicolaou. Entre 30 e 65 anos, a USPSTF recomenda o teste de HPV a cada cinco anos ou o esfregaço de Papanicolaou a cada três anos, tendo o coteste como uma opção alternativa. A Academia Americana de Médicos de Família endossou as recomendações da USPSTF de 2018.

As diretrizes do American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) de 2016 recomendam o exame de Papanicolaou para mulheres de 21 a 29 anos a cada três anos. Para mulheres com idades entre 30 e 65 anos, o ACOG declarou que o coteste a cada cinco anos ou um teste de Papanicolaou sozinho a cada 3 anos ainda é recomendado pela maioria das principais sociedades, mas o teste de HPV sozinho pode ser considerado uma alternativa para mulheres com 25 anos ou mais. Um posicionamento público do ACOG confirmou recentemente essas recomendações, mas observou que a organização analisará as recomendações da ACS para determinar se deve atualizar as suas próprias.

O método de rastreamento do câncer do colo do útero utilizado pelo Ministério da Saúde do Brasil permanece sendo o exame citopatológico (exame de Papanicolaou), que deve ser oferecido às mulheres na faixa etária de 25 a 64 anos e que já tiveram atividade sexual. A rotina recomendada para o rastreamento no Brasil é a repetição do exame Papanicolaou a cada três anos, após dois exames normais consecutivos realizados com um intervalo de um ano.

Embora as recomendações para a melhor estratégia de rastreamento continuem evoluindo à medida que as organizações de saúde atualizam suas orientações, é importante lembrar-se de fazer o rastreamento do câncer cervical.

Você pode conversar com seu médico sobre as diferentes estratégias de rastreamento para decidir qual abordagem é a melhor para você.